SETE OSSOS E UMA MALDIÇÃO

O RASTRO DO FANTÁSTICO NA LITERATURA JUVENIL BRASILEIRA

  • Luciane Alves Santos universidade federal da paraíba
Palavras-chave: Literatura Juvenil; fantástico; intertextualidade.

Resumo

Este artigo tem como propósito uma reflexão acerca das estratégias discursivas e temáticas que cooperam para a construção da literatura juvenil contemporânea. Selecionamos para estudo o volume de contos Sete ossos e uma maldição (2013), da escritora brasileira Rosa Amada Strausz. Para efeito de análise, consideramos que o princípio estruturador das narrativas é a hipertextualidade, ou seja, a leitura indireta de motivos clássicos da literatura fantástica para revesti-los em uma nova composição, jovem e moderna. No desenvolvimento do trabalho, serão considerados os pressupostos teóricos de Daniel Delbrassine (2006), H.P. Lovecraft (2008), Gérard Genette (2010), Teresa Colomer (2017), David Roas (2011), dentre outros.

Publicado
2020-01-16
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES