A construção das paisagens toponímicas na cartografia luso-brasileira: 1750-1790

Autores

  • Eduarda Fernandes Lima Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Cartografia, Toponímia, Fronteiras

Resumo

O século XVIII é marcado por uma renovação científica pautada pelos princípios da razão ilustrada e de seus desdobramentos no âmbito dos impérios ibéricos.  Esta pesquisa se concentra na análise de fontes resultantes das viagens filosóficas e das expedições militares promovidas pela Coroa portuguesa no contexto das demarcações dos tratados luso-hispânicos na segunda metade do século XVIII.  Tais experiências inauguram novos métodos e técnicas científicas como parte dos projetos políticos coloniais que visavam o aproveitamento de riquezas naturais e controle direto dos domínios territoriais. A pesquisa tem como objetivo compreender como a cartografia setecentista, produzida na ocasião da demarcação de fronteiras entre os impérios ibéricos na América do Sul tem influência na construção de novas identidades baseadas no espaço geográfico e na paisagem (1750/1790).

Referências

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira. KANTOR, Iris. A outra face das expedições científico-demarcatórias na Amazônia: o coronel Francisco Requena y Herrera e a comitiva castelhana. In: OLIVEIRA, Francisco R. (Org.). Cartógrafos para toda a Terra: produção e circulação do saber cartográfico ibero-americano: agentes e contextos. 1. ed. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, 2014, v. 1, p. 20-28.

DELSON, Roberta Marx. Novas vilas para o Brasil-Colônia: planejamento espacial e social no século XVIII. Brasília: Edições Alva, 1998.

HARLEY, John Brian. La nueva naturaleza de los mapas. Ensayos sobre la historia de la cartografia. México: Fondo de Cultura Económica, 2005.

KANTOR, Iris. Cartografia e diplomacia: usos geopolíticos da informação toponímica (1750-1850). Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 39-61, 2009. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/5513. Acesso em: 28 mai. 2023.

KANTOR, Iris. Legislação indigenista, reordenamento territorial e auto representação das elites (1759-1822). In: Koerner, Andrei. (Org.). História da Justiça Penal no Brasil: pesquisas e análises. São Paulo: IBCCRIM, 2006, p. 29-38.

KANTOR, Íris. Usos diplomáticos da ilha-Brasil polêmicas cartográficas e historiográficas. Varia hist., Belo Horizonte, v. 23, n. 37, p. 70-80, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-87752007000100005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 mai. 2023.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SAID, Edward. Cultura e Imperialismo. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Cia das Letras, 2011.

[VANDELLI, Domenico] Anónimo. Memória sobre a necessidade de uma viagem filosófica feita no reino, e depois nos seus domínios. s.d. (1796), MS 17/41, série azul. In: Memórias Económicas inéditas; (1780-1808), Lisboa, Acad. das Ciências, 1987.

VANDELLI, Domingos. Memória sobre a utilidade dos museus de história natural. In: CARDOSO, José Luis (coord.). Memórias de História Natural: Domingos Vandelli. Porto: Porto Editora, 2003, p. 59-65.

Downloads

Publicado

2023-12-18

Como Citar

FERNANDES LIMA, Eduarda. A construção das paisagens toponímicas na cartografia luso-brasileira: 1750-1790. Faces da História, [S. l.], v. 10, n. 2, p. 297–307, 2023. Disponível em: https://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/2598. Acesso em: 22 abr. 2024.