A genealogia de uma historiografia genealógica

a escrita da história anarquista pós-estruturalista

  • Fabrício Pinto MONTEIRO
Palavras-chave: Anarquismo pós-estruturalista; historiografi; Michel Foucault; Friedrich Nietzsche; Max Stirner

Resumo

Entre as diferentes propostas de política anarquista existentes na atualidade ganha destaque, sobretudo nos meios acadêmicos, aquelas vinculadas ao chamado “anarquismo pós-estruturalista”. O objetivo deste texto é discutir as relações entre essas propostas políticas e as formas de escrita da história elaboradas por autores/militantes, inclusive no Brasil, destacando a genealogia histórica desse diálogo. O problema da construção de memórias mostrou-se fundamental, em especial nas leituras de fiósofos como Michel Foucault, Friedrich Nietzsche e Max Stirner.

Referências

ANTLIFF, A. Anarchy, power and poststructuralism. 2011 [2010]. Disponível em The anarchist library, theanarchystlibrary.org. Acesso 09/11/2011.

ANTLIFF, A. Anarquia e arte: da Comuna de Paris à queda do Muro de Berlim. São Paulo: Madras, 2009.

AVELINO, N. Anarquismo e governabilidade. São Paulo: PUC/SP, São Paulo, 2008. (Tese de Doutorado em Ciências Sociais).

AVELINO, N. Anarquistas: ética e antologia de existências. Rio de Janeiro: Achiamé, 2004.

AVELINO, N. Governamentalidade e Anarqueologia em Michel Foucault. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, vol.25, n. 74, p.139-157, out. 2010.

BAHR, H. John Henry Mackay. In: MACKAY, J. Dear Tucker: the letters from John Henry Mackay. San Francisco: 2002 (ebook), p. 279-283.

BEY, H. Caos: terrorismo poético e outros crimes exemplares. São Paulo: Conrad, 2003.

BEY, H. Guerra da informação. Vol.1. Porto Alegre: Deriva, 2008.

BEY, H. Zonas Autônomas. Vol.2. Porto Alegre: Deriva, 2010.

BEY, H. Milênio. Vol.3.Porto Alegre: Deriva, 2012.CALL, L. Editorial – Post-anarchism Today. Anarchism development in cultural studies. Ontario, n° 1, p. 9-15, 2010.

COLSON, D. Anarquismo hoje. Política e Trabalho: Revista de Ciências Sociais. João Pessoa: n. 36, p. 75-90, abril de 2012.

DERRIDA, J. Espectros de Marx. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

DÍAZ, C. Max Stirner: uma filosofia radical do eu. São Paulo: Imaginário/Expressão e Arte, 2002.

ENGELS, F. A propos du mot d’ordre de la supression de l’etat e des “amis de l’anarchisme allemands. [1850]. In: MARXS, K.; ENGELS, F.; LENINE, V. Sur l’anarchisme et anarcho syndicalisme. Moscou: Editions du Progrès Moscou, 1973. p. 29-347.

EVREN, S. Notes on Post-anarchism. 2011a. Disponível em the anarchist library. theanarchistlibrary.org. Acesso em 12/08/2011.

EVREN, S. Alpine anarchist meets Süreyyya Evren.2011b. Disponível em The anarchistlibrary. theanarchistlibrary.org. Acesso em 12/08/2011.

FOUCAULT, M. Estruturalismo e pós-estruturalismo. [1983] In: MOTTA, M. (org.) Ditos e escritos II. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008. p. 307-334.

FOUCAULT, M. História da sexualidade (vol. 2). Rio de Janeiro: Graal, 2007.

FOUCAULT, M. História da sexualidade. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. Nietzsche, a Genealogia, a História. [1971]. In: MOTTA, M. Ditos e escritos II. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008. p. 260-281.

GINZBURG, C. Nenhuma ilha é uma ilha: quatro visões da literatura inglesa. São Paulo: Companhia das letras, 2004.

GINZBURG, C. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

KENNEDY, H. Introduction. In: MACKAY, J. Dear Tucker: the letters from John Henry Mackay. San Francisco: 2002 (ebook) p. 5-10.

KINNA, R. O espelho da anarquia: o egoísmo de John Henry Mackay e Dora Marsden. Revista de Ciências Sociais João Pessoa, n° 36, p. 57-74, abril de 2012.

LEOPOLD, D. Introduction. STIRNER, M. The Ego and its Own.Cambridge: Cambridge University Press, 2002. p. 11-32.

MACKAY, J. Dear Tucker: the letters from John Henry Mackay. San Francisco: 2002 (ebook)

MACKAY, J. Max Stirner: his life and his work. Concord: Peremptory Publications (ebook), 2005.

MACKAY, J. The Anarchists: A Picture of Civilization at the Close of the Nineteenth Century. Boston: Benjamin R. Tucker Publisher (ebook), 1891.

MAY, T. Pós-estruturalismo e anarquismo. Rio de Janeiro: Achiamé, s/d.

MONTEIRO, F. Anarquismos e formas de subjetivação nas escritas da história. Uberlândia: UFU, 2014 (Tese de Doutorado em História).

MONTEIRO, F. Construção de memórias e escrita da história como militância política: Edgar Rodrigues e o anarquismo durante a ditadura militar no Brasil. Perseu: história, memória e política. São Paulo, n° 8, ano 6, p. 91-119. jun. 2012a.

MONTEIRO, F. Tom Bombadil, um personagem sem lugar: a literatura como construção de significações sociais. História: Debates e Tendências. Passo Fundo, vol. 12, n° 2, p.257-274. jul./dez. 2012b.

NASCIMENTO, R. Indisciplina: experimentos libertários e emergências de saberes anarquistas no Brasil. PUC/SP, São Paulo, 2006 (Tese de Doutorado em Ciências Sociais).

NETTLAU, M. História da anarquia: das origens ao anarco-comunismo. São Paulo: Hedra, 2008.

NEWMAN, S. As políticas do pós-anarquismo. Verve. São Paulo, n° 9, p. 30-50. 2006.

NEWMAN, S. Pós-anarquismo: entre política e antipolítica. [2009] Política e Trabalho: Revista de Ciências Sociais. João Pessoa: nº 36, p. 103-115, abril de 2012.

NEWMAN, S. Stirner e Foucault em direção a uma liberdade pós-kantiana. Verve. São Paulo, n° 7, p. 101-131, 2005.

NIETZSCHE, F. Terceira dissertação: o que significam ideais ascéticos? In: NIETZSCHE, F. A genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. p. 87-149.

NU-SOL. Nós. Disponível em http://www.nu-sol.org. Acesso 02/05/2014.

PASSETTI, E. Ética dos amigos: invenções libertárias da vida. São Paulo/Brasília: Imaginário/CAPES, 2003.

PASSETTI, E. Heterotopias anarquistas. Verve. São Paulo, n° 2, p. 141-173, 2002.

RAGO, M. Apresentação [2004]. In: RAGO, M. Foucault, história e anarquismo. Rio de Janeiro: Achiamé, s/d. p. 9-12.

RAGO, M. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar (Brasil 1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

RAGO, M. Entre história e liberdade: Luce Fabbri e o anarquismo contemporâneo. São Paulo: EdUNESP, 2001.

RAGO, M. Libertar a história. [2002]. In: RAGO, M. Foucault, história e anarquismo. Rio de Janeiro: Achiamé, s/d. p. 41-61.

RAGO, M. O anarquismo e a história. [2000]. In: RAGO, M. Foucault, história e anarquismo. Rio de Janeiro: Achiamé, s/d. p. 13-40.

RAGO, M. O efeito-Foucault na historiografia brasileira. [1995]. In: RAGO, M. Foucault, história e anarquismo. Rio de Janeiro: Achiamé, s/d. p. 63-87.

SAFRANSKI, R. Nietzsche, biografia de uma tragédia. São Paulo: Geração Editorial, 2001.

SEIXAS, J. Linguagens da perplexidade: personas, infinitos desdobramentos (três narrativas, três tempos). In: CERASOLI, Josianne; NAXARA, Márcia.; SEIXAS, Jacy. (Org.). Tramas do político: linguagens, formas, jogos. 1ªed.Uberlândia: Edufu, 2012, p. 279-300.

SEIXAS, J. O ‘mundo do passado’ e do presente: Eichmann(s) na história e na literatura. In: BREPOHL, Marion. (Org.). Eichmann em Jerusalém: 50 anos depois. 1ª ed. Curitiba: Editora UFPR, 2013. p. 129-144.

SEIXAS, J. Mémoire et oubli:anarchisme et syndicalisme révolutionnaire au Brésil. Mythe et histoire. Paris: Ed. de la Maison des sciences de l’homme, 1992.

STEPELEVICH, L. The revival of Max Stirner. Journal of the History of Ideas. Philadelphia, vol. 35, n°2, p. 323-328, Apr-Jun, 1974.

STIRNER, M. O único e sua propriedade. Lisboa: Antígona, 2004.

VACCARO, S. Foucault e o anarquismo. Rio de Janeiro: Achiamé, s/d.

WOODCOCK, G. Anarquismo: uma história das idéias e movimentos libertários. Porto Alegre: L&PM, 1983.

Publicado
2017-08-18
Como Citar
MONTEIRO, F. P. A genealogia de uma historiografia genealógica. Faces da História, v. 1, n. 2, p. 6-31, 18 ago. 2017.