Uma usina hidrelétrica ao sul do Brasil: tombar para preservar?

  • Daniela PISTORELLO
Palavras-chave: usina hidrelétrica; Santa Catarina; patrimônio industrial; reutlização, tombamento

Resumo

A Usina Hidrelétrica Gustavo Richard, uma das primeiras construídas no estado catarinense no início do século XX, foi a responsável pelo abastecimento de energia elétrica da capital até 1972, ano de sua desativação. Desde então sua edificação passou a sofrer as ações do tempo, motivo este que justificou seu tombamento. Considerando a complexidade do patrimônio industrial em questão e do tombamento como um instrumento de salvaguarda repleto de tensões, este artigo tem o objetivo de analisar os diferentes valores atribuídos à usina hidrelétrica Gustavo Richard presentes no seu processo de tombamento homologado em 2005. De forma geral, a pesquisa apontou que, tão importante quanto tombar o bem, é atentar para a importância de sua reutilização, discussão fundamental no trato do patrimônio industrial na contemporaneidade.

Biografia do Autor

Daniela PISTORELLO

Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente sou bolsista do Programa Nacional de Pós-Doutorado/CAPES da Universidade Estadual de Santa Catarina – UDESC. Desenvolvo pesquisas relativas ao patrimônio cultural do estado de Santa Catarina, com ênfase em Patrimônio Industrial. Integro Laboratório de Patrimônio Cultural (LabPac), desenvolvo atividades no Laboratório de Ensino de História (Leh) participando das reuniões com alunos da graduação em História no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid).

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Disponível em: <http://www.aneel.gov.br/> Acesso em: 03 mar.2015.

ARECES, Miguel Ángel Álvarez. Arqueología industrial. El pasado por venir. Colección La herencia recuperada. Gijón: Editora CICEES, 2007.

BIELSCHOWSKY, Bernardo Brasil. Patrimônio industrial e memória urbana em Blumenau/SC. 2009. 211 f. Dissertação (mestrado em Arquitetura). UFSC. Florianópolis/SC, 2009.

BOURDIEU, Pierre. O Campo Científico. In: ORTIZ, Renato (Org.). Coleção Grandes Cientistas Sociais, n. 39. São Paulo: Editora Ática, 1983. p. 122-155.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BRITO, Paulo Sá; VIEIRA, Luiz Cézare. Histórias de Luz. Em comemoração aos 60 anos da Celesc. Florianópolis: Officio, 2015.

CAROLA, Carlos Renato (org.) Memória e cultura do carvão em Santa Catarina: impactos sociais e ambientais. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2011.

CARVALHO, Murilo Teixeira. Patrimônio industrial, o território fabril sob a lente da (i)materialidade. 2013. 85 f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural e Sociedade). Universidade da Região de Joinville. Joinville/SC, 2013.

COMMITTEE FOR THE CONSERVATION OF THE INDUSTRIAL HERITAGE (TICCIH). Carta de Nizhny Tagil. Moscou, 2003. Versão em português disponível em: <http://ticcih.org/wp-content/uploads/2013/04/NTagilPortuguese.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2017.

CORDEIRO, José Manuel Lopes Cordeiro. Desindustrialização e salvaguarda do patrimônio industrial: problema ou oportunidade? Oculum Ensaios, Campinas, n. 13, p. 154-165, jun. 2011.

COSTA, Marli de Oliveira. Artes de Viver: Recriando e Reinventando Espaços-Memórias das Famílias da vila Operária Mineira Próspera/ Criciúma (1945-1961). 1999. 206 f. Dissertação. (Mestrado em História). UFSC. Florianópolis, 1999.

CUNHA, Sylvia Amélia Carneiro da. Gustavo Richard: Um republicano histórico em Santa Catarina. Brasília: Editora do Senado, 1995.

FONSECA, Karla F. Patrimônio em contraste: as ações de litígio na proteção do patrimônio edificado em Blumenau/SC (1980-2010). 2014. 210 f. Dissertação (Mestrado em História). UDESC. Florianópolis/SC, 2014.

GEOARQUEOLOGIA PESQUISA CIENTÍFICA LTDA. Relatório da prospecção arqueológica submetida ao IPHAN como requisito parcial à obtenção de Licença ambiental de instalação (LAI). Levantamento arqueológico prospectivo na área de reativação da PCH Maroim. Florianópolis, 2013.

GONÇALVES, Janice. Figuras de valor: patrimônio cultural em Santa Catarina. Itajaí: Casa Aberta, 2016.

HAMILTON, Duda; MARKUN, Paulo. CELESC: 50 anos de luz. Florianópolis: Abecelesc, 2006.

IPHAN/FNPM. Instituto do Patrimônio Histórico Artísitico Nacional/fundação Nacional pró-Memória. Projeto Industrias Familiares dos imigrantes. Obra-Tratado 0638, P.2544.1, folha 07,07. Arquivo IPHAN. Brasília: Centro Nacional de Referências Culturais, 1977.

JEUDY, Henri-Pierre. Memórias do social. Rio de Janeiro: forense Universitária, 1990.

Jornal AN Capital, Joinville, p.5, ago.1997.

Jornal Correio de Santa Catarina. São José, p.3, nov. 2009.

KALB, Christiane Heloisa. Patrimônio industrial: As memórias dos ferramenteiros em Joinville. 2013. 205 f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural e Sociedade). Universidade da Região de Joinville. Joinville/SC, 2013.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Preservação do patrimônio arquitetônico da industrialização. Cotia/SP: Ateliê Editorial, 2008.

MAGALHÃES, Gildo. Da usina à população na velocidade da luz: fios elétricos e desenvolvimento. Revista Labor e Engenho, Campinas, vol.9, n.1, p. 06-18, jan-mar. 2015.

MAGALHÃES, Gildo. Força e Luz: eletricidade e modernização na República Velha. São Paulo: Editora da UNESP, 2000.

MENEGUELLO, Cristina. As ruínas do futuro e o novo patrimônio Industrial. Entrevista concedida à Anaxsuell Fernando da Silva e Wagner do Nascimento Rodrigues. UNICAMP, 2011. Disponível em: <http://periodicos.uern.br/index.php/contexto/article/viewFile/1041/569>. Acesso em: 03 ago. 2013.

MENEGUELLO, Cristina. Patrimônios sombrios, memórias difíceis. In. FLORES, Maria Bernadete; PETERLE, Patrícia. História e Arte. Herança. Memória, patrimônio. São Paulo: Rafael Copetti Editor, 2014. p. 46-65.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. Do teatro da memória ao Laboratório de História: a exposição museológica e o conhecimento histórico. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. São Paulo, vol. 2, n. 1, p.9-42, jan-dez. 1994.

MORTATI, Débora Marques de Almeida Nogueira. A implantação da hidroeletricidade e o processo de ocupação do território no interior paulista (1890-1930). 2013. 380 f. Tese (Doutorado em Engenharia Civil). UNICAMP. Campinas/SP, 2013.

PEDRO, Joana Maria. Nas tramas entre o público e o privado: A imprensa de Desterro no século XIX. Florianópolis: Editora da UFSC, 1995.

PIAZZA, Maria de Fátima Fontes; BARRETO, Maria Therezinha Sobierajski; SOUZA, Sara Regina Silveira de. A fábrica de pontas “Rita Maria” - um estudo de arqueologia industrial. Florianópolis: Editora da UFSC, 1981.

PISTORELLO, Daniela. O Brasil da diversidade? Patrimônio e paisagem cultural no projeto Roteiros Nacionais de Imigração de Santa Catarina. 2015. 221 f. Tese. (Doutorado em História). UNICAMP. Campinas/SP, 2015.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ. Processo de Tombamento municipal referente a Usina Hidrelétrica Gustavo Richard. PT 13923/05.

REPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Lei federal 10848/2004 de 15 de março de 2004 que dispõe sobre a comercialização de energia elétrica. Disponível em: Acesso em: 20 de jun.2016.

REIS FILHO, Nestor Goulart. Estação da Cultura: patrimônio ferroviário do povo de Campinas. São Paulo: Via das Artes, 2004.

SÃO JOSE (Município). Decreto municipal n.18.707/2005 de 22 de setembro de 2005. Dispõe sobre o tombamento do complexo da usina de geração de energia do Sertão do Maroim e dá outras providências.

SÃO JOSE (Município). Lei orgânica do município de São José/SC. Disponível em: . Acesso em: 20 de jun. 2016.

SCHMITZ, Sérgio. Introdução à História da Iluminação Pública. Revista Ágora. Florianópolis, v. 1, n.25, p. 14-16, 1998.

SILVA, Marco Aurélio. Antiga usina será transformada em museu. Jornal Comunidade de São José, São José/SC, p.2, jun-jul. 1998.

SOTO, Anne Elise Rosa. Patrimônio industrial edificado urbano de Jaraguá do Sul/SC. 2010. 196 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura). UFSC. Florianópolis/SC, 2010.

VOLPATO, Terezinha Guasho. Os trabalhadores do carvão: a vida e a luta dos mineiros de Criciúma. 1989. 404 f. Tese. (Doutorado em Sociologia). USP. São Paulo/SP, 1989.

Publicado
2017-09-07
Como Citar
PISTORELLO, D. Uma usina hidrelétrica ao sul do Brasil: tombar para preservar?. Faces da História, v. 4, n. 1, p. 30-52, 7 set. 2017.
Seção
Artigos para Dossiê