Escravizadas na província da paraíba: trabalho e opressão na sociedade escravista (1850-1888)

Autores

  • Larissa Bagano DOURADO

Palavras-chave:

Mulheres Negras; Província da Paraíba; Trabalho; Opressão

Resumo

A aprovação da Lei no 10.639/03 tornou obrigatório a inclusão da História da África e da Cultura Afro-brasileira no âmbito escolar. A partir daí muitas pesquisas referentes à população negra, as quais até então circulavam em ambiente acadêmico, passaram a adentrar as escolas. Pensando nisso o presente trabalho tem o intuito de demonstrar como a sociedade escravista oitocentista, além de ter uma população profundamente racializada e hierarquizada, em relação à cor e a condição jurídica (livre, liberto/a ou escravizado/a), também apresentava uma profunda desigualdade da condição de gênero entre mulheres e homens. Demonstraremos algumas formas de trabalho ocupados pelas escravizadas na província da Paraíba, além da opressão e a violência que estavam presente no seu cotidiano. Acredita-se assim que novas pesquisas que demostrem o cotidiano, a cultura e a resistência das mulheres negras e escravizadas podem contribuir para uma educação antirracista e antissexista.

Biografia do Autor

Larissa Bagano DOURADO

Mestranda do Programa de Graduação em História (PPGH) da Universidade Federal da Paraíba bolsista CAPES e integrante do grupo de pesquisa “Cultura e Sociedade no Nordeste Oitocentista”, coordenado pelas Profas. Dras. Solange Rocha e Serioja Mariano.

Referências

ALVES, Naiara Ferraz Bandeira. Irmãos de Cor e de Fé: irmandades negras na Paraíba do século XIX. 2006. 115 p. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2006.

A OPINIÃO. Ano:1877. Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional – NDIHR.

A REGENERAÇÃO. Anos: 1861 e 1862. Instituto Histórico e Geográfico Paraibano – IHGP.

BARBOSA, Marialva. História Cultural da Imprensa – Brasil 1800-1900. Rio de Janeiro: Muad X, 2010.

CENTER FOR RESEARCH LIBRARIES. Provincial Presidential Reports (1830-1930). Relatórios dos Presidentes de Província. Ano: 1863. Disponivel em: < http://www.crl.edu/brazil/provincial/para%C3%ADba >. Acesso em: 10 set. 2015.

CONRAD, Robert Edgar. Os últimos anos da escravatura no Brasil. Tradução Fernando de Castro Ferro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

DIÁRIO DA PARAHYBA. Anos:1884. Fundação Casa de José Américo/FCJA.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1984.

ERMAKOFF, George. O negro na fotografia brasileira do século XIX. Rio de Janeiro: Casa Editorial, 2004.

FREYRE, Gilberto. Os escravos nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX. São Paulo: Global, 2010.

GRAHAM, Sandra Lauderdale. Uma certa liberdade. In: FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flávio; XAVIER, Giovana (Org.). Mulheres Negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

JORNAL DA PARAHYBA. Anos: 1874, 1875, 1882 e 1888. Instituto Histórico e Geográfico Paraibano – IHGP.

LIBERAL PARAHYBANO. Anos: 1879,1883 e 1884. Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional – NDIHR.

KARASCH, Mary. Rainhas e juízas - As negras nas irmandades dos pretos no Brasil Central (1772-1860). In: FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flávio; XAVIER, Giovana (Org.). Mulheres Negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

LIMA, Maria da Vitória B. Liberdade Interditada, liberdade reavida: escravos e libertos na Paraíba escravista (século XIX). Brasília: FCP, 2013.

MATTOSO, Katia M. de Queirós. Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense,1982.

MEDEIROS, Coriolano. O Tambiá da minha infância. João Pessoa: A União, 1994.

MOTT, Maria Lucia de Barros. Submissão e resistência: a mulher na luta contra a escravidão. São Paulo: Contexto, 1988.

O INDEPENDENTE. Ano:1887. Instituto Histórico e Geográfico Paraibano – IHGP.

OLIVEIRA, Maria Inês Côrtes de. O Liberto: o seu mundo e os outros, Salvador, 1790-1890. Salvador: Corrupio, 1988.

O PUBLICADOR. Anos:1864 e 1865. Disponível em < http://hemerotecadigital.bn.br >. Acesso em: 03 abr. 2016.

O PUBLICADOR. Anos: 1879 e 1883. Fundação Casa de José Américo/FCJA.

REIS, Isabel Cristina Ferreira dos. Relações de gênero no cotidiano de mulheres negras da Bahia Oitocentista. In: FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flávio; XAVIER, Giovana (Org.). Mulheres Negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

ROCHA, Solange Pereira. Na trilha do feminino: condições de vida das mulheres escravizadas na Província da Paraíba, 1828-1888. 2001. 111p. Dissertação (Mestrado em ) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2001.

ROCHA, Solange Pereira. Gente Negra na Paraíba Oitocentista: população, família e parentesco espiritual. São Paulo: UNESP, 2009.

ROCHA, Solange Pereira. Mulheres escravizadas na Paraíba Oitocentista: trabalho, contradições e lutas por liberdade. In: FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flávio; XAVIER, Giovana (Org.). Mulheres Negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

ENTRE CANTOS E CHIBATAS, com Lilia Schwarcz | Parte 1. [S.l.: s.n.], 2011. 10 min. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=oJ-oWxKDhW0>. Acesso em: 04 abr. 2016.

SILVA, Maciel Henrique. Pretas de honra: vida e trabalho de domésticas e vendedoras no Recife do século XIX (1840-1870). Recife: E. Universitária da UFPE, 2011.

Downloads

Publicado

2017-09-07

Como Citar

DOURADO, Larissa Bagano. Escravizadas na província da paraíba: trabalho e opressão na sociedade escravista (1850-1888). Faces da História, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 241–258, 2017. Disponível em: https://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/415. Acesso em: 18 maio. 2024.