Miradas Miradas afrocêntricas em torno da africanização do Egito Antigo: entre racialização e identidades

entre racialização e identidades

  • Raisa Sagredo UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Diferentes narrativas do passado trataram das “origens raciais” dos egípcios antigos, vindo a constituir-se como uma verdadeira polarização entre um Egito branco versus um Egito negro. Neste artigo, busca-se mostrar a corrente interpretativa do Afrocentrismo, historicizando-a dentro dos debates raciais sobre o Egito. Esta, defende a origem africana como sinonímia de negra, e encontra nos debates identitários e políticos do presente um solo fértil para estudos que não se limites aos “usos do passado” mas às próprias concepções do passado faraônico. Deste modo, revisita-se a historiografia africanista que debruçou-se sobre o Egito Antigo como bandeira de luta, e analisam-se reflexos de como esse Afrocentrismo repercutiu na Egiptologia brasileira.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Mestre em História Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC (2017) e graduada em História pela mesma. Integrante do GEHA - Grupo de Estudos em História Antiga, e do MERIDIANUM - Núcleo Interdisciplinar em Estudos Mmemdievais, ambos da mesma universidade.

Publicado
2018-01-03
Como Citar
SAGREDO, Raisa. Miradas Miradas afrocêntricas em torno da africanização do Egito Antigo: entre racialização e identidades. Faces da Historia, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 6-27, jan. 2018. ISSN 2358-3878. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/166>. Acesso em: 16 out. 2018.