Espaço público e Natureza

um olhar sobre formação do ambientalismo como fenômeno público

Palavras-chave: Natureza, Universalização, Espaço Público, Legitimidade, Ambientalismo

Resumo

O artigo parte de uma análise da bibliografia sobre o desenvolvimento do ambientalismo enquanto fenômeno público no Brasil, que acontece, notadamente, nas últimas três décadas do século XX. Tomando como estudo de caso a emergência pública da questão ambiental na cidade de Niterói (RJ), propõe uma linha de investigação que, a partir do estruturalismo genético de Pierre Bourdieu, integre de forma mais orgânica dimensões estruturais da configuração estatal moderna do espaço público com a produção das subjetividades e da formação de práticas e ideias ambientais públicas.

Biografia do Autor

Cainã Gusmão

Mestre em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói-RJ, doutorando do Programa de Pós-Graduação em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro-RJ. Professor de história na rede privada na Escola Espaço e Vida (Teresópolis-RJ).

Referências

ALONSO, Angela e COSTA, Valeriano. Ciências Sociais e Meio Ambiente no Brasil: um balanço bibliográfico. BIB - Revista Brasileira de Informações Bibliográficas em Ciências Sociais, ANPOCS. n. 53, p. 35-78, 1. semestre 2002.

ALONSO, Angela e COSTA, Valeriano. Environmental perception and political mobilisation in Rio de Janeiro and São Paulo: A comparative analysis. In: LEACH, Melissa; SCOONES, Ian; WYNNE, Brian (org.). Science and citizens. Globalization & the challenge of engagement. Zed Press, 2005. p. 167-182. Disponível em: <https://www.academia.edu/2682159/12_Environmental_perception_and_political_mobilization_in_Rio_de_Janeiro_and_S%C3%A3o_Paulo_a_comparative_analysis>. Acesso em fev. 2017.

ALONSO, Angela; MACIEL, Débora Alves. O processo de formação da rede de ativismo ambientalista no Brasil. In: Seminário Nacional Movimentos Sociais, Participação e Democracia, 2, 2007, Florianópolis. Anais. Santa Catarina: UFSC, 2007, p. 121-144. Disponível em: <https://www.academia.edu/2682177/O_processo_de_forma%C3%A7%C3%A3o_da_rede_de_ativismo_ambientalista_no_Brasil>. Acesso em fev. 2017.

ARNOLD, David. The problem of Nature: Environment, Culture, and European Expansion. Oxford; Blackwell, 1996.

BOURDIEU, Pierre. Introdução a uma sociologia reflexiva. In: BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil; 1989. p. 17-58.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: Sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Ed. Papirus, 1996.

BOURDIEU, Pierre. O ser social, o tempo e o sentido da existência. In: BOURDIEU, Pierre. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. p. 253-300.

BOURDIEU, P. Sobre o Estado: Cursos no Collège de France (1989-92). 1. Ed., São Paulo, Companhia das Letras, 2014.

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Loïc. An Invitation to Reflexive Sociology. Cambridge, Polity Press, 1992.

FRANCO, José Luiz de Andrade; DRUMMOND, José Augusto. Proteção à natureza e identidade nacional no Brasil: anos 1920-1940. Rio de Janeiro: Editora da Fiocruz, 2009.

GUSMÃO, Cainã Carneiro. O Processo de Institucionalização do Movimento Ambientalista de Niterói (1980-1991): O Público e o Porvir Provável. 2018. 176 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

HOCHSTETLER, Kathryn; KECK, Margaret. Greening Brazil: Environmental Activism in State and Society. Duke University Press, 2007.

MURARI, Luciana. Natureza e cultura no Brasil, 1870-1922. São Paulo: Espaço Alameda, 2009.

PÁDUA, José Augusto. O nascimento da política verde no Brasil: fatores exógenos e endógenos. In: LEIS, H; VIOLA, E. et al. (Org.). Ecologia e Política Mundial. Ed. FASE, AIRI/PUC-RIO, 1991. p. 135-161.

PÁDUA, José Augusto. Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista, 1786-1888. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

PÁDUA, José Augusto. Environmentalism in Brazil: a Historical Perspective. In: MCNEILL, J.R.; MALDIN, E. (Org.). A Companion to Global Environmental History. 1. ed. Oxford: Wiley-Blackwell, 2012, p. 455-473. Disponível em: <https://ufrj.academia.edu/Jos%C3%A9AugustoP%C3%A1dua>. Acesso em ago. 2016.

PÁDUA, José Augusto; CARVALHO, Alessandra Izabel de. A construção de um país tropical: uma apresentação da historiografia ambiental sobre o Brasil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.27, n.4, p. 1331-1340, out./dez. 2020.

PEREIRA, Elenita M. Henrique Luiz Roessler e a proteção à natureza no Rio Grande do Sul (1939–1963). Historeae, Rio Grande do Sul, v.3, n.3, p. 201-222, 2012.

PRADO, Daniel. A figueira e o machado: uma história das raízes do ambientalismo no sul do Brasil e a crítica ambiental de Henrique Roessler. Rio Grande: Furg, 2011.

SWYNGEDOUW, Erik. A cidade como um híbrido: natureza, sociedade e urbanização-cyborg. In: ACSELRAD, H. (Org.). A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro, DP&A, 2001, p. 83-104.

VIOLA, E. O movimento ecológico no Brasil (1974-86): do ambientalismo à ecopolítica. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 1, n. 3, p. 1-21, 1987. Disponível em: <http://anpocs.com/images/stories/RBCS/03/rbcs03_01.pdf>. Acesso em set. 2016.

VIOLA, Eduardo. O movimento ambientalista no Brasil (1971-1991): da denúncia e conscientização pública para a institucionalização e o desenvolvimento sustentável. In: GOLDENBERG, Mirian (org.) Ecologia, ciência e política: participação social, interesses em jogo e luta de ideias no movimento ecológico. Rio de janeiro: Revan, 1992, p. 49-75.

VIOLA, Eduardo; VIEIRA, Paulo. Da preservação à natureza e de controle da poluição ao desenvolvimento sustentável: um desafio ideológico e organizacional ao movimento ambientalista no Brasil. Revista de Ad ministração Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 81-104, out/dez. 1992.

Publicado
2021-06-30
Como Citar
GUSMÃO, C. Espaço público e Natureza. Faces da História, v. 8, n. 1, p. 190-214, 30 jun. 2021.