MELANCOLIA E IRONIA

A MARGINALIDADE POÉTICA E O POEMA EM PROSA

  • João Tavares Bastos

Resumo

Melancolia e ironia frequentemente cooperam para impulsionar a revitalização literária. O congraçamento entre os dois conceitos faculta ainda a abertura de novas vias para o belo, a partir da assunção de um posicionamento marginal ou dissidente. Neste texto, busca-se descrever a presença dessa fértil cooperação no processo de emergência do poema em prosa e de criação de uma estratégia de produção calcada na negatividade. Observa-se, assim, que Aloysius Bertrand, Charles Baudelaire e Arthur Rimbaud recorreram a esse último gênero poético em busca da originalidade e do contraste, terminando por desencadear o que Stéphane Mallarmé chamaria posteriormente de crise de verso.

Publicado
2018-09-12
Como Citar
TAVARES BASTOS, João. MELANCOLIA E IRONIA. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, [S.l.], v. 23, p. 95-112, set. 2018. ISSN 1984-2899. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/1161>. Acesso em: 19 nov. 2018.
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES