Interações entre historiografia e filosofia grega

a noção de kairós em Isócrates como alternativa ao filósofo do mito da caverna platônico

  • Diogo Quirim
Palavras-chave: Isocrates; Bruno Latour; Kairós;, Carlo Ginzburg;, Dominique LaCapra;, Greek philosophy

Resumo

No texto Nem céu nem inferno, Bruno Latour critica as relações entre intelectualidade e sociedade por meio do mito da caverna platônico. No século IV a.C., Isócrates foi o maior rival da Academia de Platão, propondo uma filosofia que não precisaria afastar-se da multidão e da temporalidade para produzir um conhecimento legítimo. Baseado na noção de kairós, que indica “oportunidade”, “ocasião” ou “circunstância particular”, sugiro que Isócrates seja uma alternativa interessante para uma historiografia que não busque fugir da particularidade de qualquer relação entre presente e passado, instaurando um diálogo entre tradição e política contemporânea, assim como entre a historiografia de Dominick LaCapra e Carlo Ginzburg.

Biografia do Autor

Diogo Quirim

Mestrando em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade
Federal do Rio Grande do Sul – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas – Av. Bento Gon-
çalves, 9500, Prédio 43311, CEP: 91501-970, Porto Alegre, RS. Bolsista CAPES.

Referências

BAILLY, Anatole. Dictionnaire Grec-Français. Paris: Hachette, 2000.

CASSIN, Barbara. O efeito sofístico:sofística, filosofia, retórica, literatura. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Maria Cristina Franco Ferraz e Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2005.

CHANTRAINE, Pierre. Dictionnaire étymologique de la langue grecque: histoire des mots. Paris: Libraire C. Klincksieck e Cie., 1999.

GINZBURG, Carlo. Relações de força: história, retórica, prova. Tradução de Jonatas Batista Neto. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

ISÓCRATES. Discours. Tradução de George Mathieu e Émile Brémond. Paris: Les Belles Lettres, 1929.

LACAPRA, Dominick. History & Criticism. New York: Cornell University Press, 1985.

LACAPRA, Dominick. Repensar la historia intelectual y leer textos. In: PALTÍ, Elias José. Giro lingüístico e história intelectual. Buenos Aires: Univ. Nacional de Quilmes, 1998.

LATOUR, Bruno. Nem céu nem inferno. Folha de S.Paulo. São Paulo, 28 de março de 1999. Disponível em: www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs28039922.htm. Acesso em: 24 de março de 2014.

LATOUR, Bruno. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Traduzido por Carlos Aurélio Mota de Souza. Bauru: EDUSC, 2004.

LIDDELL, Henry George; SCOTT, Robert. A Greek-English Lexicon. 7ª edição revisada. New York: Harpers & Brothers, 1883.

OGAWA, Carlos Eduardo de Almeida. História, retórica, poética, prova: a leitura de Carlo Ginzburg da Retórica de Aristóteles. Dissertação (Mestrado em História) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2010.139p.

ONIANS, Richard Broxton. The origins of European thought: about the body, the mind, the soul, the world, time and fate. Cambridge: Cambridge University Press, 1951.

PLATÃO. Diálogos: Menon, Banquete, Fedro. Tradução de Jorge Paleikat. Porto Alegre: Editora Globo, 1962.

PLATÃO. Górgias. Tradução de Manuel de Oliveira Pulquério. Lisboa: Edições 70, 1997.

PLATÃO. República. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

Publicado
2017-08-16
Como Citar
QUIRIM, D. Interações entre historiografia e filosofia grega. Faces da História, v. 1, n. 2, p. 32-48, 16 ago. 2017.