Cotidiano e escravidão urbana na Zona da Mata de Minas Gerais

Juiz de Fora Século XIX

Autores

  • Caio Batista

Palavras-chave:

Escravidão, Minas Gerais, século XIX

Resumo

O presente estudo busca compreender alguns aspectos do cotidiano e da escravidão urbana em Juiz de Fora, cidade localizada na Zona da Mata de Minas Gerais, durante a segunda metade do século XIX. Para alcançar esse objetivo será analisado o processo de roubo ocorrido na casa do Barão da Bertioga em 1867. A partir do estudo desse documento e com o auxílio da produção historiográfica sobre o assunto será possível analisar algumas redes sociais desenvolvidas entre escravos, livres e libertos na cidade de Juiz de Fora. Além deste aspecto, a análise processual irá permitir resgatar alguns aspectos do cotidiano dos escravos, livres e libertos envolvidos nessa ação criminal. Juto a essa análise será desenvolvido um estudo sobre o desenvolvimento socioeconômico dessa localidade.

Biografia do Autor

Caio Batista

Mestre em História - Doutorando em História – Programa de Pós-Graduação em História – Faculdade de História – UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora, campus Juiz de Fora- Instituto de Ciências Humanas, Rua José Lourenço Kelmer, s/n – Campus Universitário,Bairro São Pedro – CEP: 36036-900 – Juiz de Fora – Minas Gerais – Brasil. Bolsista CNPq.

Referências

ALGRATI, Leila Mezan. O feitor ausente: estudo sobre a escravidão urbana no Rio de Janeiro. Petrópolis: Vozes, 1998.

ALMICO, Rita de Cássia da Silva. Fortunas em movimento: um estudo sobre as transformações na riqueza pessoal em Juiz de Fora, 1870 – 1914. 2001. 165 f. Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

AZEVEDO, Célia Marinho de. Onda negra, medo branco, o negro no imaginário das elites século XIX. Paz e Terra: Rio de Janeiro, 1987.

AZEVEDO, Célia Marinho de. Onda negra, medo branco, o negro no imaginário das elites século XIX. Paz e Terra: Rio de Janeiro, 1987.

BATISTA, Caio da Silva. Cotidiano e escravidão urbana na paróquia de Santo Antonio do Juiz de Fora(MG), 1850 – 1888. 237 Juiz de Fora: FUNALFA, 2015.

BRASIL. Código criminal do Império de 1839. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LIM/LIM-16-12-1830.html.

CAMPOS, Adriana Pereira. Nas barras dos tribunais: direito e escravidão no Espírito Santo do século XIX. 2003. 277 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

CHALHOUB, Sideney. Visões da liberdade: uma História da escravidão nas últimas décadas da corte. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

ELIAS, Nobert.A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

GOMES, Ângela de Castro. Questão social e historiografia no Brasil do pós-1980: notas para um debate (Ensaios bibliográficos). Revista Estudos Históricos, 34:2, 2004.

GUIMARÃES, Elione Silva. Violência entre parceiros de cativeiro: Juiz de Fora. Segunda metade do século XIX. São Paulo: Faped/Annablume, 2006a.

GUIMARÃES, Elione Silva. Múltiplos viveres de afrodescendentes na escravidão e no pós – emancipação: família, trabalho terra e conflito (Juiz de Fora – MG, 1828 – 1928). São Paulo: Annablume, 2006b.

KARASCH,Mary. A vida dos escravos no Rio de Janeiro -1808-1850. 2a Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LARA, Silvia Hunold. Blowin’ In The Wind: Thompson e A Experiência Negra No Brasil. Projeto História, São Paulo, v. 12, p. 43-56, 1995.

LARA, Silvia Hunold. Campos da violência: escravos e senhores na capitania do Rio de Janeiro – 1750 a 1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

MACHADO, Maria H. Crime e Escravidão: Trabalho, luta e resistência nas lavouras paulistas, 1830-1888. São Paulo: Brasiliense. 1987.

MACHADO, Maria H. Sendo cativo nas ruas: a escravidão urbana na cidade de São Paulo. In: Paula Porta (Org.). História da Cidade de São Paulo: A Cidade no Império, 1823-1889. V. 2. São Paulo: Paz e Terra, 2004, p. 57-99.

OLIVEIRA, Eduardo Luis de. Os trabalhadores e a cidade: a formação do proletariado de Juiz de Fora e suas lutas por direitos (1877 - 1920). Rio de Janeiro: FGV, 2010.

PIRES, Anderson José. Capital agrário, investimentos e crise na cafeicultura de Juiz de Fora, 1870 – 1930. 1993. 169 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1993.

REIS, João José e SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 1989.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Retrato em branco e negro: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SILVA, Marilene Rosa Nogueira da. Negro na rua: a nova face da escravidão. São Paulo: Editora Hucitec, 1988. SCHWARCZ, Lilia Moritz. Retrato em branco e negro: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

VELLASCO, Ivan de Andrade. As Seduções da ordem: violência, criminalidade e administração da justiça: Minas Gerais – Século 19. Bauru: Edusc, 2004.

VITORETTO, Bruno Novelino. Do Parahybuna a Zona da Mata: terra e trabalho no processo de incorporação produtiva do café mineiro (1830 – 1870). 2012. 162 f.

Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2012.

FONTES:

Arquivo Histórico de Juiz de Fora

Fundo Criminal do Foro Benjamin Colluci no Império

Série 26: Processos relativos a crime de roubo. Caixa 63.

Série 54: Mapas da população e listas de famílias referentes a censos realizados nos distritos de Juiz de Fora. Lista de população da vila de Santo Antônio do Parahybuna.

Arquivo Histórico da Universidade Federal de Juiz de Fora

Inventários

Inventário do Barão da Bertioga, 1870.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Biblioteca Digital do IBGE

Recenseamento do Brasil em 1872. Link de acesso: http://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=225477

Assembleia Legislativa de Minas Gerais

Coleção de Leis Mineiras

Lei número 472 de 31 de maio de 1850. Link para acesso: http://www.almg.gov.br/consul-te/legislacao/completa/completa html?tipo=LEI&num=472&comp=&ano=1850&aba=-js_textoOriginal .

Lei no 759 de 02 de maio de 1856. Link para acesso: http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=LEI&num=759&comp=&ano=1856&aba=js_textoOriginal#texto.

Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Universidade Federal de Minas Gerais Lei provincial número 1.262, de 19 de dezembro de 1865. Link para acesso: http://www.nphed.cedeplar.ufmg.br/wpcontent/uploads/2012/12/Leis_Mineiras_1865.pdf

Downloads

Publicado

2017-09-06

Como Citar

BATISTA, Caio. Cotidiano e escravidão urbana na Zona da Mata de Minas Gerais : Juiz de Fora Século XIX. Faces da História, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 113–135, 2017. Disponível em: https://seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/386. Acesso em: 3 mar. 2024.