TODOS ÉRAMOS HIJOS

LITERATURA E MEMÓRIA

  • Isis Milreu

Resumo

No romance Todos éramos hijos (2014), Maria Rosa Lojo reconstrói um período traumático da história argentina por meio da rememoração das experiências da narradora-personagem Rosa-Frik que recorda acontecimentos de sua infância, juventude e maturidade que estão relacionados com a memória coletiva. Entre esses episódios, destaca-se a última ditadura argentina, uma ferida que ainda permanece aberta e, por isso, continua a ser tema de várias ficções, as quais cumprem o dever de memória proposto por Ricouer (2007), explicitando que é preciso recordar para superar o trauma. O objetivo deste estudo é analisar como Lojo apresenta a memória de sua geração na construção de seu tecido narrativo, particularmente, no que se refere à ditadura argentina de 1976.

Publicado
2018-06-12
Como Citar
MILREU, Isis. TODOS ÉRAMOS HIJOS. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, [S.l.], v. 22, p. 79-93, jun. 2018. ISSN 1984-2899. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/1088>. Acesso em: 16 dez. 2018.
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES