Ditadura Militar brasileira e as estratégias para o controle e fomento do Cinema e da Cultura.

  • Bruno josé Zeni Unesp/Assis

Resumo

Neste trabalho investigamos como a ditadura militar interferiu no campo cultural e em especial no campo cinematográfico. Neste sentido, dividimos este trabalho em duas partes. A primeira parte tenta problematizar a criação de agencias de fomento ao cinema, tais como o Instituto nacional de Cinema(INC) e também a empresa brasileira de filmes (EMBRAFILME), e o debate entorno dessas instituições. Na segunda parte nos centramos em especial sobre os caminhos do estado militar nas diversas produções culturais, com a criação de diversas agências para o fomento e regulamentação das atividades no âmbito da cultura. Esta abordagem sobre as politicas oficiais se justifica pela contraposição ao grande número de estudos sobre a atuação da esquerda no campo cultural, ora, temos em mente que a cultura é um campo de disputa de discursos, neste sentido, problematizar as políticas oficiais pode nos revelar informações que sem as quais, a compreensão do período ficaria superficial.

Referências

AMÂNCIO, Tunico. Pacto cinema-Estado: os anos Embrafilme. ALCEU - v.8 - n.15 - p. 173 a 184 - jul./dez. 2007.

BAHIA, Lia. Discursos, políticas e ações: processos de industrialização do campo cinematográfico brasileiro. São Paulo: Itaú Cultural: Iluminuras, 2012.

FERNANDES, Natalia Ap. Morato. Cultura e Política no Brasil: Contribuições para o debate sobre Política Cultural. 2006. 224f. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade Estadual Paulista. Araraquara, 2006.

FERNANDES, Natalia Ap. Morato. A política cultural à época da ditadura militar. Contemporânea. V. 3, no1. Jan.-Jun. 2013.

FICO, Carlos. O golpe de 64: momentos decisivos. Rio de Janeiro: Editora FFGV, 2014.

FICO, Carlos. Ditadura militar brasileira: aproximações teóricas e historiográficas. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 05 ‐ 74. jan./abr. 2017.

Gatti, André Piero. Embrafilme e o cinema brasileiro. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 2007.

HAMBURGER, Ester. Diluindo fronteiras: A televisão e as novelas no cotidiano in SCHWARCZ, Lilia Mortiz. A História da Vida privada no Brasil, Vol. 4. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

HINGST, Bruno. Projeto ideológico cultural no regime militar brasileiro: O caso da EMBRAFILME e os filmes históricos e adaptações de obras literárias. 2013. 292f. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em meios e processos audiovisuais. Escola de Comunicação e Artes (ECA), São Paulo, 2013.

LUCA, Luiz Gonzaga Assis de. A estatal do cinema brasileiro (as 5 Embraflmes). In Gatti, André Piero. Embrafilme e o cinema brasileiro [recurso eletrônico], São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 2007.

JORGE, Marina Soler. Industrialização Cinematográfica e Cinema Nacional-Popular no Brasil dos Anos 70-80. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 38, p. 161-182, 2003. Editora UFPR.

MORETTIN, Eduardo Victorio, O cinema como fonte histórica na obra de Marc Ferro. História: Questões & Debates, Curitiba, no 38, p. 11-42, editora da UFPR, 2003.

NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969). São Paulo: Annablume: Fapesp.

NAPOLITANO, Marcos. “Vencer Satã só com orações”: políticas culturais e cultura de oposição dos anos 1970, In ROLLEMBER, Denise; QUADRAT, Samantha (orgs). A construção social dos regimes autoritários: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. 1a ed. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. Fontes audiovisuais: a história depois do papel. In: PINSKY, Carla Bassanesi (org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

RAMOS, José Mario Ortiz. Cinema, estado e lutas culturais: anos 50, 60, 70. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: Artistas da revolução, do CPC à era da TV. 2a Ed. São Paulo: Editora UNESP, 2014.

SILVA, Vanderli Maria da. A Construção da política cultural no regime militar: concepções, diretrizes e programas. Dissertação (mestrado em sociologia). Universidade de São Paulo. 2001.

SOUZA, Miliandre Garcia de. A Gestão de Orlando Mirando no SNT e os paradoxos da “hegemonia de esquerda”. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História -ANPUH, São Paulo, julho 2011.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
ZENI, B. JOSÉ. Ditadura Militar brasileira e as estratégias para o controle e fomento do Cinema e da Cultura. Faces da História, v. 5, n. 1, p. 321-333, 30 jun. 2018.