Escolarizações e Línguas em Salvador na pós-abolição: 1890/1910.

Autores

  • Ione Celeste J. de SOUSA

Palavras-chave:

Escolarizações, Línguas, Pós Abolição,Salvador

Resumo

O artigo apresenta pesquisa sobre o uso de diversas línguas entre pobres urbanos na cidade de Salvador (BA) nos primeiros vinte anos após a abolição da escravidão. O objetivo é investigar como aqueles sujeitos vivenciaram, no uso cotidiano, o falar diversas línguas em uma cidade marcada pela diversidade cultural, assim como, quais as articulações entre essa prática e as estratégias de escolarização implementadas pelo sistema público.

Biografia do Autor

Ione Celeste J. de SOUSA

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), lotada no DCHF, Área de História. Feira de Santana,/Bahia. Doutora em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Referências

ANDRADE, Maria José de Souza. A mão de obra escrava em Salvador. São Paulo: Corrupio, 1988.

BACELAR, Jeferson. A Hierarquia das raças. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

BONVINI, Emílio. Tradição oral afro brasileira. Revista Projeto História, São Paulo, vol. 22, jan-jun. 2001. p. 37- 48.

CHALOUB, Sidney & PEREIRA, Leonardo Afonso. (orgs) A História Contada; capítulos de Historia Social da Literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1998.

CERTEAU, Michel de. A invenção do Cotidiano. Rio de Janeiro, Petropólis: Ed. Vozes, 2000.

DEMARTINI, Zélia de Brito Fabri. Crianças como agentes do processo de alfabetização no final do século XIX e início do XX. In: MONARCHA, Carlos. Educação da infância Brasileira. Campinas, SP: Autores Associados, 2001. P.121-156.

HALL, Stuart. A Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP& A, 2001.

LUZ, José Augusto Ramos da. A salvação pelo ensino primário. Bahia, 1924/1928. Feira de Santana: UEFS/Editora, 2012.

NASCIMENTO, Anna Amélia. Dez freguesias da cidade de Salvador: aspectos sociais e urbanos do século XIX. Bahia: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1986.

PALAMARTCHUK, Ana Paula. Jorge Amado: um escritor de putas e vagabundos? In: CHALOUB, Sidney & PEREIRA, Leonardo Afonso (orgs.). A História contada: capítulosde História Social da Literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.p.333-359.

REIS, João José. Raça, política e história na tenda de Jorge. Posfácio. In: AMADO, Jorge. Tenda dos Milagres. 40a ed. SP, SSa: Record/ Correio da Bahia, 2000. p. 293-302.

SANTOS, Mario Augusto da Silva. A república do Povo: sobrevivência e tensão. Salvador: EDUFBa, 2001.

SOUSA, Ione Celeste J. de. Escolas ao povo: experiências de escolarização de pobres na Bahia – 1870 a 1890. São Paulo: PEPGHS-PUC, 2006.

SOUSA, Ione Celeste J. Criadas para servir: instrução e educação feminina de pobres na Bahia-1870/1890. In: SARMENTO, Clara. (Org.). Condição feminina no império colonial português. Porto: Editorial do Politécnico do Porto, 2008, v.01, p. 317-333.

THOMPSON, E.P. Costumes em comum. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1979.

FONTES:

AMADO, Jorge. Tenda dos Milagres. 40a ed. SP, SSa: Record/ Correio da Bahia, 2000.

CASTRO, José Guilherme (Org.). Miguel Santana: Depoimento. Salvador: CEAO/UFBa, 1974.

NINA RODRIGUES, Raymundo. As raças humanas e a responsabilidade penal no Brazil. 1ª ed.1894. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1957.

NINA RODRIGUES, Raymundo. Os africanos no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. José Olymphio, 1935.

TAVARES, Odorico. Bahia, imagens da terra e do povo. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira,1961.

TEIXEIRA, Anísio. Relatório apresentado ao Ex. Sr. Cons. Bráulio Xavier da Silva Pereira, Secretário do Interior, Justiça e Instrução Pública, pelo Diretor Geral da Instrução Pública, para ser encaminhado ao governador do Estado da Bahia– O ensino no Estado da Bahia, 1924 a 1928. Salvador, Bahia: Imprensa Oficial do Estado, 1928. 123p.

VALLADARES, Clarival do Vale. O aperfeiçoamento dos artesanatos (II): a universidade do Taboão. In: Tempo Brasileiro: Revista de Cultura. Ano II, n. 04-05, p. 150-163, jun-set. 963.14p.

VALLADARES, Clarival do Vale. Riscadores de milagres: um estudo sobre arte genuína. Publicação da Superintendência de Difusão Cultural da Secretaria de Educação do Estado da Bahia/ R.J.( incluindo iconografia), 1967.

VIANNA, Hildegardes. A Bahia já foi assim: crônicas de costumes. 1.a ed. 1973. Salvador: Editora FG. 3.a ed., 2000.

VIANNA, Hildegardes. Antigamente era assim. Rio de Janeiro/Bahia: Editora Record/ Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1994.

Downloads

Publicado

2017-09-07

Como Citar

SOUSA, Ione Celeste J. de. Escolarizações e Línguas em Salvador na pós-abolição: 1890/1910. Faces da História, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 259–276, 2017. Disponível em: https://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/416. Acesso em: 22 abr. 2024.