Um estudo sobre os governadores interinos no Rio de Janeiro (Séculos XVII-XVIII)

  • Victor Hugo Abril UFRPE
Palavras-chave: governo interino; administração; agentes; Rio de Janeiro

Resumo

A presente pesquisa tem por objetivo esquadrinhar os governadores coloniais no espaço-tempo da cidade do Rio de Janeiro, c. 1680 – c. 1763. Privilegia o estudo dos governadores interinos que atuaram na ausência ou afastamento dos governadores titulares. A proposta do artigo é analisar a relação, circulação e recrutamento destes governadores. O intuito do texto é demonstrar, no que tange ao Rio de Janeiro, o cargo de interinidade na cidade fluminense nas passagens dos séculos XVII – XVIII. Convém frisar que a investigação sobre o governo interino perscrutou os agentes nas suas trajetórias, no reino e nas colônias.

Referências

ABRIL, Victor Hugo. Governança no ultramar: conflitos e descaminhos no Rio de Janeiro (1725-1743). São Paulo: Paco, 2017.

ALDEN, Dauril. Royal Government in colonial Brazil – with special reference to the administration of the Marquis of Lavradio, vice-roy, 1769-1779. Berkeley / Los Angeles, University of Califórnia Press, 1968.

ARRUDA, José Jobson de Andrade. Historiografia. Teoria e Prática. São Paulo: Alameda, 2014.

BARDWELL, Ross Little. The Governors of Portugal’s Sauth Atlantic Empire in the Seventeenth Century. Social backgraund, qualifications, selection and rewar. 1974. Ph. D Dissetation, University of California –Santa Barbara, 1974.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2002.

BICALHO, Maria Fernanda. A Cidade e o Império. O Rio de Janeiro no século XVIII. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

BICALHO, Maria Fernanda. A Cidade do Rio de Janeiro e a Articulação da Região em torno do Atlântico-Sul: Séculos XVII e XVIII. Revista de História Regional, v. 3, no. 2, inverno de 1998.

BOXER, Charles Ralph. O Império Marítimo Português (1415-1825). São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CUNHA, Mafalda Soares da. Governo e governantes do Império português do Atlântico (século XVII). In: BICALHO, Maria Fernanda & FERLINI, Vera Lúcia Amaral. Modos de Governar. Idéias e Práticas políticas no Império português (séculos XVI a XIX). São Paulo: Alameda, 2005, pp. 69-92.

DEMÉTRIO, Denise Vieira. Senhores Governadores: Artur de Sá Menezes e Martim Corrêa Vasques. Rio de Janeiro, c. 1697 – c. 1702. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-Graduação em História, Niterói, UFF, 2014.

FERLINI, Vera Lúcia Amaral. Terra, Trabalho e Poder. O mundo dos engenhos no nordeste colonial. Bauru: São Paulo, Edusc, 2003.

FERNANDES, Florestan. Circuito Fechado. Quatro ensaios sobre o “poder institucional”. São Paulo: Globo, 2010.

FERNANDES, Valter Lenine. Embates e ajustes na política e administração do Império Ultramarino Português: a dinâmica da alfândega do Rio de Janeiro (1728-1743). In: Mneme – Revista de Humanidades. Caicó (Rio Grande do Norte), vol. 09 no 24, setembro e outubro, 2008.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida. Revoltas, fiscalidade e identidade colonial na América Portuguesa. Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais, 1640-1761. Tese de Doutorado em História. São Paulo, FFLCH-USP, 1996.

FRAGOSO, João & GOUVÊA, Maria de Fátima. Nas rotas da governação portuguesa: Rio de Janeiro e Costa da Mina, séculos XVII e XVIII. In: FRAGOSO, João, GOUVÊA, Maria de Fátima Gouvêa & SAMPAIO, Antônio Carlos Jucá (orgs.). Nas Rotas do Império. Vitória: Edufes/Lisboa: IICT, 2006.

GOUVÊA, Maria de Fátima. Poder político e administração na formação do complexoatlântico português (1645-1808). In: FRAGOSO, João, BICALHO, Maria Fernanda, GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). O Antigo Regime nos Trópicos: A Dinâmica Imperial Portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, pp. 285-315.

GOUVÊA, Maria de Fátima. André Cusaco: o irlandês ‘intempestivo’, fiel súdito de Sua Majestade. Trajetórias administrativas e redes governativas no Império Português, ca. 1660-1700. In: VAINFAS, Ronaldo; SANTOS, Georgina Silva dos & NEVES, Guilherme Pereira das (orgs.). Retratos do Império. Trajetórias Individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX. Niterói: EdUFF, 2006, pp. 155-176.

MELLO, Evaldo Cabral de. A fronda dos mazombos: nobres contra mascates, Pernambuco (1666-1715). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo & CUNHA, Mafalda Soares da. Governadores e capitães-mores do império atlântico português nos séculos XVII e XVIII. In: MONTEIRO, Nuno Gonçalo, CARDIM, Pedro & CUNHA, Mafalda Soares da. Optima Pars. Elites Ibero-Americanas do Antigo Regime. Lisboa: ICS, 2005, pp. 191-252.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Governadores e capitães-mores do Império Atlântico Português no século XVIII. In: BICALHO, Maria Fernanda & FERLINI, Vera Lúcia Amaral. Modos de Governar. Idéias e Práticas políticas no Império português (séculos XVI a XIX). São Paulo: Alameda, 2005, pp. 93-115.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Trajetórias sociais e governo das conquistas: notas preliminares sobre os vice-reis e governadores-gerais do Brasil e da Índia nos séculos XVII e XVIII. In: FRAGOSO, João, BICALHO, Maria Fernanda, GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). O Antigo Regime nos Trópicos: A Dinâmica Imperial Portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, pp. 249-284.

NOVAIS, Fernando. Portugal e Brasil na Crise do Antigo Sistema Colonial (1777-1808). 8a ed. São Paulo, Hucitec, 2005.

RICUPERO, Rodrigo. A formação da elite colonial. Brasil c.1530-c.1630. São Paulo: Alameda, 2009.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Centros e Periferias no Mundo Luso-Brasileiro (1500-1808). Revista Brasileira de História. São Paulo, vol.18, no 36, 1998.

SAMPAIO, Antônio Carlos Jucá de. Na Encruzilhada do Império. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.

SANTOS, Fabio Lobão Marques dos. Entre honras, herois e covardes: invasões francesas e disputas politico-familiares (Rio de Janeiro, século XVIII). Dissertação de Mestrado pelo programa de pós-graduação em História, Niterói, UFF, 2012.

SOUZA, Laura de Mello. O Sol e a Sombra. Política e Administração na América Portuguesa do século XVIII. São Paulo, Companhia das Letras, 2006.

SOUZA, Laura de Mello. Desclassificados do ouro. A pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro, Graal, 1982.

WEHLING, Arno & WEHLING, Maria José. Direito e Justiça no Brasil Colonial: O Tribunal da Relação do Rio de Janeiro (1751-1808). Rio de Janeiro: Renovar, 2004.

FONTES:

ALMEIDA, Cândido Mendes de (ed.). Codigo Philippino ou Ordenações e Leis do Reino de Portugal recopiladas por mandado d’El-rey D. Philippe I. Rio de Janeiro: Tipografia do Instituto Filomático, 1870.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico ... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712 - 1728. 8 v.

FAZENDA, José Vieira. Antiqualhas e Memórias. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro: 1919, t. 86, vol. 140.

FREIRE, Felisbelo. História da Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revista do Tribunais, 1914.

Governadores do Rio de Janeiro: correspondência ativa e passiva com a Corte, livro 2 (1725-1730). Publicações do Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, vol. 15, 434 pp. (1915).

Memórias do descobrimento e fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, imprensa nacional, tomo XXVII, 1864.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
ABRIL, V. H. Um estudo sobre os governadores interinos no Rio de Janeiro (Séculos XVII-XVIII). Faces da História, v. 5, n. 1, p. 65-84, 30 jun. 2018.