Antiguidade, afrocentrismo e crítica: invenção e mito na História Antiga

Autores

  • Gustavo de Andrade Durão UFRRJ/ pós-doutorando

Resumo

O presente artigo busca fazer uma interpretação acerca dos valores levantados pelos historiadores da antiguidade clássica que são problematizados diante das análises atreladas ao afrocentrismo e ao eurocentrismo. Debatendo sobre a problematica da representação na História e de como evitar-se o etnocentrismo serão repensados os conceitos reificados da historiografia da antiguidade em oposição aos novos debates historiográficos. Buscando diferentes perspectivas de análise em relação a História antiga é possível perceber como o afrocentrismo não é uma perspectiva oposta às novas perspectivas dos estudos de antiguidade, mas um sinal da necessidade das mudanças analíticas nesse campo. Através das percepções e Martin Bernal e Jack Goody acreditamos ser possivel compreender mitos e invenções que de modo geral permearam parte das epistemologias atreladas a História Antiga.  

Referências

AMSELLE, Jean-Loup. Branchements: Antropologie de l’universalité des cultures. Paris Champs/Flamarion, 2001.

ASSANTE, Molefi K. Afrocentricidade: notas sobre uma posição interdisciplinar. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Org) Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. São Paulo: Selo Negro, 2009.

BERNAL, Martin. Black Athena: The Afroasiatic roots of Classical Civilization (The Fabrication of Ancient Greece 1785-1985. V. 1). New Jersey: Rutgers University Press, 1987.

CARRILHO, Maria. A sociologia da Negritude. Lisboa: Edições 70, 1975.

DETIENNE, Marcel. Comparer l’incomparable. Paris: Éditions du Seuil, 2009.

FARIAS, Paulo F. de Moraes. Afrocentrismo: Entre uma Contranarrativa Histórica Universalista e o Relativismo cultural. Afro-Ásia, Bahia, n. 29-30, p. 271-316, 2003.

GIBBON, Edward. Declínio e Queda do Império Romano. São Paulo: Companhia de Bolso, 2008.

GOODY, Jack. O roubo da História – como os europeus se apropriaram das ideias e invenções do Oriente. São Paulo: Editora Contexto, 2015.

GRUZINSKI, Serge. L’Histoire pour quoi faire? Paris: Librairie Arthème Fayard, 2015.

GUARINELLO, Norberto Luiz. História Antiga. São Paulo: Contexto, 2013.

HOUNTONDJI, Paulin. African Philosophy - Myth & Reality. Bloomington: Indiana University Press, 1996.

HOWE, Stephen. Afrocentrism – Mythical pasts and imagined homes. Londres/NY, Verso, 1999.

JUNIOR, Hilário Franco. Introdução. Idade Média. O Nascimento do Ocidente. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2001.

KI-ZERBO, Joseph. História da África Negra. Lisboa: Publicações Europa-América, 2009. V.1.

NOGUEIRA, Renato. O Ensino de Filosofia e a Lei 10.639. Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2014.

OSBORNE, Robin Greece in the making 1200-479 BC. London: Routledge, 1996.

SAID, Edward. Orientalismo – O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SILVA, Kalina Vanderlei; SILVA, Maciel Henrique. Dicionário de Conceitos Históricos. São Paulo: Contexto, 2010.

Downloads

Publicado

2018-01-03

Como Citar

DURÃO, Gustavo de Andrade. Antiguidade, afrocentrismo e crítica: invenção e mito na História Antiga. Faces da História, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 28–41, 2018. Disponível em: https://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/168. Acesso em: 25 jun. 2024.