Tenupá-Oikó

a filosofia do “Deixa Está” como proposta humorística para a construção da legislação brasileira pela ótica antropofágica de Clóvis de Gusmão

Autores

  • Heraldo Márcio Galvão Júnior UNIFESSPA/UFPA

Palavras-chave:

Antropofagia, Modernismo, Humor, Amazônia, Clóvis de Gusmão

Resumo

Com o presente artigo objetiva-se compreender de que maneira o autor paraense Clóvis de Gusmão, que publicava na Revista de Antropofagia e transitava entre Belém, São Paulo e Rio de Janeiro na década de 1920, propôs, por meio do humor, a dissolução da legislação brasileira e sua reconstrução a partir do folclore e de crenças indígenas amazônicas que, segundo os antropofágicos, eram mais próximas da realidade nacional e não cópias de documentos estrangeiros incompatíveis com a realidade nacional.

Biografia do Autor

Heraldo Márcio Galvão Júnior, UNIFESSPA/UFPA

Doutor em História pela UFPA, Belém-PA. Mestre em História pela Unesp, Assis-SP. Professor Adjunto do curso de História da Faculdade de Ciências Humanas do Instituto de Estudos do Trópico Úmido da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em História, Arte e Literatura (GEPHAL).

Referências

ANDRADE, Mário. O turista aprendiz. São Paulo: Duas Cidades/Secretaria de Cultura, Esportes e Tecnologia, 1976.

ANDRADE, Oswald. A sátira na literatura brasileira. Boletim bibliográfico. Publicação da Biblioteca Municipal de São Paulo, v. 2, p. 39-52, abr./jun. 1945.

ANDRADE, Oswald. Dicionário de bolso. São Paulo: Globo, 2007.

ANDRADE, Oswald. Manifesto Antropófago. Revista de Antropofagia, n. 1, 1ª dentição, mai. 1928.

ANDRADE, Oswald. Um homem sem profissão. Memórias e Confissões. Sob as ordens de mamãe. São Paulo: Globo, 2002.

AZEVEDO, Lílian Henrique de. Mulher em revista: representações sobre o feminino nas revistas paulistanas O Pirralho e A Cigarra (1914-1918). Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Assis, 2000.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BOAVENTURA, Maria Eugênia. A Vanguarda antropofágica. São Paulo: Ática, 1985.

BOPP, Raul. Vida e morte da Antropofagia. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

BOPP, Raul. Movimentos Modernistas no Brasil 1921-1928. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

BRASIL. Decreto n° 847, de 11 de outubro de 1890.

BREMMER, Jan; ROODENBURG, Herman. Humor e História. In: BREMMER, Jan; ROODENBURG, Herman (Orgs.). Uma História cultural do Humor. Rio de Janeiro: Record, 2000.

CERTEAU, Michel de. História e psicanálise: entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2011.

COELHO, Marinilce Oliveira. O Grupo dos novos (1946-1952): memórias literárias de Belém do Pará. Belém: EDUFPA; UNAMAZ, 2005.

COSTA, Oswaldo. Moquém II – hors d’ouvre. Revista de Antropofagia, São Paulo, p. 06, 24 abr. 1929.

COSTA, Oswaldo. Moquém V – CAFÉZINHO. Revista de Antropofagia, São Paulo, p. 12, 08 mai. 1929.

DIETRICH, Wolf; MONSERRAT, Ruth; MULLER, Jean-Claude (Orgs). Dicionário de língua geral amazônica. Potsdam: University Postdam/Belém/Pará: Museu Paraense Emilio Goeldi, 2019.

DRIESSEN, Henk. Humor, riso e o campo: reflexões da antropologia. In: BREMMER, Jan; ROODENBURG, Herma (Orgs.). Uma História cultural do Humor. Rio de Janeiro: Record, 2000.

DUROZOI, G & LECHERBONNIER, B. O Surrealismo. Coimbra: Almeidina, 1976.

EXPEDIENTE. Revista de Antropofagia, São Paulo, p. 06, 04 jul. 1929.

FIGUEIREDO, Aldrin Moura de. Letras insulares: leituras e formas da história no modernismo brasileiro. In: CHALLHOUB, Sidney; PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. A História contada: capítulos de história social da literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

FREUD, S. Totem e Tabu, Contribuição à história do movimento psicanalítico e outros textos (1912-1914). São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

GALVÃO JUNIOR, Heraldo Márcio. Quem não pode morder não mostra os dentes: modernistas e antropofágicos entre São Paulo e Belém do Pará nos anos 1920. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Pará, Belém, 2020.

GALVÃO JUNIOR, Heraldo Márcio; FIGUEIREDO, A. M. Revistas no Front: aproximações entre Belém Nova e Revista de Antropofagia por meio de manifestos na década de 1920. Revista Antíteses, v. 12, p. 166-195, 2019.

GAY, Peter. Freud para historiadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

GREENBLATT, Stephen; GALLAGHER, Catherine. Contra-história e anedota. A prática do novo historicismo. Tradução de Gilson C. Cardoso Sousa. Bauru: Edusc, 2005.

GUSMÃO, Clóvis de. Antropofagia. Revista de Antropofagia, São Paulo, p. 10, 07 abr. 1929a.

GUSMÃO, Clóvis de. 4 pedaços de tenupá-oikó. Diário da Manhã, Espírito Santo, 21 jul. 1929b.

INOJOSA, Joaquim. O movimento modernista em Pernambuco. v. 2. Rio de Janeiro: Tupy, 1968.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. São Paulo: Edições 70, 2000.

MACHADO, Antônio de Alcântara. Incitação aos Canibais. Revista de Antropofagia, jun. 1928.

MAGALHÃES, Couto de. O Selvagem. Salvador: Centro de Documentação do Pensamento Brasileiro (CDP), 2013.

MARTINS, Ana Luiza. Revistas em Revista: imprensa e práticas culturais em tempos de República. São Paulo (1890-1922). São Paulo: Edusp, 2001.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013.

NODARI, Alexandre. Apresentação. In: ANDRADE, Oswald de. De antropofagia. Lacuna: uma revista de psicanálise, São Paulo, n. -7, p. 4, 2019. Disponível em: https://revistalacuna.com/2019/08/07/n-7-4/.

NUNES, Benedito. Oswald Canibal. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979.

O ITALIANINHO sem primeiras letras. Revista de Antropofagia, São Paulo, p. 10, 04 jul. 1929.

ORWELL, Sonia; ANGUS, Ian (Orgs.). The collected essays, journalism, and letters of George Orwell. v. 3. Nova York: Harcourt, Brace & World, 1969.

PRIMEIRO congresso brasileiro de antropofagia – algumas teses antropofágicas. Revista de Antropofagia, São Paulo, p. 12, 19 jul. 1929.

RICHTER, Hans. Dadá: arte e antiarte. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

RODRIGUES, J. Barbosa. Poranduba amazonense ou KOCHIYMA-UARA PORANDUB. Rio de Janeiro: Typ. De G. Leuzinger & Filhos, 1890.

SALIBA, Elias Thomé. A dimensão cômica da vida privada na Repúbilca. In: SEVCENKO, Nicolau (Org.) História da Vida Privada no Brasil. v. III, 4ª ed. São Paulo: Cia das Letras, 2001a.

SALIBA, Elias Thomé. Cabrião: humor e paródia política. Comunicação & Educação. São Paulo, set./dez. 2001b, p. 87-91.

SALIBA, Elias Thomé. Cruzamentos e sincretismos humorísticos na história brasileira dos anos vinte e trinta. Dimensões (Revista de História da Ufes), v. 12, jun/jun, 2001c.

SALIBA, Elias Thomé. História cultural do humor: balanço provisório e perspectivas de pesquisas. Revista de História, São Paulo, n. 176, 2017.

TIRO ao alvo. Revista de Antropofagia, São Paulo, p. 10, 15 mai. 1929.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e Literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Como Citar

GALVÃO JÚNIOR, Heraldo Márcio. Tenupá-Oikó: a filosofia do “Deixa Está” como proposta humorística para a construção da legislação brasileira pela ótica antropofágica de Clóvis de Gusmão. Faces da História, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 25–51, 2020. Disponível em: https://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/1770. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos para Dossiê