Trabalhadores Rurais Africanos e de Origem Africana e a Africanização do Brasil Republicano

balanço e perspectivas

Palavras-chave: Trabalhadores rurais, história social, história ambiental, africanização

Resumo

O presente artigo discute o destino dos trabalhadores rurais africanos e de origem africana no Brasil no fim do século XIX e início do XX. Parte-se de um levantamento de abordagens para construir um “retrato” do mundo rural do trabalho no final do Império e início da República. Tanto a história social quanto a história ambiental tem questionado a ausência desses indivíduos em trabalhos sobre o ambiente rural do período republicano, os afro-brasileiros teriam saído das senzalas e da história (RIOS, MATTOS, 2004). Sendo assim, busca-se responder algumas questões, tais como, quem eram os trabalhadores rurais nesse período? Em que tipo e tamanho de propriedades trabalhavam e quais eram as condições de trabalho? Como esses trabalhadores rurais africanos e de origem africana foram protagonistas de uma “africanização” do ambiente rural brasileiro? Aborda-se também a temática dos territórios dos remanescentes de quilombos, que se apresentam como janelas de uma africanização do meio rural.

Biografia do Autor

Denis Henrique Fiuza

Mestre em História pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Guarapuava/PR. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis/SC.

Referências

ANJOS, Rafael Sanzio Araújo dos. Territórios das Comunidades Quilombolas no Brasil: segunda configuração espacial. Brasília: Mapas Editora e Consultoria, 2005.

ASSUNÇÃO, Matthias Rönrig. De Caboclos a Bem-te-vis – formação do campesinato numa sociedade escravista: Maranhão (1800-1850). São Paulo: Annablume, 2015.

CARNEY, Judith A. Black rice: the African origins of rice cultivation in the Americas. Cambridge: Harvard University Press. 2001.

CARNEY Judith, MARIN, Rosa Acebedo. Aportes dos escravos na história do cultivo do arroz africano nas Américas. Estudos sociedade e Agricultura, v. 12, p. 113–133, 1999.

CARVALHO, Tarcisio Motta de. 13 “Inimigos do progresso”: dominação de classe e resistência camponesa na Primeira República: a guerra sertaneja do Contestado. In: MOTTA, Márcia; ZARTH, Paulo. Formas de resistência camponesa: visibilidade e diversidade de conflitos ao longo da história. Concepções de justiça e resistência nos Brasis. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

CHALHOUB, Sidney. Visões de Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

CHALHOUB, Sidney; SILVA, Fernando Teixeira da. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980. Cadernos AEL, v.14, n.26, 2009. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ael/article/view/2558. Acesso em: Acessos em janeiro de 2021.

CORREA, Sílvio Marcus de Souza, (Org). Bioses Africanas no Brasil. Notas de história ambiental. Itajaí: UDESC; Casa Aberta, 2012.

COSTA E SILVA, Alberto da. O Brasil, a África e o Atlântico no século XIX. Estudos Avançados, São Paulo, v. 8, n. 21, p. 21-42, 1994.

DEAN, Warren. A luta pela borracha no Brasil: um estudo de história ecológica. São Paulo: Nobel, 1989.

DIAMOND, Jared. Armas, Germes e Aço: os destinos das sociedades humanas. São Paulo: Editora Record, 1998.

DIEGUES, Antonio Carlos. O mito moderno da natureza intocada. 6ª edição revista e ampliada. São Paulo: Hucitec/Nupaub, 2008.

FRAGOSO, João. O Império Escravista e a República dos Plantadores. In: LINHARES, Maria Yedda. História geral do Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016. p. 23-278.

GODOI, Emilia; MENEZES, Marilda; MARIN, Rosa. Diversidade do campesinato: expressões e categorias: construções identitárias e sociabilidades, v.1. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009.

HÉBETTE, J. MOREIRA, E. S. Metamorfoses de um campesinato nos Baixo Amazonas e Baixo Xingu paraenses. In GODOI, Emilia Pietrafesa de; MENEZES, Marilda Aparecida de; MARIN, Rosa Acevedo. Diversidade do campesinato: expressões e categorias: construções identitárias e sociabilidades. Brasília: Unesp. 2009.

KURY, Lorelai. Plantas sem Fronteiras: jardins, livros e viagens, séculos XVIII-XIX. In: Usos e Circulação das Plantas no Brasil. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio, 2013.

LINHARES, Maria Yedda; SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. História Social da Agricultura: combates e controvérsias. São Paulo: Brasiliense, 1981.

LINHARES, Maria Yedda; DA SILVA, Francisco Carlos Teixeira. Terra Prometida: uma história da questão agrária no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

LITLLE, Paul. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma Antropologia da territorialidade. In: Anuário Antropológico 2002/2003. Rio de Janeiro: 2004.

LITTLE, Paul E. Desenvolvimento territorial sustentável: desafios e potencialidades para o século XXI. Guaju, Matinhos, v.1, n.2, p. 127-143, jul./dez. 2015. Disponível em https://revistas.ufpr.br/guaju/article/view/45039.

MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti. África no Brasil: mapa de uma área em expansão. Topoi, Rio de Janeiro, v. 5, n. 9, p. 35-53, 2004. Disponível em 5&lng=en&nrm=iso>. Acessos em janeiro de 2021.

MARIN, Rosa Elizabeth Acevedo. Quilombolas na Ilha de Marajó: território e organização política. In: GODOI, Emilia; MENEZES, Marilda; MARIN, Rosa. Diversidade do campesinato: expressões e categorias: construções identitárias e sociabilidades, v.1. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009.

MENDES, José Sacchetta Ramos. Desígnios da Lei de Terras: imigração, escravismo e propriedade fundiária no Brasil Império. Cadernos CRH, Salvador, v. 22, n. 55, p. 173-184, 2009. Disponível em: S0103-49792009000100011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em janeiro de 2021.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. Nas fronteiras do poder: conflito de terra e direito à terra no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: Vício de Leitura: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.

NODARI, Rubens; NODARI, Eunice; FRANCO, José. Uso E Conservação Da Biodiversidade: As Duas Faces Da Moeda. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, v. 5, n.3, p.11-16, 2016.

OBERG, Kalervo. O Campônio Marginal no Brasil Rural. In: Camponeses Brasileiros: leituras e interpretações clássicas, v.1. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009.

PÁDUA, José Augusto; CARVALHO, Alessandra Izabel de. A construção de um país tropical: uma apresentação da historiografia ambiental sobre o Brasil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, p. 1311-1340, out. 2020 .

PAES, Gabriela Segarra Martins. Os Negros D’água do Rio Ribeira de Iguape: mito e história numa narrativa elaborada por comunidades negras do Vale do Ribeira. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 39, n. 81, p. 71-91, 2019. Disponível em . Acessos em janeiro de 2021.

RAGGIO, A. Z; BLEY, R. B; TRAUCZYNSK, S. C. (Org.). Abordagem histórica sobre a população negra no Estado do Paraná. Vol.2. Curitiba: SEJU, 2018.

RIOS, Ana. Campesinato negro no período pós-Abolição: repensando Coronelismo, enxada e voto. Cadernos IHU Ideias, v.5, n.76, p.1-19, 2007.

RIOS, Ana Maria; MATTOS, Hebe Maria. O Pós-abolição como Problema Histórico: balanços e perspectivas. Topoi, v. 5, n. 8, jan.-jun. 2004. pp. 170-198.

SANTOS, Carlos Alexandre Barboza Plínio dos. Fiéis descendentes: redes-irmandades na pós-abolição entre as comunidades negras rurais sul-matogrossenses. 477 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

SANTOS, Flávia Alves; FIUZA, Ana Louise; SCHAEFER, Carlos Ernesto. Diálogo com Alberto da Costa e Silva: A participação africana na agricultura brasileira e outros movimentos e contribuições transatlânticas. Cadernos de Estudos Africanos, n. 30, 2020.

SILVA, Sandro Dutra e. Cultura e Meio ambiente: o intercâmbio biológico e o cultivo do arroz nas Américas. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 26, n. 1, 2019, pp. 267-269.

SLENES, Robert Wayne. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

WATKINS, Case. Palmeiras Africanas em Solos Brasileiros: transformação socioecológica e a construção de uma paisagem afro-brasileira. Halac, v. 10. n. 1, 2020. p.159-193.

WEIMER, Rodrigo de Azevedo. Sidão Manoel Inácio e a conquista da cidadania: o campesinato negro do Morro Alto e a República que foi. Revista Brasileira de História, v. 35, n. 69, 2015, pp. 1-22.
Publicado
2021-06-30
Como Citar
FIUZA, D. H. Trabalhadores Rurais Africanos e de Origem Africana e a Africanização do Brasil Republicano . Faces da História, v. 8, n. 1, p. 240-263, 30 jun. 2021.