REPRESENTAÇÕES DO HOMEM DO CAMPO EM MONTEIRO LOBATO

DE JECA TATU A ZÉ BRASIL

  • Mário Luís Simões Filho
Palavras-chave: Literatura, sociedade, identidade cultural

Resumo

Pautado pelo cientificismo vigente dos fins do século XIX e inícios do século XX, base teórico-ideológica na qual se assentam as perspectivas do progresso e da civilização ocidental, Monteiro Lobato alinhar-se-ia, ao longo de sua vida, à variadas posições ideológicas. Desse alinhamento, resultariam diversas configurações dos traços físicos e sociais do mundo caboclo. Neste estudo, seguindo itinerário esboçado por Marisa Lajolo, nos voltaremos para as narrativas lobatianas acerca do homem rural, escritas entre 1914 e 1947. Nesta tarefa, observaremos que, Monteiro Lobato, trilhando, contraditoriamente, o caminho da tradição, permaneceria fiel ao Naturalismo, propondo, através da literatura, a inserção do caipira no mundo do capital, do progresso, da ciência e da riqueza individual.

Publicado
2017-10-24
Edição
Seção
DOSSIÊ: MONTEIRO LOBATO E SUAS MÚLTIPLAS FACETAS.