Usos do relato histórico pelo poder régio em Castela e Leão (1252-1284)

  • Almir Marques de SOUZA JUNIOR,

Resumo

A proposta deste artigo é discutir a relação existente entre as obras de cunho histórico e os fundamentos ideológicos da monarquia medieval castelhana no século XIII. Para tanto, cabe aqui ressaltar que, durante este período, o poder régio dedicou-se a produzir uma série de documentos em língua vulgar, sendo o próprio vernáculo adotado como idioma oficial dos tratados políticos desta época. Dentre esta produção documental, destacamos as obras de cunho histórico, que, juntamente com as demais produções escritas patrocinadas pela autoridade monárquica, veicularam uma série de enunciados discursivos sobre a própria instituição régia e sobre os detentores da dignidade real castelhano-leonesa. Caberia ao historiador refletir sobre os objetivos de tais ideias, bem como quais seriam as bases que sustentavam estas construções dentro da sociedade.

##submission.authorBiography##

Almir Marques de SOUZA JUNIOR,

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense. Professor de História Antiga e Medieval da Universidade Castelo Branco – Rio de Janeiro.

Publicado
2017-09-06
Como Citar
SOUZA JUNIOR,, Almir Marques de. Usos do relato histórico pelo poder régio em Castela e Leão (1252-1284). Faces da História, [S.l.], v. 3, n. 2, p. 157-175, set. 2017. ISSN 2358-3878. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/388>. Acesso em: 15 set. 2019.