LIBERDADE, LIBERTINAGEM, LIBERTAÇÃO

APROPRIAÇÃO LITERÁRIA EM JOSÉ DE ALENCAR, MÁRIO DE ANDRADE E GUIMARÃES ROSA

  • Déborah Scheidt

Resumo

Neste trabalho, examinamos os mecanismos de apropriação literária em O Guarani (1857), de José de Alencar, Macunaíma (1928), de Mário de Andrade e Grande Sertão: veredas (1956), de Guimarães Rosa sob uma perspectiva comparativa. Do ponto de vista dos gêneros literários, demonstramos como Alencar, Mário e Rosa apropriam-se, de modo diferenciado, da modalidade “romance” em sua acepção moderna e/ou medieval. A apropriação dos temas literários se dá pela expressão de questões nacionais, segundo projetos ideológicos bastante particularizados. Quanto à apropriação da linguagem, os três autores tiveram que defender a legitimação do uso literário das variantes orais do português e as utilizaram em suas obras com diferentes graus de “estranhamento”.

Publicado
2017-09-11
Como Citar
SCHEIDT, Déborah. LIBERDADE, LIBERTINAGEM, LIBERTAÇÃO. Miscelânea, [S.l.], v. 10, p. 67-94, set. 2017. Disponível em: <http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/441>. Acesso em: 22 set. 2017.
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES