Cor e cidadania no jornal A Federação

fragmentos biográficos de abolicionistas negros

Autores

  • Tuane Ludwig Dihl

Palavras-chave:

Abolicionistas negros; Cor; Cidadania

Resumo

O movimento abolicionista configurou-se como um campo privilegiado para o envolvimento de diversas parcelas da sociedade, desde os grupos de elite até as classes populares, nas suas diversas categorias e cores. Dessa maneira, o presente trabalho tem como objetivo analisar a forma como abolicionistas negros – sujeitos que lutavam diariamente para conquistar e se manter nos círculos letrados e nos debates sobre os rumos do país - desvelam-se no jornal republicano A Federação. A análise das vidas de José do Patrocínio, Aurélio de Bittencourt e Luiz Gama nos possibilitará observar se e como as categorias de cor e raça eram acionadas pelos periodistas dessa folha para identificá-los, e como se vinculavam à demarcação de hierarquias sociais e especialmente à conquista e ao exercício da cidadania.

Biografia do Autor

Tuane Ludwig Dihl

Mestranda em História - Programa de Pós-graduação em História - UNISINOS – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Campus São Leopoldo – Av. Unisinos, 950, CEP: 93022-000, São Leopoldo, Rio Grande do Sul – Brasil. Bolsista CAPES.

Referências

ALONSO, Angela. Flores, votos e balas: o movimento abolicionista brasileiro (1868-88). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ALONSO, Angela. O triângulo negro da abolição. Ciência Hoje, v.49, Maio 2012, p.38-42.

AZEVEDO, Célia Maria Célia Marinho de. Onda negra medo branco: o negro no imaginário das elites d século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

AZEVEDO, Elciene. Orfeu de Carapinha: a trajetória de Luís Gama na imperial cidade de São Paulo, Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

AXT, Gunter ... [et al.]. Júlio de Castilhos e o paradoxo republicano. Porto Alegre: Nova Proa, 2005.

BAKOS, Margareth. RS: escravismo & abolição. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.

FERREIRA, Ligia Fonseca. Luiz Gama por Luiz Gama: carta a Lúcio de Mendonça. In: Teresa revista de Literatura Brasileira, São Paulo, p. 300-321, 2008.

GAMA, Luiz. Primeiras Trovas Burlescas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

MATTOS, Hebe. Das cores do silêncio. 3aed. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

MOREIRA, Paulo Roberto Staudt. Aurélio Viríssimo de Bittencourt: burocracia, política e devoção. In: GOMES, Flávio, DOMINGUES, Petrônio (orgs.). Experiências da Emancipação: biografias, instituições e movimentos sociais no pós-abolição (1890-1980). São Paulo: Selo Negro, 2011.

MOREIRA, Paulo Roberto Staudt. O Aurélio era preto: trabalho, associativismo e capital relacional na trajetória de um homem pardo no Brasil Imperial e republicano. Estudos Iberos-americanos, PUCRS, v.40, jan-jun, 2014, p.9.

MOREIRA, Paulo Roberto Staudt. Uma parda infância: Nascimento, primeiras letras e outras vivências de uma criança negra numa vila fronteiriça (Aurélio Viríssimo de Bittencourt/ Jaguarão, século XIX). Anais do IV Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional, Curitiba, 2009.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Fortes laços em linhas rotas: literatos negros, racismo e cidadania na segunda metade do século XIX. 2014. 350p. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

RÜDIGER, Francisco. Tendências do jornalismo. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1993.

JR. Ronaldo Sales. O nascimento da nação: Estado, modernização nacional e relaçõesétnico-raciais entre o Império e o início da República. Ciências Sociais Unisinos, v.44, n.2, p.119-129, maio/agosto 2008.

SANTOS, José Antônio. Estratégias étnicas e trajetórias de intelectuais negros. Anais do VI Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional. Florianópolis, 2013. Disponível em: http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/images/Textos.6/josesantos.pdf. Acessado em: 11/04/2016.

SILVA, Ana Carolina Feracin. De “Papa-pecúlio” a Tigre da Abolição: a trajetória de José do Patrocínio nas últimas décadas do século XIX. 2006. 231p. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

SILVEIRA, Cássia Daiane Macedo da. Dois pra lá dois pra cá: O Parthenon Literário e as trocas entre literatura política na Porto Alegre do século XIX. 2008. 189p. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

SILVEIRA, Cássia Daiane Macedo da. O espetáculo das raças – cientistas, instituições e questão racial do Brasil – 1870-1930; São Paulo: Companhia das Letras, 2000 (1996).

TELLES, Edward. Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, Fundação Ford, 2003.

VASCONCELOS, Rita de Cássia Azevedo Ferreira de. República sim, escravidão não: o republicanismo de José do Patrocínio e sua vivência na República. 2011. 240p. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de ciências humanas e filosofia, Programa de pós-graduação em História. Niterói, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2011.

ZUBARAN, Maria Angélica. A invenção branca da liberdade negra. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais. v.06, ano. VI, no3, julho/agosto/setembro de 2009.

Downloads

Publicado

2017-09-06

Como Citar

DIHL, Tuane Ludwig. Cor e cidadania no jornal A Federação : fragmentos biográficos de abolicionistas negros. Faces da História, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 36–56, 2017. Disponível em: https://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/382. Acesso em: 3 mar. 2024.