“Acordaram uniformemente em convocarem os melhores do povo desta vila”

estratégias de manutenção de poder das elites locais (Taubaté/SP, 1780-1808).

  • Felipe de Moura Garrido UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG
Palavras-chave: Elites locais, Redes Sociais, Sociedade colonial

Resumo

O Império Português estruturou as bases da sociedade e administração colonial de acordo com a mentalidade corrente no Antigo Regime. Os estudos de referência de Charles Boxer e Russell-Wood identificaram as similaridades na administração de diferentes partes do Império. A administração local se assentava, desde o início da colonização, na Câmara. Neste artigo, identifico quem eram e como atuavam os “homens-bons” da câmara da vila de Taubaté e, também, as formas de manutenção de poder. Através do software Pajek vou reconstruir a rede social da câmara e apontar os sujeitos que tiveram maior participação e papel de centralidade na principal instância de poder local do Império Português.

Referências

ALVES, Maurício Martins. Caminhos da pobreza: a manutenção da diferença em Taubaté (1680-1729). Taubaté, SP: Prefeitura Municipal de Taubaté, 1999.

ALVES, Maurício Martins. Formas de Viver: formação de laços parentais entre cativos em Taubaté, 1680-1848. 2001. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil. 3a Ed. Belo Horizonte: Itatiaia/Edusp, 1997. (Coleção Reconquista do Brasil).

BORREGO, Maria Aparecida de Menezes. A teia mercantil: negócios e poderes em São Paulo colonial. 2006. 352 f. Tese (Doutorado em História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BOTELHO, Tarcísio R., ANDRADE, Mateus Rezende de, LEMOS, Gusthavo (Org.). Redes Sociais e História. Belo Horizonte: Veredas & Cenários, 2013.

FRAGOSO, João; BICALHO, Maria; GOUVÊA, Maria. O Antigo Regime nos Trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séc. XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

FRAGOSO; ALMEIDA; SAMPAIO (org.). Conquistadores e negociantes: Histórias das elites no Antigo Regime nos trópicos. América Lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2007.

FRAGOSO, João. FLORENTINO, Manolo. O arcaísmo como projeto – mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil no Rio de Janeiro, c. 1790 – c. 1840. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1998.

FRAGOSO, João. GOUVÊA, Maria de Fátima (Orgs.). Na trama das redes: política e negócios no Império português, século XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

GUISARD FILHO, Félix. Taubaté. Atas da Câmara (1780-1798). São Paulo: Empresa Editora Universal, v. I, 1943.

GUISARD FILHO, Félix. Taubaté. Papéis avulsos (1822-1854). São Paulo: Empresa Editora Universal, v. I, 1944.

KLEIN, Herbert. LUNA, Francisco. Escravismo no Brasil. Trad. Laura Teixeira Motta. 1ª ed. São Paulo: Edusp - Imesp, 2010.

MATTOS, Renato de. Política, Administração e Negócios: A capitania de São Paulo e sua inserção nas relações mercantis do Império Português (1788-1808). 2009. 220 f. Dissertação (Mestrado em História Social)–Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MARTINS, Maria Fernanda. Os tempos da mudança: elites, poder e redes familiares no Brasil, séculos XVIII e XIX. In: FRAGOSO; ALMEIDA; SAMPAIO (org.). Conquistadores e negociantes: Histórias das elites no Antigo Regime nos trópicos. América Lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2010.

MONTEIRO, Nuno G. Elites e poder: entre o Antigo Regime e o Liberalismo. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2007.

ORTIZ, Bernardo José. São Francisco das Chagas de Taubaté. Taubaté Colonial. Livro 2o. Taubaté, SP: Prefeitura Municipal de Taubaté, 2a Ed., 1996.

PETRONE, Maria Thereza Schorer. A lavoura canavieira em São Paulo: expansão e declínio (1765-1851). São Paulo: Edipe, 1968.

RANGEL, Armênio de Souza. Escravismo e riqueza: formação da economia cafeeira no município de Taubaté, 1765-1835. 1990. Tese (Doutorado em Economia) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1990.

SERRATH, Pablo Oller Mont. Dilemas & Conflitos na São Paulo Restaurada: formação e consolidação da agricultura exportadora (1765-1802). 2007. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2007.

TOLEDO, Francisco de Paula. História do município de Taubaté. Taubaté, SP: Prefeitura Municipal de Taubaté, 2a edição, 1976.

FONTES:

Documentos dos Maços de População:

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Arquivo microfilmado. Maços de população. Vila de Taubaté, 1789-1830: rolos 200-222.

Documentos do Arquivo Histórico Ultramarino, digitalizados pelo Projeto Resgate Barão de Rio Branco:

“Ofícios (cópia) dos oficiais, respectivamente, das câmaras das vilas de Guaratinguetá, Pindamonhangaba, Taubaté, São Luis do Paraitinga, Jacareí, Mogi das Cruzes e cidade de São Paulo, a Martim Lopes Lobo de Saldanha, governador e capitão general da capitania de São Paulo, datados entre 4 de novembro de 1775 e 7 de Dezembro de 1776, todos do mesmo teor, solicitando que se proíba as plantações de cana de açúcar e de tabaco nas Minas Gerais, assim como o fabrico de aguardente, na mesma região onde são notoriamente prejudiciais que se as incentive naquelas vilas de São Paulo, que tanto necessitam de comércio próprio”. 18 de novembro de 1775. Vila Nova de São Luiz da Paraitinga. AHU_ACL_CU_023, Cx. 7, D. 397.

Documentos do Arquivo Histórico Municipal de Taubaté “Félix Guisárd Filho”:

Inventários e testamentos do 2o Cartório de ofício (1646-1905).

Publicado
2018-06-30
Como Citar
GARRIDO, F. DE M. “Acordaram uniformemente em convocarem os melhores do povo desta vila”. Faces da História, v. 5, n. 1, p. 85-102, 30 jun. 2018.