Criptojudaísmo tropical

a religiosidade da quarta geração das Dias-Fernandes de Pernambuco e a Inquisição Portuguesa

  • Suzana do Nascimento Veiga UFPE
Palavras-chave: Criptojudaísmo- Matrilinear- Dias-Fernandes- Inquisição.

Resumo

Este trabalho se propõe a estudar a religiosidade da quarta geração de mulheres do clã Dias-Fernandes.  Acusadas de judaizantes as netas da matriarca Branca Dias foram apontadas como as que perpetuarem os ensinamentos sobre a fé ancestral transmitida a elas por suas mães e avós. Quatro delas foram levadas ao Tribunal da Inquisição de Lisboa para serem processadas por crime de judaísmo. Pretendemos, com este estudo, sair do centro da discussão sobre esta família, que em geral destaca o papel da matriarca dos Dias-Fernandes, Branca Dias e focar em outros personagens envolvidos nas tramas da religiosidade apreendida pela inquisição. Com isto pretendemos dar voz as netas de Branca Dias que participaram da resistência de um judaísmo clandestino e que foram relegados ao silêncio.

Referências

ASSIS, Ângelo Adriano Faria de. Macabéias da colônia: Criptojudaísmo feminino na Bahia-Séculos XVI-XVII. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2004.

ASSIS, Ângelo Adriano Faria de. Inquisição, religiosidade e transformações culturais: a sinagoga das mulheres e a sobrevivência do judaísmo feminino no Brasil colonial — Nordeste, séculos XVI-XVII. Revista brasileira de História, vol. 22, n.43, São Paulo, 2002.

BOXER, Charles R. O império marítimo português. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GORENSTEIN, Lina. A Inquisição contra as mulheres: Rio de Janeiro, séculos XVII e XVIII, São Paulo: Editora Humanitas/FAPESP,2005.

HERMANN, Jaqueline. As metamorfoses da espera: messianismo judaico, cristãos-novos e sebastianismo no Brasil colonial. In: GRINBERG, Keila (Org.). Os judeus no Brasil.

Inquisição, imigração e identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 87- 111.

LIPNER, Elias. Santa inquisição: terror e linguagem. Rio de Janeiro: Editora Documentário, 1977.

MELLO, José Antônio Gonsalves de. Gente da Nação: cristãos-novos e judeus em Pernambuco, 1542-1654. 2. ed. Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1989.

MONTEIRO, Alex Silva. Conventículo herético: cristãs-novas, criptojudaísmo e Inquisição na Leiria seiscentista. 2011. 314 f. Tese (Doutorado) – UFF, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História, Niterói, 2011.

MARCOCCI, Giuseppe; PAIVA, José Pedro. História da Inquisição portuguesa (1536- 1821). Lisboa: A Esfera dos Livros, 2013.

OLIVAL, Fernanda. Rigor e interesses: os estatutos de limpeza de sangue em Portugal. Cadernos de Estudos Sefarditas, n. 4, 2004, p. 151-182.

PRIMEIRA Visitação do Santo Ofício às partes do Brasil; Denunciações e Confissões de Pernambuco 1593-1595. Prefácio de José Antônio Gonsalves de Mello. Recife, FUNDARPE. Diretoria de Assuntos Culturais 1984. 509+158 p. Il (Coleção pernambucana – 2a fases. 14).

ROTH, Cecil. História dos Marranos. Porto: Livraria Civilização Editora, 2001.

SOUZA, Juarlyson Jones Santos de. O mestre de moços: Bento Teixeira e a cultura letrada na América portuguesa em fins do século XVI (c. 1566- c. 1595). 2015. 176 f. Dissertação (Mestrado) – PPGH-UFRPE, Recife, 2015.

VEIGA, Suzana do Nascimento. Segundo as judias costumavam fazer: As Dias-Fernandes e o criptojudaísmo feminino no Pernambuco do século XVI. 2013. 137 f. Dissertação (Mestrado)– PPGH-UFRPE, Recife, 2013.

FONTES:

Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Inquisição de Lisboa.

Processo no 5736, Branca Dias.

Processo no 4580, Beatriz Fernandes.

Processo no6321, Andresa Jorge.

Processo no 4273, Beatriz de Souza.

Processo no 2304, Catarina Favela.

Processo no 5206, Bento Teixeira.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
VEIGA, S. DO N. Criptojudaísmo tropical. Faces da História, v. 5, n. 1, p. 7-20, 30 jun. 2018.