ELIO VITTORINI E LUCIANO DE CRESCENZO

A REPRESENTAÇÃO MEMORIALISTICA EM CONVERSAZIONE IN SICILIA E ELENA, ELENA, AMORE MIO

  • Maria Celeste Tommasello Ramos
  • Patrícia Aparecida Gonçalves de Faria

Resumo

Os autores italianos Elio Vittorini (1908-1966), em seu romance Conversazione in Sicilia (1941) e Luciano De Crescenzo (1928), na obra Elena, Elena, amore mio (1991), em épocas diversas do século XX, utilizaram a Memória no tecer da representação literária. Com base em Bergson (1999), Gagnebin (2006) e Fentress (2007), entre outros; abordamos, em nosso estudo, como o retorno ao passado, no romance de Vittorini, denunciou as mazelas e as injustiças de seu tempo, enquanto em Elena, Elena, amore mio verificamos que, desde a premissa, considerações são realizadas por De Crescenzo a respeito de seu passado pessoal, ao qual ele mescla as histórias mitológicas, recontadas por ele com base em Homero, confirmando a importância do mito na contemporaneidade e a importância do papel da Memória no tecer literário.

Publicado
2018-06-12
Como Citar
TOMMASELLO RAMOS, Maria Celeste; GONÇALVES DE FARIA, Patrícia Aparecida. ELIO VITTORINI E LUCIANO DE CRESCENZO. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, [S.l.], v. 22, p. 243-260, jun. 2018. ISSN 1984-2899. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/1097>. Acesso em: 17 jun. 2018.
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES