De Peitan a Uainuy

os papéis sociais e religiosos das mulheres Tupinambá na Ilha do Maranhão e terras circunvizinhas (1612-1615)

  • Alexandre Navarro Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Professor Associado I
  • Karen Cristina Costa Conceição
Palavras-chave: Crônicas coloniais, Mulheres indígenas, Maranhão

Resumo

O presente artigo resultou da análise de duas crônicas coloniais redigidas por missionários franceses envolvidos no projeto colonial francês para o Maranhão nos primeiros anos do século XVII. Esta documentação, além de referir-se a experiência francesa de colonização, contém informações sobre os papéis sociais e religiosos assumidos pelas mulheres indígenas nas suas interfaces com o trabalho agrícola, os rituais simbólicos e participação política das índias nas aldeias Tupinambá. Nessas crônicas coloniais podemos perceber indícios de valorização da mulher indígena, principalmente pelo fato de ser ela a guardiã da cultura e do conhecimento de sobrevivência naquelas terras. Mesmo que houvesse assimetria entre os gêneros, as mulheres eram educadas desde a infância para assumir funções que asseguravam um papel central na economia, e em todo o conjunto de valores a elas associados que proferem uma representação da identidade feminina.

Publicado
2020-06-27
Como Citar
NAVARRO, A.; COSTA CONCEIÇÃO, K. C. De Peitan a Uainuy. Faces da História, v. 7, n. 1, p. 25-49, 27 jun. 2020.