"Um monstro feroz e indômito nas Gerais”

Francisco José da Silva Capanema e a ascensão social dos fidalgos-mercadores

  • Thiago Enes Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Economia política, Economia de privilégios, Fidalgo-mercador

Resumo

A sociedade de Antigo Regime caracterizou-se por enaltecer os nobres e o ideal cortesão cavalheiresco e rechaçar os trabalhadores e praticantes dos vis ofícios mecânicos. Entretanto, especialmente Portugal e seus domínios viram surgir um farto comércio e, com ele, figuras que gozavam de poder econômico e almejavam ascender socialmente. Através da análise da atuação de um homem de negócios das Minas Gerais, este artigo discute a relação entre economia de privilégios e a conversão da acumulação mercantil em status pela régia concessão de mercês e benefícios em fins do século XVIII.

Biografia do Autor

Thiago Enes, Universidade Federal Fluminense

Mestre e doutorando em história moderna pela Universidade Federal Fluminense. Professor do Núcleo de História do Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ANDRADE, Francisco Eduardo. A Invenção das Minas Gerais: empresas, descobrimentos e entradas nos sertões do ouro (1680-1822). Belo Horizonte: PUC Minas, 2008.

ARAUJO, Luiz Antônio. Contratos e tributos nas Minas Setecentistas: estudo de um caso – João de Souza Lisboa (1745 – 1765). Dissertação (Mestrado em História). UFF, Niterói, 2002.

ATALLAH, Cláudia Cristina Azeredo. Da justiça em nome d’El Rey: Ouvidores e inconfidência no centro-sul da América portuguesa. (Sabará, 1720-1777). Rio de Janeiro: EDUERJ, 2016.

BLACK, Antony. El pensamiento político en Europa (1250-1450). Cambridge: University Press, 1996.

BOXER, Charles. A idade de ouro do Brasil: dores de crescimento de uma sociedade colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

BRAUDEL, Fernand. Civilização Material, Economia e Capitalismo séculos XV-XVIII, tomo II, O Jogo das Trocas. Lisboa: Teorema, 1979.

CHAVES, Claudia Maria das Graças. Perfeitos negociantes: mercadores das Minas Setecentistas. São Paulo: Annablume, 1999.

CARDIM, Pedro; CUNHA, Mafalda Soares da (Coord.).Optima Pars. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais. 2005.

CARRARA, Ângelo Alves. Minas e Currais: Produção rural e mercado interno de Minas Gerais (1674-1807). Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2007.

COSTA, Ana Paula P. Atuação dos poderes locais no Império Lusitano: uma análise do perfil das chefias militares dos corpos de Ordenanças e de suas estratégias na construção de sua autoridade, Vila Rica (1735-1777). Dissertação (Mestrado em história). Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2006.

COSTA, Fernando Dores. A nobreza é uma elite militar? In: MONTEIRO, Nuno Gonçalo; COSTA, Fernando Dores. Capitalistas e Serviços: empréstimos, contratos e mercês no final do século XVIII. In: Análise Social, 27. 1992.

COSTA, Fernando Dores. Milícia e sociedade: recrutamento. In: HESPANHA, António Manuel. Nova História Militar de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores, 2002.

CUNHA, Mafalda Soares da. A Casa de Bragança, 1560-1640: práticas senhoriais e redes clientelares. Lisboa: Estampa, 2000.

DINIZ, Gabriel Sílvio. Pitangui: a sétima vila das minas do ouro. Revista do IHGB/MG. Vol. XVIII – Vilas do ouro de Minas. 1981.

DUBY, George. As Três Ordens ou o Imaginário do Feudalismo. Lisboa: Editorial Estampa, 1982.

FAORO, Raymundo. Os Donos do Poder: Formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo, 2012.

FERNANDES, Simone Silvestre. Arraial do Tejuco. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da (coord.). Dicionário da história da colonização portuguesa no Brasil. Lisboa: Verbo, 1994.

FERREIRA, Roquinaldo. Dinâmicas do comércio intracolonial: Geribitas, panos asiáticos e guerra no tráfico angolano de escravos. In: FRAGOSO, João Luís Ribeiro et alli (Orgs.). O Antigo Regime nos Trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio De janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FLORY, Rae; SMITH, David Grant. Bahian Merchants and Planters in the seventeenth and early eightenth centuries. HAHR, 58 (4), 1978.

FONSECA, Paulo Miguel Moreira da. João Rodrigues de Macedo: o contratador e sua espiral de poder no setecentos mineiro. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 23, 2005, Londrina. Anais do XXIII Simpósio Nacional de História – História: guerra e paz. Londrina: ANPUH, 2005. CD-ROM.

FRAGOSO, João Luís Ribeiro & FLORENTINO, Manolo. O Arcaísmo como Projeto: Mercado Atlântico, Sociedade Agrária e Elite Mercantil no Rio de Janeiro (1790-1840). Rio de Janeiro: Sette Letras: 2a Ed, 1996.

FRAGOSO, João Luís Ribeiro. Homens de Grossa Aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro (1790-1830). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

FRAGOSO, João Luís Ribeiro. A Nobreza da República: notas sobre a formação da primeira elite senhorial do Rio de Janeiro.” In: Topoi: Revista de História. Rio de Janeiro, vol. 5, p. 55-122. 2002. Disponível em: <http://revistatopoi.org/site/>. Acesso em: 11 maio 2018.

FRAGOSO, João Luís Ribeiro; GOUVÊA, Maria de Fátima. Nas rotas da governação portuguesa: Rio de Janeiro e Costa da Mina, séculos XVII e XVIII. In: FRAGOSO, João Luís Ribeiro et alli. Nas Rotas do Império: eixos mercantis, tráfico e relações sociais no mundo português. Vitória: EDUFES, 2006.

FURTADO, Júnia Ferreira. O Livro da Capa Verde: o regimento diamantino de 1771 e a vida no Distrito Diamantino no período da real extração. São Paulo: Annablume, 1996.

FURTADO, Júnia Ferreira. Homens de Negócio: a interiorização da metrópole e do comércio nas Minas Setecentistas. São Paulo: HUCITEC, 1999.

GODINHO, Vitorino Magalhães. Estrutura da Antiga Sociedade portuguesa. Lisboa: Arcádia, 1979.

GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. Redes de Poder na América Portuguesa: o caso dos homens bons do Rio de Janeiro, 1790-1822. In: Revista Brasileira de História. São Paulo: ANPUH/Humanitas Publicações, vol. 18, no 36, 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=0102-0188&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 11 maio 2018.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. O fidalgo-mercador Francisco Pinheiro e o ‘negócio da carne humana’, 1707-1715. In: Mariza de Carvalho Soares (org.). Rotas atlânticas da diáspora africana: da Baía do Benin ao Rio de Janeiro. Niterói: Eduff, 2007.

KENNEDY, John Norman. Bahian Elites. HAHR, 53 (Aug. 1973).

LAPA, M. Rodrigues. As Cartas chilenas. Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro, 1958.

LIMA JÚNIOR, Augusto de. As Primeiras Vilas do Ouro. Belo Horizonte: Santa Maria, 1962.

LOBO, Eulália Maria Lahmeyer. A Mesa do Bem Comum ou Mesa do Espírito Santo dos Homens de Negócio e o consulado em Portugal. In: Idem. Aspectos da influência dos Homens de Negócio na Política Comercial Ibero-Americana. Rio de Janeiro, 1961.

LOBO, Eulália Maria Lahmeyer. O Comércio Atlântico e a Comunidade de mercadores no Rio de Janeiro e em Charleston no Século XVIII. In: Separata da Revista de História, n.o 101, São Paulo, 1975.

LUGAR, Catherine. The Mercant Community of Salvador, Bahia, 1780-1830. Ph. Thesis. The State University of New York at Stony Brook, 1980.

LYRA, Maria de Lourdes Viana. A Utopia do Poderoso Império. Portugal e Brasil: bastidores da política (1798-1822). Rio de Janeiro: Sette Letras. 1994.

MARAVALL, José António. Poder, Honor y Elites em el siglo XVII. Madrid: Siglo XXI, 1996.

MARQUES, Leonardo. O Tráfico interestadual nos Estados Unidos em suas dimensões globais (1808-1860). In: Tempo: Revista de História. Niterói: UFF. no 23 – maio/ago.2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=1413-7704&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 maio 2018.

MATHIAS, Carlos Leonardo Kelmer. As Múltiplas Faces da Escravidão: o espaço econômico do ouro e a sua elite pluriocupacional na formação da sociedade mineira setecentista, c. 1711 – c. 1756. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

MATHIAS, Carlos Leonardo Kelmer. Jogos de interesses e estratégias de ação no contexto da revolta de Vila Rica, c.1709-c.1736. Dissertação (Mestrado em história) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas em Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naif, 2003.

MAUSS, Marcel. Ensaios de Sociologia. São Paulo: Perspectiva, 1981.

MELLO, Christiane Figueiredo Pagano de. Os corpos de auxiliares e de Ordenanças na segunda metade do século XVIII: as capitanias de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais e a manutenção do império português no centro-sul da América. Tese (doutorado em História) - Instituto de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2002.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. O Crepúsculo dos Grandes: a casa e o patrimônio da aristocracia em Portugal (1750-1832). Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1998.

MORGAN, Philip & GREENE, Jack. Introduction: the present state of Atlantic History. In: MORGAN, Philip & GREENE, Jack. (Ed.). Atlantic History – A Critical Appraisal. New York: Oxford University Press, 2009.

NETO, M. Sobral. A persistência senhorial. In: MAGALHÃES, J. R. (Coord.). História de Portugal – No alvorecer da modernidade. Lisboa: Editorial Estampa. 1993.

OLIVAL, Fernanda. As Ordens Militares e o Estado Moderno: honra, mercê e venalidade em Portugal (1641-1789). Lisboa: Estar Editora, 2001.

PALMER, R.R. The Age of the Democratic Revolution: A political history of Europe and America (1760-1800). Princeton: Princeton University Press, 1964.

PARKER, Geofrey. The Military Revolution: military innovation and the rise of the West (1500-1800). Cambridge: Cambridge University Press. 1996.

PEDREIRA, Jorge Miguel de Mello Viana. Os Homens de Negócio da Praça de Lisboa de Pombal ao Vintismo (1755-1822): diferenciação, reprodução e identificação de um grupo social. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-Graduação em sociologia e economia históricas da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 1995.

PIRENNE, Henri. História econômica e social da Idade Média. São Paulo: Mestre Jou, 1968.

RAMINELLI, Ronald. A escrita e a espada em busca da mercê. In: RAMINELLI, Ronald. Viagens Ultramarinas: monarcas, vassalos e governo à distância. São Paulo: Alameda, 2008.

RAMINELLI, Ronald. Nobrezas do Novo Mundo: Brasil e ultramar hispânico, séculos XVII e XVIII. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

RAU, Virgínia. Um mercador luso-brasileiro do século XVIII. In: RAU, Virgínia. Estudos sobre História Econômica e Social do Antigo Regime. Introdução e Organização de José Manuel Garcia. Lisboa: Ed. Presença, 1984.

RONCAL, António Manuel Moral. Honor, vileza y honra de los oficios mecánicos en el siglo XVIII. In: Baetica. Estudios de arte, geografía e historia. No 18, 1996, p. 359-377, 1996.

RUSSELL-WOOD, A J. R. Fidalgos e Filantropos: a Santa Casa de Misericórdia da Bahia (1550-1755). Brasília: UNB, 1981.

SAMPAIO, Antônio Carlos Jucá de. Redefinindo o Império: o eixo mercantil Rio-Minas na primeira metade do século XVIII. In: GONÇALVES, Andrea Lisly & OLIVEIRA, Ronald Polito de (Orgs.). Termo de Mariana: História e Documentação. Vol. II. Mariana: Imprensa Universitária da UFOP, 2004.

SAMPAIO, Antônio Carlos Juca. Na curva do tempo, na encruzilhada do Império: hierarquização social estratégias de classe na produção da exclusão. Tese (Doutorado em História) - Instituto de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2000.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. Um Oceano de Revoluções: história e historiografia do Atlântico e de suas revoluções nos séculos XVII e XVIII. In: SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. et.alli. (Orgs.) Atlântico – A História de um Oceano. São Paulo: Civilização Brasileira, 2013.

SUBRAHMANYAM, Sanjay. O Império asiático português, 1500-1700: uma história política e econômica. Lisboa: Difel, 1995.

SUBTIL, José Manuel. Os poderes do centro” In: HESPANHA, António Manuel. (Coord.). História de Portugal – Quarto Volume. O Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Editorial Estampa. 1983.

THOMAZ, Luís Filipe Reis. De Ceuta a Timor: Memória e sociedade. Edição, 2. Editora, DIFEL, 1994.

VASCONCELOS, Diogo de. Origem Histórica das Minas Gerais. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1904.

VERGER, Pierre. Fluxo e Refluxo do Tráfico de Escravos entre o Golfo do Benin e a Bahia de Todos os Santos dos séculos XVII a XIX. Tradução de Tasso Gadzanis. 4a ed. ver. Salvador: Corrupio, 2002.

WEBER, Max. História Geral da Economia. Tradução de Calógeras A. Pajuaba. São Paulo: Ed. Mestre Jou, 1968.

XAVIER, Ângela Barreto & HESPANHA, António Manuel. As redes clientelares. A economia do dom. Amizades e clientelas na ação política. In: HESPANHA, António Manuel. (coord.) História de Portugal. O Antigo Regime (1620-1807). Dir. José Mattoso, vol. IV, Lisboa, Círculo de Leitores. 1993.

REFERÊNCIAS:

BLUTEAU, D. Raphael. Vocabulário Portuguez e Latino, áulico, anatômico, architectonico, bélico...Coimbra: Real Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712.

GONZAGA, Tomáz Antônio. As Cartas Chilenas. 1789, p. 375-385.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
ENES, T. &quot;Um monstro feroz e indômito nas Gerais”. Faces da História, v. 5, n. 1, p. 162-178, 30 jun. 2018.