H.J. Koellreutter e a Revista Música Viva

apontamentos sobre a modernidade musical brasileira

  • Leandro Candido de Souza
Palavras-chave: H. J. Koellreutter, revista Música Viva, modernismo, cosmopolitismo.

Resumo

O objetivo deste artigo é retomar os episódios iniciais da elaboração de uma estética musical modernista no Brasil. Em um contexto no qual nacionalismo e modernidade interagiam de modo fecundo, embora precário, o sistema foi inicialmente atualizado por um novo nacionalismo expresso teoricamente no Ensaio Sobre a Música Brasileira, de Mário de Andrade, dando continuidade às ideias oficializadas pela Semana de 22. Posteriormente, até a publicação da “Carta Aberta aos Músicos e Críticos do Brasil” (1950), redigida pelo compositor Mozart Camargo Guarnieri, essa corrente sofreu profunda influência das novas experiências do cosmopolitismo trazidas à discussão por H. J. Koellreutter (1915-2005), nas duas fases da revista Música Viva (1940-1941 e 1947-1948). Será fundamentalmente sobre esse papel polêmico da revista, e de seu principal animador (ambos geradores de debates e rupturas) que falaremos nas próximas páginas.

Referências

ANDRADE, Mário de.Ensaio sobre a música brasileira. (Obras de Mário de Andrade, vol. VI). São Paulo, Brasília: Martins Editora, INL, 1975.

BÜRGER, Peter. Teoria da vanguarda. Trad. José Pedro Antunes. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

CONTIER,Arnaldo Daraya. Música e ideologia no Brasil. São Paulo: Novas Metas, 1985.

CUNHA, João Itiberê da. Música Viva em homenagem a Villa-Lobos. Correio da Manhã (Correio Musical), Rio de Janeiro, 09 fev. 1941.

CUNHA, João Itiberê da. Arnold Schoenberg, um dos mais revolucionários dos músicos. Correio da Manhã (Correio Musical), Rio de Janeiro, 16 fev. 1941.

CUNHA, João Itiberê da. O movimento artístico no sul do Brasil: Mirella Vitta e Hans-Joachim Koellreutter. Correio da Manhã (Correio Musical), Rio de Janeiro, 01 set. 1942.

GADO, Adriano Braz. Koellreutter e o serialismo: Música 1941 - um estudo de análise. ICTUS (PPGMUS/UFBA), v. 7, p. 163-180, 2006.

GOMES, Mariana Costa. Mediação música e sociedade: uma análise das perspectivas ideológicas e estéticas de Cláudio Santoro, a partir de sua correspondência pessoal.2007. 112f. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Nacional de Brasília, Brasília, 2007.

GRUPOMÚSICAVIVA. O nosso programa. Música Viva, Rio de Janeiro, nº 1, ano I, p. 01, mai. 1940a.

GRUPOMÚSICAVIVA. Nota. Música Viva, Rio de Janeiro, nº 3, ano I, p. 03, jul. 1940b.

GRUPOMÚSICAVIVA. Manifesto 46: declaração de princípios. Música Viva, Rio de Janeiro, nº 12, p. 03-06, jan. 1947.

GRUPOMÚSICAVIVA. Manifesto Música Viva 1945. In: KATER, Carlos. Música Viva e H.J. Koellreutter: movimentos em direção à modernidade. São Paulo: Musa Editora, Atravez, 2001, pp. 245-253.

GUERRA-PEIXE, César. Que ismo é esse, Koellreutter? Fundamentos, nº 13, pp. 33-35, 1953.

KATER, Carlos. Música Viva e H. J. Koellreutter: movimentos em direção à modernidade. São Paulo: Musa Editora, Atravez, 2001.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. O futuro terá uma nova expressão musical.Diário da Noite, Rio de Janeiro, s.p., 18 dez. 1943.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. A música e o sentido coletivista do compositor moderno. Diretrizes, Rio de Janeiro, 11 maio 1944a.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. As nossas formas de expressão musical: declarações do maestro H.J. Koellreutter. Correio da Noite, Rio de Janeiro, 05 ago. 1944b.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. Sabotado pela crítica reacionária o movimento de música moderna. O Globo, Rio de Janeiro, 20 dez. 1944c.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. Nos domínios da música, Leitura, Rio de Janeiro, p. 57, jun. 1944d.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. A geração dos mestres. Tribuna Popular, Rio de Janeiro, nº 212, ano 11, 27 jan. 1946a.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. Carta a Andrade Muricy. 05 fev. 1946b [cópia de datiloscrito, 03p.].

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. Música brasileira. Música Viva, Rio de Janeiro, nº 12, pp. 8-16, 1947.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. Carta a Vasco Mariz. 27 jul. 1953 [cópia de datiloscrito, 01p.].

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. Koellreutter: penso que o movimento musical brasileiro é um dos mais atrasados do mundo, s.l., s.p., [1956]. [Fotocópia emduas páginas (A4) de recorte jornalístico pertencente ao acervo pessoal de Flávio Silva, sem qualquer informação sobre sua publicação.Por seu conteúdo, sabe-se que foi redigido por José Tavares de Miranda e publicado em 1956].

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. Hans-Joachim Koellreutter: entrevista a João Domenech Oneto. Rio Artes, Rio de Janeiro, nº 19, ano IV, p. 16-18, 1995.

MARIZ, Vasco. Cláudio Santoro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1994.

MARIZ, Vasco. História da música no Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

PAZ, Juan Carlos. Música brasileña de vanguardia: HansJoachimKoellreutter y el grupo “Musica Viva”. Latitude. Buenos Aires, ano I, nº 4, pp. 16-17, mai. 1945.

RUBIM, Antônio Albino Canelas. Marxismo, cultura e intelectuais no Brasil. In: MORAES, João Quartim de (org.). História do Marxismo no Brasil. 2a ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2007, p. 373-469.

SANTORO, Claudio. Considerações em torno da música brasileira contemporânea (I). Música Viva, Rio de Janeiro, n° 9, ano I, p. 03, mar. 1941.

SANTORO, Claudio. Problema da música contemporânea brasileira em face das resoluções e apelo do Congresso de Compositores de Praga. Fundamentos, v. 2, nº 3, p. 233-240,.ago. 1948.

SILVA, Flávio. Camargo Guarnieri: o tempo e a música. Rio de Janeiro, São Paulo: Funarte, Imprensa Oficial, 2001.

TOURINHO, Irene Maria Fernandez Silva. Encontros com Koellreutter. Estudos Avançados, São Paulo, v. 13, n° 36, mai.-ago. 1999. In:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40141999000200011&script=sci_arttext, acessado em 26 jul. 2007.

TRAVASSOS, Elizabeth. Modernismo e música brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

Publicado
2017-08-18
Como Citar
SOUZA, L. C. DE. H.J. Koellreutter e a Revista Música Viva. Faces da História, v. 1, n. 2, p. 161-185, 18 ago. 2017.