Um breve estudo sobre Arnaldo Albuquerque e a História em Quadrinhos Carcará

Palavras-chave: História em quadrinhos, Arnaldo Albuquerque, Quadrinhos piauienses

Resumo

As Histórias em Quadrinhos são uma forma de arte que utiliza da sobreposição de palavras e imagens em sequência e têm alcançado espaço como objeto de diversos campos do conhecimento. Os trabalhos acadêmicos que focam neste tipo de arte crescem frequentemente e seus autores, mesmo que precisem lutar contra alguns preconceitos ainda encontrados em algumas áreas, se destacam principalmente pela ousadia. Arnaldo Albuquerque foi um quadrinista, cartunista, fotógrafo, pintor e cineasta do Piauí que se evidenciou por seus trabalhos pioneiros como, por exemplo, ter sido o autor do primeiro quadrinho do estado, Humor Sangrento (1977). A proposta deste artigo é analisar o quadrinho Carcará, publicado na revista previamente mencionada e, para tal, a pesquisa apresenta recursos gráficos comuns em HQs tais como página, vinheta, balões e nível de fala. Este trabalho busca incentivar o leitor a interpretar o quadrinho apresentado e questionar a análise.

Biografia do Autor

Kézia Zelinda Nery Almeida

Mestra em História pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina - PI.

Jaison Castro Silva

Doutor em História pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza - CE, com doutorado sanduíche de um ano nos Estados Unidos (Bloomington, Indiana University), bolsista Fullbright (CAPES).

Referências

ALBUQUERQUE, Arnaldo. Humor Sangrento. Teresina: Nossa. 1ª edição. 1977.

ALBUQUERQUE, Arnaldo. Humor Sangrento. Carcará. 1ªed. Teresina: Nossa. 1977, p. 11-12.

ALMEIDA, Kézia Zelinda Nery. Cultura entre quadros e rabiscos: um estudo da produção da arte sequencial no Piauí de 1977 a 1997. 2020. 131 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em História do Brasil, do Centro de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2020.

AURÉLIO, Bernardo. Arnaldo Albuquerque e sua obra. In: ALBUQUERQUE, Arnaldo. Humor Sangrento. 2ªed. Núcleo de Quadrinhos do Piauí. 2ª edição. Teresina. 2007.

BAXANDALL, Michael. Padrões de intenção: a explicação histórica dos quadros. São Paulo: Companhia das letras, 2006.

BORGES, Átila Fauzi Dutra. Pra falar das flores: o uso político da música durante a ditadura militar. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência Política) – Instituto de Ciência Política, Universidade de Brasília, Brasília, 2017. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/20226/1/2017_AtilaFauziDutraBorges_tcc.pdf Acesso em: 20 jan. 2019.

CIRNE, Moacy. Quadrinhos, sedução e paixão. Petrópolis: Vozes. 2000.

DIDI-HUBBERMAN, Georges. Images in spite of all: four photographs from Auschwitz. Chicago: University of Chicago Press. 1998.

EISNER, Will. Quadrinhos e arte sequencial: princípios e práticas do lendário cartunista. - 4ª ed. - São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

EISNER, Will. Narrativas gráficas: princípios e práticas da lenda dos quadrinhos. 3ª ed. São Paulo: Devir. 2013.

FICO, Carlos. Como eles agiam – Os subterrâneos da Ditadura Militar: espionagem e polícia política. Rio de Janeiro: Record. 2001.

GARCÍA, Santiago. A novela gráfica. Tradução Magda Lopes – São Paulo: Martins Fontes. 2012.

GROENSTEEN, Thierry. O Sistema dos quadrinhos. Nova Iguaçu – RJ: Marsupial. 2015.

HOLANDA, Vitória. Jornada ilustrativa. Revista REVESTRES, n. 19, ano 4, Teresina. 2017. p. 30-37.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia: estudos culturais, identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP: Edusc. 2001.

LONGMAN: dicionário escolar para estudantes brasileiros. Pearson Education Limited. 2008.

MCCLOUD. Scott. Desvendando os quadrinhos. São Paulo: M Books. 2005.

MENDES, Felipe. Economia e desenvolvimento do Piauí. Fundação Cultural Monsenhor Chaves. Teresina. 2003.

MOTA, Pedro; GUILHERME. Teresa Maria. A linguagem da BD. Amadora: CMA. CNBDI, 2000.

NOGUEIRA, Cícero Brito. Sem palavras: humor e cotidiano nas histórias em quadrinhos de Arnaldo Albuquerque. 2006. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós Graduação em História do Brasil, Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2010.

RAMOS, Paulo. O uso da gíria nas histórias em quadrinhos. In: VERGUEIRO, Waldomiro. RAMOS, Paulo. Muito além dos quadrinhos: análises e reflexões sobre a 9ª arte. São Paulo: Devir. 2009. p. 39–68.

RAMOS, Paulo A leitura dos quadrinhos. 2. ed. São Paulo, Contexto. 2018.

ROSZAK, Theodore. A contracultura: reflexões sobre a sociedade tecnocrática e a oposição juvenil. Petrópolis, Editora Vozes. 1972.

SANTOS, Cineas. Prefácio. In: ALBUQUERQUE, Arnaldo. Humor Sangrento. Teresina: Nossa. 1ª edição. 1977. s.p.

SOUZA, Paulo Gutemberg de Carvalho. História e Identidade: as narrativas da piauiensidade. 2008. 300 f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História do Piauí, Universidade Federal do Piauí. Teresina. 2008.

VERGUEIRO, Waldomiro. Quadrinhos e educação popular no Brasil: considerações à luz de algumas produções nacionais. In: VERGUEIRO, Waldomiro; RAMOS, Paulo (org.). Muito além dos quadrinhos: análises e reflexões sobre a 9ª arte. São Paulo: Devir. 2009. p. 85–102.

Publicado
2021-06-30
Como Citar
NERY ALMEIDA, K. Z.; SILVA, J. C. Um breve estudo sobre Arnaldo Albuquerque e a História em Quadrinhos Carcará. Faces da História, v. 8, n. 1, p. 310-325, 30 jun. 2021.