Tudo está estremecido

por que a filosofia da história floresce em tempos de crise?

  • João Roolfo Munhoz Ohara
Palavras-chave: filosofia da história; relação entre passado e presente.

Resumo

A filosofia da história dificilmente desaparecerá em um mundo assolado por crises. Crises, entendidas como anomalias dos modos pelos quais as pessoas concebem suas relações entre passado e presente, servem como ímpeto, mais que como obstáculo, à filosofia da história. Quanto mais as sociedades imaginam se o crescimento econômico é infinito, ou se as crianças no Ocidente algum dia alcançarão os níveis de prosperidade de seus pais, ou como o crescente peso da dívida pública afetará o “contrato social entre gerações”, mais provável que elas repensem suas relações herdadas entre passado e presente. Em certo sentido, portanto, a filosofia é um fenômeno de crise: o gênero floresce em tempos de incerteza. Isso não significa que a filosofia da história será sempre ensinada em departamentos
acadêmicos de história: o gênero tem sido praticado muitas vezes, para não dizer frequentemente, por não-historiadores. Os historiadores podem querer considerar, no entanto, o quão bem eles servem suas sociedades se permitem que a filosofia da história seja praticada sem as checagens críticas e balanços da historiografia profissional.

Publicado
2017-08-18
Como Citar
OHARA, J. R. M. Tudo está estremecido. Faces da História, v. 1, n. 2, p. 73-80, 18 ago. 2017.