Mocidade independente

experimentalismo na TV brasileira

  • Rafael Paiva Alves
Palavras-chave: Televisão; Vídeo independente; Música independente; Programas

Resumo

Procurando contribuir para a análise das relações entre a indústria da música e a televisão no Brasil, o objetivo do artigo é investigar o programa musical televisivo “Mocidade Independente”, transmitido pela Rede Bandeirantes, entre junho e setembro de 1981, de modo a trazer subsídios a respeito do contexto televisivo-musical do período, principalmente, em termos de difusão musical. Tal programa se destacou do restante do fluxo televisivo por ser o primeiro a dar “espaço” aos independentes: tanto à produção musical do período, como à produção em vídeo. Em termos de linguagem e estética, o programa teve em seu quadro profissional a participação dos integrantes da produtora independente de vídeo “TVDO” (lê-se TV Tudo), o que torna possível identificar elementos da influência televisual de Glauber Rocha - como o programa “Abertura”, da TV Tupi em 1979.

Biografia do Autor

Rafael Paiva Alves

Mestrando em História pelo Programa de Pós Graduação em História – Faculdade de Ciências e Letras – UNESP - Universidade Estadual Paulista, Campus de Assis – Av. Dom Antônio, 2.100, CEP: 19806-900, Assis, São Paulo, Brasil. A pesquisa que resultou neste artigo contou com financiamento da Bolsa Capes.

Referências

A FONTE da Juventude. In: VEJA. São Paulo: Abril, n. 669, 1 de jul. de 1981.

A FORÇA jovem. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 de jul. de 1981, Folha Ilustrada, Cartas, p. 27.

A MOCIDADE alegre na música chega à TV. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 de jun. de 1981, Folha Ilustrada, p. 32.

ANUÁRIO BRASILEIRO DE MÍDIA. São Paulo: Meio Mensagem, 1983, Anual.

BOURDON, Jérôme. Du service public à la télé-réalité: Une histoire culturelle des televisions européennes, 1950-2010. Paris: INA Éd., coll. Médias Histoire, 2011.

BUSETTO, Áureo. Relações entre TV e o poder político: dados históricos para um programa de leitura dos produtos televisivos no ensino e aprendizagem. In: PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Núcleos deensino: artigos de 2005. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2007.

BURRICE platinada. Folha de São Paulo, São Paulo, 05 de set. de 1981, Folha Ilustrada, Cartas, p. 27.

DIAS, Márcia Tosta. Os Donos da Voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

FECHINE, Yvana. Televisão e experimentalismo: O núcleo Guel Arraes como paradigma. INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – BH/MG, 2003.

FECHINE, Yvana. O vídeo como projeto utópico de televisão. In: MACHADO, Arlindo. Made in Brasil: Três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2007.

FENERICK, José Adriano. A ditadura, a indústria fonográfica e os “Independentes” de São Paulo nos anos 70/80. Métis: história e cultura. V. 3, n.6, p. 155-178, jun./dez. 2004.

FENERICK, José Adriano. Façanhas às próprias custas: A produção musical da vanguarda Paulista (1979-2000). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2007.

JAMBEIRO, Othon. A TV no Brasil do século XX. Salvador: EDUFBA, 2001.

JUNGLE, Tadeu. Vídeo e TVDO: anos 80. In: MACHADO, Arlindo. (org.) Made in Brasil:Três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2007.

MACHADO, Arlindo. A arte do vídeo no Brasil. In: Catálogo da XVI Salão de Artes Plásticas, FUNARTE: Rio de Janeiro, 1998.

MACHADO, Arlindo. (Org.). Made in Brasil: Três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2007.

MELLO, Christiane. Vídeo no Brasil: experiências dos anos 1970 e 1980. INTERCOM - Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação: V Congresso Nacional de História da Mídia – São Paulo, 2007.

MELLO, Christiane. Extremidades do Vídeo. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

MOSTAÇO, Edélcio. “Alternativa: Independência ou Morte - notas sobre o circuito da ideologia”. In: Arte em Revista. Independentes, Ano 6, no. 8. SP: CEAC/USP, 1984, p. 4-5.

PRIOLLI, Gabriel. Antenas da brasilidade. IN: BUCCI, Eugênio (org.). A TV aos 50: criticando a televisão brasileira em seu cinquentenário. São Paulo: Perseu Abramo, 2000.

PRIOLLI, Gabriel. Bom saldo nas novidades do 13. Folha de São Paulo, São Paulo, 30 de jun. de 1981a, Folha Ilustrada, Televisão/Crítica, p.34.

PRIOLLI, Gabriel. Um musical com a marca de Glauber. Folha de São Paulo, São Paulo, 1981b, Folha Ilustrada, p. 32.

RAMOS, José Mario Ortiz. Cinema, televisão e publicidade: cultura popular de massa no Brasil nos anos 1970-1980. 2a. Edição. São Paulo: Annablume, 2004.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO, Igor. A Renovação estética da TV. In. RIBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO; Igor; ROXO, Marco, (org.) História da Televisão no Brasil: Do início aos dias de hoje. São Paulo: Contexto, 2010.

SBT investe para consolidar imagem. Meio e Mensagem, 1ª quinzena de fev. de 1983, p. 12.

TAS, Marcelo. A minha história da Olhar Eletrônico. In: MACHADO, Arlindo. (org.) Made in Brasil: Três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2007.

VAZ, Gil Nuno. História da Música Independente. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

VICENTE, Eduardo. Da vitrola ao ipod: Uma história da indústria fonográfica no Brasil. São Paulo: Alameda, 2014.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
ALVES, R. P. Mocidade independente . Faces da História, v. 3, n. 1, p. 60-80, 29 ago. 2017.