Diversificação econômica na capitania de São Paulo

o perfil econômico das vilas do litoral norte e sul (1798-1821)

  • Marco Micheli FFLCH/USP
Palavras-chave: História do Brasil Colonial; Economia de São Paulo; porto de Santos; diversificação agrícola.

Resumo

No fim do século XVIII, São Paulo passara por importantes transformações em sua economia e no seu espaço agrário desde a restauração administrativa de 1765. A partir das políticas de fomento agrícola, estimuladas pela Coroa e pelos agentes metropolitanos, a capitania desenvolvera culturas de gêneros variados em grande parte de seu território. Na região litorânea, produzia-se arroz, farinha, açúcar, aguardente e outros artigos, necessários para abastecimento da população paulista, mas que também integravam a pauta de produtos exportados a Portugal, fosse por Santos ou pelo Rio de Janeiro. Neste artigo, pretendemos delinear as principais características da economia agrícola das vilas na marinha da capitania. Ao Norte, as localidades mantinham conexões mais intensas com a capitania fluminense, enquanto que, no Sul, as relações comerciais davam-se fundamentalmente com a vila de Santos, de maneira que constatamos a existência de dois “espaços econômicos” diversos, cada qual com suas particularidades.

Referências

ARRUDA, José Jobson de Andrade. À época dos vice-reis fluminenses: o novo padrão de colonização, diversificação e integração econômica. In: Aline Montenegro Magalhães; Rafael Zamorano Bezerra (org.). Os vice-reis no Rio de Janeiro. 250 anos. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2015.

ARRUDA, José Jobson de Andrade. Decadência ou Crise do Império Luso Brasileiro: O Novo Padrão deColonização do Século XVIII. In: Revista Usp, no 46. São Paulo, 2000, pp. 66-78.

ARRUDA, José Jobson de Andrade. O Brasil no Comércio Colonial. São Paulo, editora Ática, 1980.

ARRUDA, José Jobson de Andrade. O Elo Perdido: a economia brasileira entre 1780 e 1830. In: Resgate. Revista de Cultura. Campinas: ed. Unicamp, n. 7, 12/1997.

BLAJ, Ilana. A trama das tensões. O processo de mercantilização de São Paulo colonial (1681-1721). São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP: Fapesp, 2002.

BORREGO, Maria Aparecida de Menezes. A teia mercantil: negócios e poderes em São Paulo colonial (1711-1765). Tese (Doutorado) São Paulo: FFLCH/USP, 2006, 352 f.

CAPEL, Ronaldo. O Governo de Bernardo José de Lorena na Capitania de São Paulo: aspectos políticos e econômicos (1788-1797). Dissertação (Mestrado). São Paulo: FFLCH/USP, 2015, 139 f.

CARLO, Ricardo Felipe Di. Exportar e abastecer: população e comércio em Santos, 1775-1836. Dissertação (Mestrado). São Paulo: FFLCH/USP, 2011, 317 f.

DIAS, Thiago Alves. Monopólio indireto: colonização mercantil no norte do Estado do Brasil (c. 1710- c. 1780). Tese (Doutorado). São Paulo: FFLCH/USP, 2017, 383 f.

ELLIS JR., Alfredo. A Economia Paulista no Século XVIII. São Paulo: Academia Paulista de Letras, 1979.

FERLINI, Vera Lucia Amaral. São Paulo, de fronteira a território: uma capitania dos novos tempos. In: ANTUNES, Ermelinda (cur.). Laboratório do mundo. Idéias e saberes do século XVIII. Catálogo. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 2004.

FERLINI, Vera Lucia Amaral. Uma capitania dos novos tempos: economia, sociedade e política na São Paulo restaurada. Anais do Museu Paulista (impresso), v. 17, 2009.

FERNANDEZ, Ramón Vicente García. Transformações Econômicas no litoral norte paulista (1778-1836). Tese (Doutorado). São Paulo: FEA/USP, 1992, 189 f.

GUTIÉRREZ, Horacio. Crioulos e Africanos no Paraná, 1798-1830. In: Revista Brasileira de História, v. 8, n. 16, pp. 161-188, 1988.

HOLME, Oscar. Ubatuba: de uma agricultura de subsistência para uma agricultura comercial. Tese (Doutorado). São Paulo: FFLCH/USP, 1971, 179 f.

KLEIN, Herbert S. & LUNA, Francisco Vidal. Nota a respeito de Medidas parra Grão Utilizadas no Período Colonial e as Dificuldades para sua Conversão ao Sistema Métrico. In: Boletim de História Demográfica, ano 8. São Paulo: 2001.

LUNA, Francisco Vidal. São Paulo: atividades e posse de escravos em vinte e cinco localidades (1777-1829). Estudos Econômicos. São Paulo: IPE-USP, v. 28, n. 1, pp. 99-169, jan/mar. 1998.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Crescimento demográfico e evolução agrária paulista. 1700-1836. São Paulo: Editora Hucitec, 2000.

MENDES, Denise. A Calçada do Lorena: o caminho de tropeiros para o comércio do açúcar paulista. Dissertação (Mestrado). São Paulo: FFLCH/ USP, 1994.

MONT SERRATH, Pablo Oller. Dilemas & Conflitos na São Paulo Restaurada: Formação e consolidação da Agricultura Exportadora (1765-1802). Dissertação (Mestrado). São Paulo: FFLCH/ USP, 2007, 316 f.

MOURA, Denise. Entre o atlântico e a costa: confluência de rotas mercantis num porto periférico da América portuguesa (Santos, 1808–1822). In: Tempo, vol. 19 n. 34, p. 95-116, 2013.

OLIVEIRA, Gilvan Leite de. A todo pano: contribuição para o estudo do processo de consolidação do porto de Santos como via marítima da capitania de São Paulo (1788-1822). Dissertação (mestrado). São Paulo: FFLCH/USP, 2017, 283 f.

PETRONE, Maria Thereza Schorer. A Lavoura Canavieira em São Paulo. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1968.

SIMONSEN, Roberto. História Econômica do Brasil. 7a ed. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1977.

TOLEDO, Benedito Lima. Projeto Lorena, os caminhos do mar: revitalização, valorização e uso dos bens culturais. 1. ed. São Bernardo do Campo: Prefeitura Municipal, 1975. v. 1.

VALENTIM, Agnaldo. Uma civilização do arroz. Agricultura, comércio e subsistência no Vale do Ribeira (1800-1880). Doutorado (Tese). São Paulo: FFLCH/USP, 2006.

ZEMELLA, Mafalda. O abastecimento da Capitania de Minas Gerais. 2. ed., São Paulo: Hucitec/Edusp, 1951.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
MICHELI, M. Diversificação econômica na capitania de São Paulo. Faces da História, v. 5, n. 1, p. 198-224, 30 jun. 2018.