O negacionismo do Holocausto na internet

o caso da “Metapédia – a enciclopédia alternativa”

  • Bruno Leal Pastor de Carvalho
Palavras-chave: Negacionismo, Internet, Metapédia, Holocausto

Resumo

Desde a expansão da internet comercial, em meados dos anos 1990, diversos grupos e movimentos de extrema-direita têm utilizado cada vez mais a internet como meio de construção e propagação de conteúdos negacionistas, isto é, que negam a existência do Holocausto – parcial ou integralmente. Visando contribuir para uma melhor compreensão dos possíveis usos da internet pelos “negacionistas” e dos discursos por eles publicados, o presente artigo se debruça sobre um projeto de origem sueca, mas com alcance internacional, chamado “Metapédia – a enciclopédia alternativa”, composto por verbetes de conteúdonegacionistas e não-negacionistas. Conforme veremos, essa característica, ao lado de peculiaridades da base tecnológica que lhe dá forma (Media Wiki), faz da Metapédia um modelo singular na difusão do negacionismo, ainda que seu conteúdo não apresente qualquer originalidade.

Biografia do Autor

Bruno Leal Pastor de Carvalho

Doutor em Historia Social (PPGHIS/UFRJ). Professor do departamento de História da UFF. Fundador e editor da rede social Café História (http://cafehistoria.ning.com).

Referências

ARNSTAD, Henrik. Ikea Fascism: Metapedia and the Internationalization of Swedish Generic Fascism. Fascism, v. 4, n. 2, p. 194-208, 2015.

CASTAN, Siegfried Ellwanger. Holocausto, judeu ou alemão?: nos bastidores da mentirado século. SE Castan, 1987.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignación y esperanza: los movimientos sociales en la era de Internet. Alianza Editorial, 2012.

CRUZ, Natália dos Reis. Negando a História: A Editora Revisão e o Neonazismo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1997.

DE CASTRO, Ricardo Figueiredo. O Negacionismo do Holocausto: pseudo-história e história pública. Resgate-Revista Interdisciplinar de Cultura, v. 22, n. 28, p. 5-12, 2015.

GOLDHAGEN, Daniel Jonah. Os carrascos voluntários de Hitler. Companhia das Letras: São Paulo, 1997.

GINZBURG, Carlos. Mitos, emblemas, sinais – morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras: 1990.

FLEISCHER, Rasmus. Two fascisms in contemporary Europe ? Understanding the contemporary split of the Radical Right. In: KOTT, Matthew. In the Tracks of Breivik: Far Right Networks in Northern and Eastern Europe, editado por Mats Deland, Michael Minkenberg and Christin Mays. 2014.

KAHN, Robert. Holocaust denial and the law: A comparative study. PalgraveMacmillan, 2004.

KRAUSE-VILMAR, Dietfrid. A negação dos assassinatos em massa do nacional-socialismo: desafios para a ciência e para a educação política. In: Neonazismo, Negacionismo e revisionismo político. Porto Alegre: Ed UFRGS, p. 97-114, 2000.

LIPSTADT, Deborah E. Denying the Holocaust: The growing assault on truth and memory.Simon and Schuster, 2012.

MARIANI, Bethania. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais (1922-1989). Centro de Memória Unicamp, 1998.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria das Mídias Digitais: linguagens, ambientes, redes. Petrópolis: Vozes, 2014.

MAYNARD, Dilton. Escritos sobre história e internet. Rio de Janeiro: FAPITEC/Luminárias, 2011.

MILMAN, Luis. Negacionismo: gênese e desenvolvimento do genocídio conceitual. In: Neonazismo, Negacionismo e Extremismo Político. Rio Grande do Sul: Editora da UFRGS, 2000.

MORAES, Luís Edmundo de Souza. O negacionismo e o problema da legitimidade da escrita sobre o passado. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, 2011.

ORLANDI, Eni. Análise do discurso: princípios e procedimentos.Campinas: Pontes, 2005.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. In: O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 1998.

POLISTCHUK, Ilana; TRINTA, Aluízio R. Teorias da comunicação: do pensamento e a prática da comunicação social.Editora Campus: Rio de Janeiro, 2003.

SPYER, Juliano. Conectado: o que a internet fez com você e o que você pode fazer com ela. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

VIDAL-NAQUET, Pierre. Os assassinos da memória. Campinas, São Paulo, 1988.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
CARVALHO, B. L. P. DE. O negacionismo do Holocausto na internet . Faces da História, v. 3, n. 1, p. 5-23, 29 ago. 2017.