O cotidiano dos meninos internados no Seminário de Santana na cidade de São Paulo (1825 – 1868)

  • Robson Roberto da SILVA
Palavras-chave: Infância Abandonada. Internato. Educação. Aprendiz, Trabalho.

Resumo

Foi durante o século XIX que a questão da infância abandonada saiu do âmbito familiar e tornou-se uma questão pública na cidade de São Paulo. Assim, a iniciativa da Igreja Católica, da caridade da sociedade civil e do Governo Provincial foi fundada em 1825, conjuntamente com a Roda dos Expostos, o Seminário de Santana, um internato para meninos abandonados que, após o período da primeira infância, eram internados para sua devida educação. Nesse local, seria priorizada a instrução de um ofício, cuja utilização de seu trabalho em oficinas e fábricas seria incentivada e essas crianças foram recrutadas durante a Guerra do Paraguai como aprendizes no Arsenal da Marinha. Este artigo utilizou como fontes de pesquisa a documentação existente no Arquivo Público do Estado de São Paulo (APESP) composta de cartas, ofícios, relatórios, petições etc. na qual a trajetória de vida desses meninos pode ser visualizada na sua formação como cidadãos.

Biografia do Autor

Robson Roberto da SILVA

Doutorando em História pela Universidade Estadual Paulista Julio Mesquita Filho (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Assis – SP (FCL), sob orientação da Prof.(a) Dr.(a) Lucia Helena de Oliveira Silva. Graduado em História pela Universidade Estadual de Londrina – PR (2008). Mestre em História Social (PPGHS) pela Universidade Estadual de Londrina – PR (2013).

Como Citar
SILVA, R. R. DA. O cotidiano dos meninos internados no Seminário de Santana na cidade de São Paulo (1825 – 1868). Faces da História, v. 2, n. 1, p. 215-235, 11.