Eleições e boatos:

O presente (de Trump) em conexão com o passado (de César)

  • Ana Lucia Santos Coelho Universidade Federal de Ouro Preto
  • Ygor Klain Belchior Universidade de São Paulo

Resumo

O boato está em todos os espaços de nossa vida social, seja na televisão ou nas redes sociais. Ele é o mais antigo dos meios de comunicação das sociedades, existindo antes mesmo da escrita. Ele era – e ainda é – uma das principais formas de aquisição e veiculação de informações, contribuindo fortemente para a construção ou destruição de reputações, delimitação de aliados ou inimigos e precipitação de guerras. Nesse sentido, o objetivo deste artigo é investigar acontecimentos históricos semelhantes que ocorreram em temporalidades históricas distintas. Em outras palavras, evidenciar as similaridades entre o interesse de Trump Jr. em adquirir boatos contra Clinton, no contexto das eleições norte americanas, e as calúnias sofridas por Júlio César acerca do adultério de sua esposa, à época da Roma tardo-Republicana. O referencial teórico empregado nesse artigo pautou-se no conceito de Anacronismo, de Loraux (1992), e na concepção de tempo não-linear, discutida por Bevernage e Lorenz (2013). 

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Doutorando em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), sob a orientação do Professor Dr. Norberto Luiz Guarinello. É pesquisador integrante do Laboratório de Estudos sobre o Império Romano e Mediterrâneo Antigo (LEIR-MA/USP). 

Publicado
2018-01-03
Como Citar
COELHO, Ana Lucia Santos; BELCHIOR, Ygor Klain. Eleições e boatos:. Faces da Historia, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 123-138, jan. 2018. ISSN 2358-3878. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/164>. Acesso em: 18 ago. 2018.