Patrimônio da Mobilidade no Brasil e o processo de identificação e valorização do território. Ferrovias e as paisagens industriais da região Oeste do Estado de São Paulo.

Autores

  • Tais Schiavon Universidade de évora

Palavras-chave:

Ferrovias; Patrimônio da Mobilidade; Patrimônio Industrial; Oeste do Estado de São Paulo; Desenvolvimento Industrial; Desenvolvimento Urbano

Resumo

Território desconhecido, a porção Oeste do Estado de São Paulo vê sua expansão no decorrer do século XIX como parte das estratégias em torno de projetos buscando novas conexões territoriais, inicialmente promovidos pelo sistema ferroviário de transportes e gradativamente substituídas pelo modelo rodoviário. Compondo este processo as linhas: Araraquarense, Noroeste, Paulista e Sorocabana, promoviam o transporte de pessoas, produtos e serviços desta região até então “desconhecida e selvagem” para as demais regiões, permitindo o desenrolar de melhoramentos agrícolas, complexos urbanos e atividades industriais ao vetor oeste. Leituras que hoje possibilitam a criação de uma rede de estudos urbanos estruturada a partir dos núcleos desenvolvidos pela ferrovia e os impactos decorrentes da transição para o modelo rodoviário de transportes intensificado a partir de 1960. Novos veios de interpretação aos dados históricos e sua aplicação nas diversas áreas das cidades do oeste paulista, que em menos de meio século foi capaz de descrever o patrimônio da mobilidade como um museu aberto.

Referências

ALVES, Malena Rodrigues. O Avanço da Indústria no Oeste Paulista: Ramal Ferroviário da Sorocabana. BP.IC. Processo: 08/54739-9, 2009.

ANASTASIADOU. Irene. Constructing Iron Europe: Transnationalism and Railways in the Interbellum. Amsterdan: Technology and European History Series, 2011.

AZEVEDO, Fernando de. Um trem corre para o Oeste. Estudo sobre a Noroeste e seu Papel no Sistema de Viação Nacional. São Paulo: Livraria Martins, 1950.

BARCELLONE, Wilson Lopes Christensen. O Avanço da Indústria no Oeste Paulista: Ramal Ferroviário da Alta Araraquarense. BP.IC. Processo: 08/54740-7, 2009.

BRESCIANI, Maria Stella Martins. Saberes eruditos e técnicos na configuração e reconfiguração do espaço urbano: Estado de São Paulo, séculos XIX e XX. AP. TEM. Processo: 05/55338-0.

RETTO JR, Adalberto da Silva. Subtema III - Saberes Urbanos na configuração e re-configuração das cidades formadas com a abertura de zonas pioneiras no Oeste do Estado de São Paulo.

CANO, Wilson. Raízes Da Concentração Industrial em São Paulo. 2o Edição. São Paulo: Editora T. A. Queiroz, 1998.

CARVALHO, Marina Barroso de. Conformação da estrutura agrária na forma do tecido urbano das cidades do Oeste Paulista: Linha Noroeste. BP.IC. Processo: 06/58402-3, 2007.

CASTRO, Maria Ines Malta. O Preço do progresso: A construção da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (1905-1924). Tese de Dissertação de Mestrado, UNICAMP, 1993.

CHOAY, Françoise. Alegoria do Patrimonio. Lisboa: Estação Liberdade, 2001.

DE ERCILLA, A. M. e PINHEIRO, Brenno. (org). Brasil O Estado de São Paulo, Zona Noroeste. São Paulo: Editora Propagadora Pan Americana, 1928, Volume 1.

GALVÃO, Dora da Silva Ferreira. A expansão geopolítica ferroviária para a região Noroeste do Brasil até a década de 40. São Paulo. 1996.

IBGE, Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, volume XII, 1956.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Preservação do Patrimônio Arquitetônico da Industrialização. São Paulo: Ateliê Editorial. 1998.

LANGENBUCH, J. R. Ferrovias e cidades do Oeste Paulista. In: RETTO Jr., Adalberto da Silva; CONSTANTINO, Norma Regina Truppel; ENOKIBARA, Marta; MAGALHÃES, Kelly Cristina. Conhecimento histórico-ambiental integrado na planificação territorial e urbana. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

MATOS, Odilon Nogueira de. Café e Ferrovias. A Evoulção Ferroviária de São Paulo e o Desenvolvimento da Cultura Cafeeira. 2a ed. São Paulo: Alfa-Omega. 1974.

MENEZES, Everton Pelegrini de. A quadrícula e suas Variações na ocupação extensiva do território do Oeste Paulista: Estudo comparativo nos quatro ramais ferroviários. BP. IC. Processo: 06/58396-3, 2008.

MONBEIG, Pierre. Pioneiros e Fazendeiros de São Paulo. 2a Edição. São Paulo: Editora HUCITEC, 1998.

PAULA, Dilma Andrade de. Ferrovias e rodovias: “O dualismo na política de transportes no Brasil”. In: Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 142-156, jul | dez 2010.

PRADO, Nathalie do. Formação e transformação das Cidades do Centro-Oeste Paulista: O Rodoviarismo e a substituição do Sistema Ferroviário. Ramal Noroeste do Brasil. BP.IC. Processo, 10/17425-6, 2011.

PUPIM, Rafael Giácomo. Cidade e território do Oeste Paulista: mobilidade e modernidade nos processos de construção e re-configuração do urbano. Dissertação de Mestrado, Escola de Engenharia de São Carlos, USP, São Carlos, 2008.

RIBEIRO, André Luiz. O Avanço da Indústria no Oeste Paulista: Ramal Ferroviário da Alta Paulista. BP. IC. Processo, 08/54741-3, 2009.

RETTO JR, Adalberto da Silva; ENOKIBARA, Marta; CONSTANTINO, Norma R. T. “The grid and its variations on the extensive occupation of the West of São Paulo State: A comparative study on the four railroads.”

RETTO JUNIOR, Adalberto da Silva; SCHIAVON, Taís. Cidade e o binômio ferrovia indústria a configuração e a conformação do Oeste Paulista. In: III Congresso Internacional De Cidades Criativas. Campinas, Unicamp, 2013. Disponível em: <http://www.congreso2013.ciudadescreativas.es/images/atasparte1publicar.pdf> acesso em Maio de 2016.

SAES, Flávio Azevedo Marques de. As ferrovias de São Paulo: 1870-1940. 1978. Dissertação (Mestrado) Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, Brasil. 1978.

SALGUEIRO, Heliana Angotti (org). Pierre Monbeig e a geografia humana brasileira. Bauru: EDUSC, 2006.

SCHIAVON, Taís. O avanço da indústria no Oeste Paulista: Ramal Ferroviário da Noroeste. BP.IC. Processo: 08/61507-1, 2009.

SCHIAVON, Taís. Documentação iconográfica e bibliográfica dos profissionais e personagens presentes nas cidades formadas com a abertura das Zonas Pioneiras no Oeste do Estado de São Paulo. PC.TT. Processo: 10/17697-6, 2011.

SCHIAVON, Taís. Le Chemin de Fer Noroeste do Brasil et les paysages industriels de l’Ouest de l’État de São Paulo, comme patrimoine de la Mobilité au Brésil. 2015. Dissertação (Mestrado em Gestão e Valorização do Patrimônio Industrial) – Master TPTI, Universidade de Évora, Évora, Portugal, 2015. Disponível em: < http://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/18401> acesso em Janeiro de 2017.

VENCOVSKY, V. P. Sistema Ferroviário e o uso do Território Brasileiro. Uma Análise Do Movimento De Produtos Agrícolas. 2006. Dissertação (Pós-Graduação em Geografia) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, São Paulo. 2006.

XAVIER, Marcos. Os Sistemas de Engenharia e a Tecnicização do Território. O Exemplo da Rede Rodoviária Brasileira. In: SANTOS, Milton & SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: Território e Sociedade no Início do Século XXI. Rio de Janeiro: Record. 2001.

Downloads

Publicado

2017-09-07

Como Citar

SCHIAVON, Tais. Patrimônio da Mobilidade no Brasil e o processo de identificação e valorização do território. Ferrovias e as paisagens industriais da região Oeste do Estado de São Paulo. Faces da História, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 90–122, 2017. Disponível em: https://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/406. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos para Dossiê