A Cidade e o Rio

Entre a preservação e o descaso com o Meia Ponte em Goiânia (1933-2020)

Palavras-chave: Goiânia, Rio Meia Ponte, Degradação, Modernidade

Resumo

O Meia Ponte é um dos principais rios do estado de Goiás, foi fundamental na construção da nova capital (Goiânia), e cerca de 50% da população goiana vive em sua bacia hidrográfica atualmente. Assim, o objetivo deste artigo é analisar a relação de Goiânia com este rio, desde a sua fundação até os dias atuais. A reflexão perpassa pela relevância do rio no projeto inicial, as consequências advindas com o crescimento da cidade e com a falta de políticas públicas de proteção para esse manancial, transformando-o em vítima de degradação e descaso. O estudo dialoga com extensa bibliografia sobre a nova capital, tendo como principais fontes os jornais, os projetos urbanísticos de Goiânia e os decretos oficiais. O referencial teórico é o da perspectiva da História Ambiental, concebendo como indissociáveis as relações e interações humanas com o meio ambiente.

Biografia do Autor

Fernando da Silva Ribeiro

Graduado em História pela Pontifica Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), Goiânia-GO. Professor de História na rede particular de Goiânia-GO e Aparecida de Goiânia-GO. Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER) pela Universidade Estadual de Goiás (UEG), Anápolis-GO.

Maria de Fátima Oliveira, Universidade Estadual de Goiás

Doutorado em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia-GO; Docente do Curso de História da Unidade de Ciências Socioeconômica e Humanas (CCSEH) e do Programa de Pós-graduação em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER) da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Anápolis-GO

Giuliana Vila Verde, Universidade Estadual de Goiás

Doutorado em Biologia Molecular pela Universidade Federal de Goiás (UFG); Docente do Curso de farmácia e do Programa de Pós-graduação em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER) da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Anápolis-GO

Referências

ACKEL, Luiz Gonzaga Montans. Attílio Correa Lima: uma trajetória para a modernidade. 2007. Tese (Doutorado em arquitetura) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

ARRUDA, Gilmar (Org.). A natureza dos rios: história, memória e territórios. Curitiba: Editora UFRP, 2008.

BAPTISTA, Márcio; CARDOSO, Adriano. Rios e cidades: uma longa e sinuosa história... Revista UFMG, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 124-153, jul./dez. 2013.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar – A aventura da modernidade. São Paulo: Editora Schwarcz. 1982.

CAMINHOS do Meia Ponte. O popular, Goiânia, editorial de 7 out. 2017. Disponível em: <https://www.opopular.com.br/noticias/meia-ponte/caminhos-domeiaponte1.1365171>. Acesso em: 22 de jan. 2021.

CHAUL, Nasr Fayad. Caminhos de Goiás: da construção da decadência aos limites da modernidade. 4. Ed. Goiânia: Editora da UFG, 2015.

COELHO, Gustavo Neiva.; VALVA, Milena Dalva. Goiânia: A história em documentos. Goiânia: Editora Trilhas Urbanas, 2018.

COELHO, Lúcia. Gestão de efluentes e emissões. Editora Senac: São Paulo, 2020.

COSSICH, Eneida S. Tratamento de efluentes-Classificação dos Processos de Tratamento. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. Maringá-PR, v. 20, n. 1, p. 427−425, jan.-abr. 2016.

DEZOTTI, Márcia. Processos e técnicas para o controle ambiental de efluentes líquidos. Rio de Janeiro: Editora E-papers, 2008.

DRUMMOND, José Augusto. A História Ambiental: temas, fontes e linhas de pesquisa. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 177-197, 1991.

EDITAL de loteamento. O Popular., Goiânia, p. 3, 23 de out. de 1953.

FERRI, Gil Karlos. História Ambiental: historiografia comprometida com a vida. In: Café História. Santa Catarina, 2017. Disponível em: <https://www.cafehistoria.com.br/historia-ambiental-historiografia-comprometida-com-a-vida>. Acesso em: 25 set. 2020.

FREITAS, Lena Castelo Branco Ferreira de. Poder e Paixão – a saga dos Caiados. Goiânia: Cânone Editorial, 2010. v. 2.

FREY, Klaus. A dimensão político-democrática nas teorias de desenvolvimento sustentável e suas implicações para a gestão local. Ambiente & Sociedade, Ano IV, n. 9, p. 1-34, 2º semestre, 2001.

GIORDANO, Gandhi. Tratamento e controle de efluentes industriais. Revista ABES. Rio de Janeiro, v. 4, n. 76, jan. 2004.

GODINHO, Iúri Rincon. Goiânia em Guerra: Sangue, sede e escuridão nos anos 40. Goiânia: Contato e Comunicação, 2018.

GOIÂNIA. Lei Complementar nº 139, 22 de janeiro de 2018. Goiânia: Secretaria de Estado da casa civil, 2018. Disponível em: <https://legisla.casacivil.go.gov.br/pesquisa_legislacao/101126/lei-complementar-139>. Acesso em: 11 abr. 2021.

GOIÁS. Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Proposta de instituição do Comitê da bacia hidrográfica do rio Meia Ponte. Goiás: Conselho Estadual de Recursos Hídricos, 2001. Disponível em: <https://www.meioambiente.go.gov.br/images/imagens_migradas/upload/arquivos/2015-11/cbh-rio-meia-ponte-proposta-de-instituiCAo.pdf>. Acesso em 25 set. 2020.

GORSKI, Maria Cecilia. Barbieri. Rios e cidades: Ruptura e Reconciliação. São Paulo: Ed. Senac, 2010.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades mais arborizadas do Brasil. 2010. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/goiania/panorama>. Acesso em: 26 de set. 2020.

JORGE, Janes. Tietê, o rio que a cidade perdeu. 1. Ed. São Paulo: Editora Alameda,2006.

LIMA, Nádia. História do Setor Jaó. 2. Ed. Goiânia: Editora Kelps; Editora PUC/GO, 2011a.

LIMA, Nádia. Jaó, o mega clube de um visionário que revolucionou o lazer e as artes em Goiânia nos anos 60 e 70. 2011b. Net, Goiânia, ago. 2011. Disponível em: <https://contatogo.blogspot.com/search?q=ja%C3%B3>. Acesso em: 31 jan. 2021.

MANSO, Celina Fernandes Almeida. Goiânia. Uma concepção urbana, moderna e contemporânea - um certo olhar. Goiânia: Edição do autor, 2001.

MATTOS, R. J. Cunha. Chorographia Histórica da Província de Goyaz. Goiânia: Editora Líder, 1979.

MONTEIRO, Ofélia Sócrates do Nascimento. Como nasceu Goiânia. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1938.

MOTA, Juliana Costa. Planos diretores de Goiânia, década de 60: A inserção dos arquitetos Luís Saia e Jorge Wilheim no campo do planejamento urbano. 2004. 104 f. Dissertação (mestrado em arquitetura e urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

MOYSÉS, Aristides. Goiânia – metrópole não planejada. Goiânia: Editora UCG. 2004.

O MAU cheiro do rio Meia Ponte. Diário da manhã, Goiânia, s/p, ago. de 2018. Disponível em:<https://www.dm.jor.br/entretenimento/2018/08/omaucheirodoriomeiaponte>. Acesso em: 15 de mai. 2020.

PELLEGRINO, Paulo R. Mesquita. Pode-se planejar a paisagem? Paisagem e Ambiente: ensaios. São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, n. 13, p. 159-179, ago. 2000.

PINTO, Angela Ciccone.; ARAÚJO, Alexandre Martins. Idealização e Construção de uma Nova Capital no Cerrado: Um olhar sobre os princípios ambientais. FRONTEIRAS: Journal of Social, Technological and Environmental Science. Anápolis, v.3, n.1, p. 78-88. jan./jul. 2014.

RIBEIRO, Fernando da Silva. Quando a cidade encontra o rio, o rio se perde: Goiânia e o rio Meia Ponte (1933-2020). 2021. 104 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais e Humanidades). Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER) da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Anápolis, 2021.

RIBEIRO, Maria Eliana Jubé. Goiânia: os planos, a cidade e o sistema de áreas verdes. Goiânia: Editora UCG, 2004.

SACHS, Ignacy. O desenvolvimento sustentável: do conceito à ação. De Estocolmo a Johannesburgo. In: DOWBOR, Ladislau; TAGNIN, Arnaldo (Org.). Administrando a água como se fosse importante: gestão ambiental e sustentabilidade. São Paulo: Ed. Senac, São Paulo, 2005.

SAKAI, Diogo Isao Santos. As margens do rio no desenvolvimento de Goiânia: Meia Ponte, paisagens em transformação. 2015. 104 f. Dissertação (Mestrado em História e Teoria da Arquitetura e da Cidade). Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

SANTOS, Elinaldo Leal et al. Desenvolvimento: um conceito multidimensional. DRd – Desenvolvimento Regional em debate. Ano 2, n. 1, p. 44-61, jul. 2012.

STUCKY, Rosane M. Michel. As políticas Públicas e a Exclusão na Conquista do Direito Universal à Saúde. In: BONETI, Lindomar Wessler (coord.). Educação, exclusão e cidadania. Iuí: Editora Uniuí, p. 52, 1997.

VEIGA, Patrícia da. É possível recuperar o rio Meia Ponte? Goiânia, 29 de nov. 2012. Disponível em: <https://jornal.ufg.br/n/41689-e-possivel-recuperar-o-rio-meia-ponte#:~:text=Conforme%20o%20secret%C3%A1rio%20de%20Estado,s%C3%A9timo%20mais%20polu%C3%ADdo%20do%20Brasil%E2%80%9D>. Acesso em 22 jan. 2021.

VELOSO, Serena. Pesquisa identifica pontos de alagamento e inundação em Goiânia, UFG, Goiânia, 16 de dez. 2015. Disponível em: <https://www.ufg.br/n/85184-pesquisa-identifica-pontos-de-alagamento-e-inundacao-em-goiania>. Acesso em: 21 jan. 2020.

VIDAL, Laurent. Poética da cidade-rio na História do Brasil. In: GANDARA, Gercinair Silvério. (Org.). Rios e Cidades... Olhares da História e Meio Ambiente. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, p. 105, 2010.

WORSTER, Donald. Transformações da terra: para uma perspectiva agroecológica na história. Revista Ambiente & Sociedade, v. 6, n. 1, p. 23-44, jan./jul. 2003.

Publicado
2021-06-30
Como Citar
RIBEIRO, F. DA S.; OLIVEIRA, M. DE F.; VILA VERDE, G. A Cidade e o Rio. Faces da História, v. 8, n. 1, p. 70-92, 30 jun. 2021.