O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • A contribuição é original e inédita, e não está sendo avaliada para publicação por outra revista; caso contrário, deve-se justificar em "Comentários ao editor".
  • O arquivo da submissão está em formato Microsoft Word (2003 ou superior).
  • URLs para as referências foram informadas quando possível.
  • A revista recebe artigos livres e resenhas em fluxo contínuo.
  • O texto segue os padrões de estilo e requisitos bibliográficos descritos em diretrizes para autores.
  • Os trabalhos devem ser originais, inéditos e não submetidos a nenhum outro processo editorial.

Diretrizes para Autores

Em caso de dúvidas entrar em contato no e-mail facesdahistoria@gmail.com

Baixe o arquivo com as Normas para a Publicação e o Modelo de Artigo da Faces da História

Baixe o arquivo com as Normas da ABNT para a elaboração de Referências 

NORMAS PARA A PUBLICAÇÃO

A Faces da História publica originais dos autores que desejam submeter seus artigos, resenhas e entrevistas para a avaliação do Conselho Editorial e dos pareceristas ad hoc, através de revisão às cegas, reservando-se o direito da revista de apresentar alterações com a finalidade de adequar os trabalhos aos seus padrões editoriais. As colaborações devem seguir, rigorosamente, as normas para a publicação da revista, o não cumprimento acarretará a devolução do trabalho.

  1. ARTIGOS:

1.1. Os artigos devem ter de 15 a 25 laudas com páginas no formato A4, em arquivos compatíveis com o Windows (formato .doc ou .docx), escritos em fonte Times News Roman tamanho 12, justificado, espaçamento de 1.5 cm entre linhas e margens esquerda e superior de 3 cm e direita e inferior de 2 cm;

1.2. Estrutura do artigo: 

1.2.1. Título: em português seguido do inglês, deve vir centralizado, negrito, fonte Times New Roman e tamanho 12; 

1.2.2. SOBRENOME, nome autor: alinhamento à direita com nota de rodapé biográfica. As informações de autoria devem seguir o modelo abaixo e enviadas em documento anexo ao texto; 

Titulação e instituição, cidade e estado (siglas), titulação em andamento, programa e instituição, cidade e estado (siglas). Vínculo profissional (se houver), nome da instituição. Bolsista Agência (se houver). E-mail: email@email.com
EXEMPLO: Mestre em História pela Unicamp, Campinas-SP, doutoranda do Programa de Pós-Graduação da Unesp/Assis, Assis, SP. Professora da Rede Pública do Estado de São Paulo. E-mail: mariasilva@email.com

1.2.3. Se o texto do artigo for proveniente de uma dissertação ou tese, o autor deve especificar esta informação na nota de rodapé que apresenta as informações de autoria.

1.2.4. Resumo e abstract: – a incluir de três a seis palavras-chave e keywords, separadas por ponto e vírgula – devem contabilizar, juntos, o máximo de 300 palavras.

1.3. Citações:

1.3.1. As citações diretas curtas (até 3 linhas) devem estar no corpo do texto entre aspas. As citações diretas longas (mais de 3 linhas) devem estar recuadas 4,0 cm, fonte Times New Roman tamanho 10, espaçamento simples, sem aspas, separadas por espaço duplo dos parágrafos anterior e posterior. Para citações diretas utilizamos o sistema autor-data-página no corpo do texto e para citações indiretas utilizamos o autor-data ou autor-data-página. Exemplo: (SILVA, 2004, p.12). Caso a obra tenha dois ou três autores deve-se separar por ponto e vírgula os sobrenomes. Exemplo: (SILVA; SOUZA, 2002). Se houver uma obra com vários autores coloca-se o sobrenome do primeiro autor e “et al”. Ex. (SILVA et al., 2002).

1.3.2. Em caso de grifo, deve-se informar se é do autor citado ou se é do autor do artigo. Exemplo: (SILVA, 2004, p. 12, grifo do autor); (SOUZA, 2002, p. 53, grifo nosso).

1.4. Notas de rodapé:

1.4.1. As notas, em algarismos arábicos, devem ser somente explicativas, reduzidas às informações essenciais para a compreensão do assunto. As notas de rodapé devem vir em fonte Times New Roman tamanho 10.

1.5. Imagens (fotos, mapas, pinturas, etc.), gráficos e tabelas poderão ser apresentados no corpo do texto quando forem absolutamente imprescindíveis. Devem vir acompanhados com título, centralizado e enumerado com algarismos arábicos, e fonte, centralizado, abaixo da imagem. O conteúdo adicional não poderá exceder as margens da página.

1.6. Referências:

1.6.1. As obras nas Referências devem estar em ordem alfabética. Caso exista várias obras de um mesmo autor segue-se a ordem cronológica. Sempre que possível indicar os dados de acesso.

1.6.2. A formatação deve seguir o padrão ABNT (veja alguns modelos abaixo), em fonte Times New Roman, tamanho 12, alinhamento do texto à esquerda e espaçamento simples entre linhas e nenhum espaçamento entre parágrafos.

1.6.3. Nas Referências devem constar apenas as obras citadas no artigo e seguir os exemplos abaixo:

Livros e Monografias:

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1975.

Capítulos de livros:

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Morais; AMADO, Janaina. Usos e abusos da História Oral. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1998. p.183-191.

Capítulo de livros quando o organizador também é o autor:

REMOND, René. Do político. In: ________ (org). Por uma história política. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003. p. 441-454.

Dissertações e Teses:

PAPA, Helena Amália. Cristianismo Ortodoxo versus Cristianismo Heterodoxo: uma análise político-religiosa da contenda entre Basílio de Cesaréia e Eunômio de Cizico (séc. IV d.C.). 2009. 104 f. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2009.

Artigos de periódicos:

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, p. 200-212, jan-jun. 1992.

Trabalhos de congresso ou similar (publicado):

MARIN, Alda Junqueira. Educação continuada: sair do formalismo? In: CONGRESSO ESTADUAL PAULISTA SOBRE FORMAÇÃO DE EDUCADORES, 1, 1990, São Paulo. Anais... São Paulo: UNESP, 1990. p. 114-118. 

Periódicos:

O Estado de São Paulo. São Paulo: n. 301, 02 nov. 1953.

Manuscritos/documentos em arquivos e bibliotecas (do geral, específico e por autor):

COLEÇÃO Círculo Operário de Assis, 1958-1978. Centro de Documentação e Apoio à Pesquisa (CEDAP). Assis, São Paulo, Brasil.

CARTA encaminhando um extrato do Ato do Parlamento que regula o comércio de vinho portugueses, principalmente quanto às taxas. Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. Manuscritos, I-29, 17, 21 n. 27-29.

MARINHO, Joaquim Saldanha. Carta a Salvador de Mendonça informando sobre a crise ministerial, a Guerra do Paraguai, e referindo-se à futura vitória dos liberais no Parlamento. Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. Manuscritos, I-04, 19, 047.

Conteúdo digital:

Após referência adicionar a informação da origem do material e data de acesso: Disponível em: enderecoeletronico. Acesso em: 24 jul. 2018.
A data deve exibir os meses abreviados: jan.; fev.; mar.; abr.; maio; jun.; jul.; ago.; set.; out.; nov.; dez.

Para demais referências, consultar a ABNT.  

  1. RESENHAS:

2.1. As resenhas devem ter de 3 a 6 páginas e abordar livros nacionais ou estrangeiros. Para títulos nacionais, considera-se as obras editadas nos últimos 24 meses anteriores à submissão da resenha. Para os títulos estrangeiros, considera-se as obras editadas nos últimos 48 meses anteriores à submissão da resenha. 

2.2. Não são necessários resumo/abstract e palavras-chaves/keywords para as resenhas. Excetuando esse critério, as resenhas devem seguir as regras de formatação e de estrutura definidas para os artigos.

______________________________________________________________________

Modelo:

Normas para publicação: revista Faces da história

Título em língua estrangeira: revista Faces da história

SOBRENOME, Autor 1 (nota de do rodapé 1)

1 (nota de rodapé 1) Titulação e instituição, titulação em andamento, programa e instituição, cidade e estado (siglas) da instituição. Vínculo profissional (se houver), nome da instituição cidade e estado (siglas) da instituição. Bolsista Agência (se houver). E-mail: email@email.com
EXEMPLO: Mestre em História pela Unicamp, Campinas-SP, doutoranda do Programa de Pós-Graduação da Unesp/Assis, Assis-SP. Professora da Rede Pública do Estado de São Paulo. E-mail: sobrenomeautora@email.com

Resumo: A revista Faces da História(ISSN: 2358-3878) é uma publicação periódica online conduzida pelos discentes do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual Paulista – Faculdade de Ciências e Letras de Assis. A proposta visa divulgar a produção científica na área de História e nas suas diferentes interfaces, assim como estimular e desenvolver o intercâmbio entre pesquisadores, docentes e discentes de programas de pós-graduação stricto sensu. Faces da Históriaaceitará artigos científicos inéditos – separados em duas secções: dossiês e artigos livres. Além de resenhas, traduções e entrevistas cujo interesse se refere à difusão de ideias e ao desenvolvimento do conhecimento histórico.

Palavras-chave: Revista, Discentes, História.

Abstract:

Keywords:

 

Introdução

Em concordância com Chartier (1999, p. 29), “A revolução do texto eletrônico será ela também uma revolução da leitura”.

Pode-se dizer que Chartier está em uma Nova História Cultural, preocupada mais com a singularidade dos objetos com suas descontinuidades e permanências:

Concordando com Marc Bloch que afirmava que “tudo o que o homem diz ou escreve, tudo o que fabrica, tudo o que toca pode e deve informar-nos sobre ele”. Roger Chartier ampliou o conceito de fonte histórica, ultrapassando os limites do texto escrito para abordar também as práticas culturais a qual estes estabeleciam ou se inseriam, as formas de produção, reprodução e recepção dos textos. Assim, Chartier valoriza não somente a materialidade, mas, também a oralidade, a forma de ler ou dizer, que segundo ele, em alguns momentos da história e, em determinadas sociedades, foi utilizada para perpetuação do poder. (LIMA, 2011, p.188).

 

Imagem 1. Exemplo para publicação.


Fonte: autoria própria. 

 

Referências

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

LIMA, Julio Cesar Rodrigues. Roger Chartier, o universo simbólico e a escrita da história. Nearco, v. 1, p. 181-189, 2011. Disponível em: http://www.neauerj.com/Nearco/arquivos/numero8/13.pdf. Acesso em: 29 dez. 2017.