MEMORIAL DE AIRES

TEMPO DE REVIVER

  • Joel Cardoso
  • Maria Domingas Ferreira de Sales

Resumo

O artigo se propõe a fazer uma abordagem sobre o Tempo na obra Memorial de Aires, de Machado de Assis. São preponderantes nesta modalidade de texto os aspectos referentes ao Tempo, não apenas como elemento peculiar da narrativa, mas também como tematização da última obra escrita pelo mestre carioca, considerando-se, ainda, a carga semântica que traz em si o termo “memorial”. Trata-se de uma breve reflexão baseada nos estudos de Octavio Paz, Gaston Bachelard. Jeanne Marie Gagnebin, a propósito da leitura sobre Walter Benjamim e de pressupostos sobre Tempo e Memória, de Raul Castagnino, tomados para demonstrar que o Memorial de Aires, como representação do constante diálogo entre passado, presente e futuro, integra tais dimensões no conjunto do que chamamos obra literária. O Tempo, portanto, como instância constitutiva da ficção, confere à narrativa proporções maiores, reitera as amarras existentes entre a memória e a imaginação. É o elemento ativo propulsor dos fatos, construtor da história.

Publicado
2018-06-12
Como Citar
CARDOSO, Joel; FERREIRA DE SALES, Maria Domingas. MEMORIAL DE AIRES. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, [S.l.], v. 22, p. 333-344, jun. 2018. ISSN 1984-2899. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/1102>. Acesso em: 16 out. 2018.
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES