“Vinho novo em odres velhos”

tempo e narrativa em Os Donos do Poder de Raymundo Faoro

  • Breno Mendes
Palavras-chave: Historiografia brasileira, Tempo histórico, narrativa, Raymundo Faoro, Paul Ricoeur, Teoria da História

Resumo

Reflexão historiográfica sobre a obra Os donos do poder de Raymundo Faoro a partir do entrelaçamento das categorias de tempo histórico e de narrativa. No núcleo da exposição estão as análises sobre a narrativa sincrônica de Faoro que desenha uma temporalidade circular e cíclica. Por fim, discute-se na tese se o ensaio em questão fecha o horizonte-de-expectativa e propõe uma supressão do Estado, ou, se pelo contrário, vislumbra a possibilidade de expansão dos horizontes e reforma estatal.

Biografia do Autor

Breno Mendes

Doutorando em História – Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. Bolsista CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal.

Referências

AXT, Gunter. Revisitando “Os donos do poder” de Raymundo Faoro: uma abordagem historiográfica. Revista da Ajuris. Porto Alegre, v. 81, 2001, p.1-7.

CAMPANTE, Rubens Goyatá. O patrimonialismo em Faoro e Weber e a Sociologia Brasileira. Dados – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v. 46, no1, p153-193. 2003.

CARDOSO, Fernando Henrique. Um crítico do Estado: Raymundo Faoro. In: Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 227-262.

CARVALHO, José Murilo de. Mandonismo, coronelismo, clientelismo: uma discussão conceitual. In: Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005, p. 130-153.

CARVALHO, José Murilo de. Posfácio. In: CARDOSO, Fernando Henrique. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013, p.287-300.

COHN, Gabriel. Persistente enigma. (Prefácio) In: FAORO, Raymundo. Os donos do poder – Formação do patronato político brasileiro. 4a edição. São Paulo: Globo, 2008.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo. Companhia das Letras. 26ª edição. 1995.

IGLÉSIAS, Francisco. Revisão de Raymundo Faoro. In História e literatura. São Paulo: Perspectiva; Belo Horizonte: Cedeplar – FACE-UFMG, 2009, p. 205-230.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado – Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: PUC-RJ; Ed. Contraponto, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo : estudos sobre história. Rio de Janeiro : Contraponto; PUC-Rio, 2014.

MENDES, Breno. A representância do passado histórico em Paul Ricoeur: Linguagem, narrativa e verdade. 223 f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em História, Belo Horizonte, 2013.

MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da Cultura Brasileira (1933-1974): pontos de partida para uma revisão histórica. 4a edição. São Paulo: Ática, 1978.

NICOLAZZI, Fernando. Um estilo de história: a viagem, a memória, o ensaio. Sobre Casa Grande & Senzala e a representação do passado. Tese de Doutorado em História (UFRGS). Porto Alegre, 2008.

REIS, José Carlos. As Identidades do Brasil 1. De Varnhagen a FHC. 9a edição ampliada. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

RICOEUR, Paul. Temps et récit : l’intrigue et le récit historique. Paris: Éditions du Seuil, Tome I, 1991. [Collection Points Essais].

RICOEUR, Paul. La mémoire, l’histoire, l’oubli. Paris: Éditions du Seuil, 2000.

RICUPERO, Bernardo e FERREIRA, Gabriela Nunes. Raymundo Faoro e as interpretações do Brasil. Perspectivas. São Paulo, no 28, p. 37-55, 2005.

SOUZA, Jessé. O caso brasileiro como visto pela nossa sociologia da inautenticidade. In: A modernização seletiva. Uma reinterpretação do dilema brasileiro. Brasília: Editora UnB, 2000, p. 159-204.

VIANNA, Luiz Werneck. Raymundo Faoro e a difícil busca do moderno no país da modernização. BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia Moritz. Um enigma chamado Brasil. 29 intérpretes e um país. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 364-377.

WEBER, Max. Os três tipos puros de dominação legítima. In Weber. (Coleção os Grandes Cientistas Sociais) 7a edição. São Paulo: Ática, 2003, p. 128-141.

WHITE, Hayden. Meta-história: a imaginação histórica do século XIX. Tradução de José Laurênio de Melo. 2a edição. São Paulo: Edusp, 2008.

FONTES:

FAORO, Raymundo. A questão nacional: a modernização. Estudos Avançados. São Paulo, vol. 6, no 14, p.7-22, 1992.

FAORO, Raymundo. A aventura liberal numa ordem patrimonialista. Revista USP. São Paulo, no 17, p.14-29, 1993.

FAORO, Raymundo. Sérgio Buarque de Holanda: analista das instituições brasileiras. In A república inacabada. Organização e prefácio de Fábio Konder Comparato. São Paulo: Globo, 2007.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder – Formação do patronato político brasileiro. 4a edição. 11ª reimpressão. São Paulo: Globo, 2008.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
MENDES, B. “Vinho novo em odres velhos” . Faces da História, v. 3, n. 1, p. 143-158, 29 ago. 2017.