Patrimônio da Mobilidade no Brasil e o processo de identificação e valorização do território. Ferrovias e as paisagens industriais da região Oeste do Estado de São Paulo.

  • Tais Schiavon Universidade de évora

Resumo

Território desconhecido, a porção Oeste do Estado de São Paulo vê sua expansão no decorrer do século XIX como parte das estratégias em torno de projetos buscando novas conexões territoriais, inicialmente promovidos pelo sistema ferroviário de transportes e gradativamente substituídas pelo modelo rodoviário. Compondo este processo as linhas: Araraquarense, Noroeste, Paulista e Sorocabana, promoviam o transporte de pessoas, produtos e serviços desta região até então “desconhecida e selvagem” para as demais regiões, permitindo o desenrolar de melhoramentos agrícolas, complexos urbanos e atividades industriais ao vetor oeste. Leituras que hoje possibilitam a criação de uma rede de estudos urbanos estruturada a partir dos núcleos desenvolvidos pela ferrovia e os impactos decorrentes da transição para o modelo rodoviário de transportes intensificado a partir de 1960. Novos veios de interpretação aos dados históricos e sua aplicação nas diversas áreas das cidades do oeste paulista, que em menos de meio século foi capaz de descrever o patrimônio da mobilidade como um museu aberto.

Publicado
2017-09-07
Como Citar
SCHIAVON, Tais. Patrimônio da Mobilidade no Brasil e o processo de identificação e valorização do território. Ferrovias e as paisagens industriais da região Oeste do Estado de São Paulo.. Faces da Historia, [S.l.], v. 4, n. 1, p. 90-122, set. 2017. ISSN 2358-3878. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/406>. Acesso em: 22 set. 2017.
Seção
Artigos para Dossiê