DESDE O SOAR DOS CLARINS AO PERCUTIR DOS INSTRUMENTOS NATIVOS DO CONGO

: a presença negra e mestiça na prática musical no Brasil entre os séculos XVIII e XIX

  • Luiz Domingos Nascimento Neto Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Numa sociedade marcada em seus diversos níveis de hierarquização pela presença da escravidão, africanos e sujeitos oriundos das mestiçagens biológicas ocorridas no seio da América portuguesa, demarcaram seu território de atuação não apenas no universo dos ofícios mecânicos e dos trabalhos relacionados à agricultura e extrativismo. Antes, se estabeleceram ou foram empregados como artífices da música a serviço de Irmandades católicas, Senado de câmara ou particulares. Se por um lado, a escassez de documentação até os dias de hoje tem sido o principal obstáculo para identificação da identidade da maior parte destes sujeitos; por outro, a presença absoluta de homens de cor no exercício desta arte até os dias de hoje tem despertado o interesse de musicólogos e historiadores. Tencionamos neste texto apreender aspectos da participação dos negros e de seus descendentes no exercício da arte musical entre os séculos XVIII e XIX, no intuito de descortinar especificidades desta presença nesta atividade artística tão apreciada por contemporâneos.

Publicado
2018-01-03
Como Citar
NASCIMENTO NETO, Luiz Domingos. DESDE O SOAR DOS CLARINS AO PERCUTIR DOS INSTRUMENTOS NATIVOS DO CONGO. Faces da Historia, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 165-180, jan. 2018. ISSN 2358-3878. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/220>. Acesso em: 24 maio 2018.