Saudades do Brasil: O mistério do samba ou a arte do desvelamento

  • Alexandre Andrade da Costa

Resumo

Desde o início do século XX, os ritmos brasileiros suscitaram a curiosidade do público e dos músicos franceses. À véspera da Primeira Guerra Mundial, o maxixe, um gênero musical e coreográfico hoje esquecido, inaugurou uma longa série de transferências culturais (ESPAGNE, WERNER, 1987) entre os dois lados do Atlântico. No coração dos Anos Loucos, a Cidade Luz dançava ao ritmo do samba, introduzida pela orquestra brasileira dos Batutas, e descobria os Choros de Heitor Villa-Lobos. Os amantes da música apreciavam, igualmente, os ritmos sincopados das composições brasileiras de Darius Milhaud, como Le Boef sur le toit e as Saudades do Brasil, criadas no Teatro dos Campos Elíseos e na Galeria Montaine em 1920 (LAGO, 2012). Um decênio mais tarde, a etnografia musical fez, do Brasil, uma nova terra de missão. Os sons do Brasil inspiraram uma primera série de publicações de cunho científico, com a edição de Chants populaires du Brésil, lançado em 1930 pela cantora brasileira Elsie Houston-Péret, então esposa do poeta surrealista francês Benjamin Péret (HOUSTON-PERET, 1930). Oscilando entre as figuras do “selvagem” e do “popular”, a música brasileira definia uma forma de “gosto do Outro2 ”, com um toque de exotismo e de primitivismo. Os “ritmos bizarros” e os “instrumentos estranhos” do Brasil evocavam “um Outro” da música, no qual o poder de sedução residia na diferença, essa deliciosa “sensação do diverso”, celebrada por Victor Segalen (1999 [1978], p.54).

##submission.authorBiography##

Alexandre Andrade da Costa

Doutorando - Programa de Pós-Graduação em História – Faculdade Ciências e Letras de Assis – UNESP – Univ. Estadual Paulista, Campus de Assis – Av. Dom Antônio, 2100, CEP: 19806-900, Assis, São Paulo – Brasil. Bolsista FAPESP.

Publicado
2017-08-13
Como Citar
COSTA, Alexandre Andrade da. Saudades do Brasil: O mistério do samba ou a arte do desvelamento. Faces da Historia, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 232-245, ago. 2017. ISSN 2358-3878. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/101>. Acesso em: 17 dez. 2017.