A IMAGINAÇÃO COMO ANTÍDOTO

UMA ANÁLISE DE ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS EM CORDEL, DE JOÃO GOMES DE SÁ

  • Eliane Aparecida Galvão Ribeiro Ferreira
  • Guilherme Magri da Rocha

Resumo

Este texto tem por objetivo apresentar uma análise da adaptação Alice no País das Maravilhas em Cordel, escrita por Gomes de Sá e ilustrada por Marcos Garuti (2010), visando detectar, a partir do aporte teórico da Estética da Recepção (JAUSS, 1994; ISER, 1999 e 1996), se a obra mantém a comunicabilidade com seu leitor implícito, levando-o à reflexão crítica, por meio do rompimento de seus conceitos prévios e da ampliação de seus horizontes de expectativas. Para tanto, opta-se por uma análise comparativa entre essa obra e Aventuras de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll (2013), partindo-se do pressuposto, em consonância com Massaud Moisés (2005), de que essa possibilidade de leitura é possível em relação à temática da individuação e à abordagem pelo viés do fantástico. Nessa análise, buscam-se afinidades, homologias entre as duas poéticas — romance e literatura de folheto — manifestas em produção literária.

Publicado
2017-08-02
Como Citar
RIBEIRO FERREIRA, Eliane Aparecida Galvão; MAGRI DA ROCHA, Guilherme. A IMAGINAÇÃO COMO ANTÍDOTO. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, [S.l.], v. 21, p. 73-92, ago. 2017. ISSN 1984-2899. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/13>. Acesso em: 18 dez. 2017.
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES