Usos metodológicos da cultura política e da política

a coletividade e a individualidade na pesquisa histórica

  • André Pereira Rocha
Palavras-chave: Cultura política, historiografia, história, cultura, política, metodologia

Resumo

Este artigo tem por objetivo discutir os pressupostos metodológicos do conceito de cultura política, tendo como mote referencial as ideias de coletividade e individualidade. Com a conhecida cultural turn, a partir da década de 1970, o conceito de cultura política foi extensamente debatido, desenvolvido e aplicado de diferentes formas pela historiografia, justamente na tentativa de abranger uma amplitude de possibilidades de análises antes não levadas em consideração pelos pesquisadores. Serge Berstein, Quentin Skinner e Paul Nesbitt-Larking representam, neste trabalho, diferentes acepções acerca das possibilidades de análise sobre a política e as discrepâncias em relação à cultura política, nas quais a coletividade e a individualidade são postas em diferentes perspectivas.

Biografia do Autor

André Pereira Rocha

Mestrando em História - Programa de pós-graduação em História – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo, Campus Guarulhos - Av. Monteiro Lobato, 679, Bairro Macedo, CEP 07112-000, Guarulhos, São Paulo - Brasil. Bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP.

Referências

BERSTEIN, Serge. Culturas políticas e historiografia. In: AZEVEDO, Cecília et allii (org). Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009, p. 29-46.

BERSTEIN, Serge. Enjeux: l’historien et la culture politique. Vingtième Siècle. Revue d’histoire. N°35, p. 67-77, juillet-septembre 1992.

DARNTON, Robert. O beijo de Lamourette. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro:LTC, 2008.

GINZBURG, Carlo. Olhos de madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

GRZYBOWSKY, Lukas Gabriel. “Uma ‘Terceira Via’ para o Estudo das Ideias Políticas: A Vorstellungsgeschichte como resposta aos problemas colocados pela Cambridge School of the History of Political Thought”. In: Revista Diálogos Mediterrânicos. No3, nov.2012, p. 143-159.

HUNT, Lynn. História, cultura e texto. In: HUNT, Lynn (org.) Nova História Cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992, p. 1-29.

KANTOROWICZ, Ernst H. Os dois corpos do rei: um estudo sobre teologia política medieval. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio/Contratempo, 2006.

LOPES, Marco Antônio. A história do pensamento político dos Grand Doctrinnaires à história social. In: Tempo Social, São Paulo: USP, v.14(2), out. 2002, p. 113-127.

NESBITT-LARKING, Paul. Methodological Notes on the Study of Political Culture . Political Psychology, Vol. 13, No. 1, p. 79-90, Mar., 1992.

PYE, Lucian W. Political Culture Revisited. Political Psychology, Vol. 12, No. 3, pp. 487-508, Sep., 1991.

RÉMOND, René (org.). Introdução. In: Por uma história política. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2003. p. 9-11.

SILVA, Ricardo. História intelectual e teoria política. Rev. Sociol. Pol. Curitiba, v. 17, n. 34, p. 301-318, out 2009.

SKINNER, Quentin. Hobbes e a liberdade republicana. São Paulo: Editora da UNESP, 2010a.

SKINNER, Quentin. Maquiavel. São Paulo: LPM, 2010b.

SKINNER, Quentin. Visions of politics. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

TUCK, Richard. História do pensamento político. In: BURKE, Peter (org). A escrita da história. São Paulo: Editora Unesp, 1992, p. 273-289.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
ROCHA, A. P. Usos metodológicos da cultura política e da política . Faces da História, v. 3, n. 1, p. 112-127, 29 ago. 2017.