O conservadorismo do jovem Eduardo Prado: um exercício de história intelectual (1878-1879)

  • Rodrigo Perez Oliveira
Palavras-chave: Eduardo Prado; Performance Discursiva; Escritos de Juventude.

Resumo

Eduardo Paulo da Silva Prado (1861-1901) foi um importante personagem da história político/intelectual brasileira dos últimos anos do século XIX. Destacando-se como um dos mais aguerridos inimigos da República proclamada pelo golpe militar de novembro de 1889, Eduardo Prado enfrentou a perseguição da Ditadura florianista. Essa militância antirrepublicana foi o aspecto mais abordado da trajetória político/intelectual de Eduardo Prado pelos estudos que já se debruçaram sobre o tema. Pretendo neste artigo contribuir para essa discussão através da análise dos usos que Prado fez do conceito de liberdade, tendo como corpus os seus primeiros escritos. Esse material quase não foi explorado pela bibliografia especializada e acredito que o seu estudo possa lançar luz sobre outros elementos do pensamento conservador de Eduardo Prado, ajudando-nos a avançar na interpretação da performance discursiva do autor para além da já tão conhecida dicotomia Monarquia X República.

Biografia do Autor

Rodrigo Perez Oliveira

Mestre e Doutorando em História Social (PPGHIS/UFRJ), professor de teoria da história e historiografia brasileira da Universidade Estácio de Sá e autor do livro “As Armas e as Letras: a Guerra do Paraguai na memória oficial do Exército brasileiro (1860-1901)”. Rio de Janeiro: Ed. Multifoco, 2013.

Publicado
2017-08-20
Como Citar
OLIVEIRA, R. P. O conservadorismo do jovem Eduardo Prado: um exercício de história intelectual (1878-1879). Faces da História, v. 2, n. 1, p. 236-257, 20 ago. 2017.