A REPRESENTAÇÃO DA MULHER NEGRA AMERICANA DO INÍCIO DO SÉCULO XX EM THEIR EYES WERE WATCHING GOD, DE ZORA NEALE HURSTON

  • Aline Benato Soares
  • Mirian Ruffini
  • Mariese Ribas Stankiewicz
Palavras-chave: Mulher negra, Identidade, Representação

Resumo

O presente artigo tem por objetivo mostrar uma análise do romance Their eyes were watching God (1937), da escritora americana Zora Neale Hurston (1891-1960). Especificamente, no que diz respeito ao desenvolvimento identitário da personagem Janie Crawford que se deu com maior intensidade durante os períodos em que viveu com Jody Starks e, depois, com Tea Cake. Assim, julgamos que seja importante verificar alguns pontos que dizem respeito à identidade, desenvolvidos por Stuart Hall e por Homi Bhabha, tão bem quanto observar a crítica de autoras que falaram sobre a representação feminina, como Simone de Beauvoir, Sandra Gilbert e Susan Gubar. Trouxemos alguns elementos acerca da representação da mulher negra dos anos de 1920 e percebemos que a personagem Janie se depara com uma série de dificuldades e frustações, que, sobremaneira, servem como mola de propulsão para transformar sua vida. O romance em questão representa verdadeiramente as vivências do povo negro, desde o dialeto utilizado na elaboração dos diálogos presentes no romance, até a elaboração complexa das personagens. Podemos afirmar que a obra em questão é um relato que representa a mulher negra dos anos de 1920, nos Estados Unidos e os seus desafios.

Publicado
2019-10-02
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES