A MODERNIDADE E O MITO DO HERÓI VENCEDOR. AS IMAGENS MODERNAS EM JOÃO JACOBINA E CHARLES BAUDELAIRE

REFLEXO DUPLO EM UM ESPELHO INVISÍVEL

  • Robson Coelho Tinoco

Resumo

A ficção machadiana apresenta alguns exemplos de “personagens heróis”, como João Jacobina, do conto “O espelho”, foco central deste artigo. Tal sentido de heroísmo resguarda-se, também, na relação entre modernidade e imagem em que, agora sob a óptica de Charles Baudelaire, aquela deveria estar sob o signo do suicídio selando uma vantagem heróica que nada concede à atitude que lhe é hostil. O poeta avalia, ainda, que tal suicídio não se trata de renúncia, mas de paixão heróica. Nessa confluência de referenciais, o artigo também considera que, para Michel Foucault, o problema não é tentar dissolver as relações de poder na utopia de uma comunicação eficaz, mas propor regras de conduta, e também éticas -  o ethos, na prática -  o que permitiria realizar os “jogos de poder” com um mínimo de dominação pelas pessoas (e/ou personagens, heróicas ou não).

Publicado
2017-10-11
Como Citar
COELHO TINOCO, Robson. A MODERNIDADE E O MITO DO HERÓI VENCEDOR. AS IMAGENS MODERNAS EM JOÃO JACOBINA E CHARLES BAUDELAIRE. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, [S.l.], v. 5, p. 205-221, out. 2017. ISSN 1984-2899. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/719>. Acesso em: 17 dez. 2017.
Edição
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES