DA “POETISA BONITA” À “MÁSCULA AUTORA”: SOBRE A GENERIFICAÇÃO DE FRANCISCA JÚLIA

  • Henrique Marques Samyn
Palavras-chave: Francisca Júlia, crítica feminista, literatura de autoria feminina

Resumo

Este artigo tenciona apresentar algumas considerações em torno da recepção da obra poética de Francisca Júlia da Silva (1871-1920). Por meio de uma análise de artigos e textos críticos publicados desde o final do século XIX até o começo do século XX, argumenta-se que dois processos de generificação simultâneos podem ser percebidos, de modo que Francisca Júlia – como autora empírica – é constituída como “feminina”, e sua obra poética é constituída como “masculina”, o que está profundamente associado à dinâmica de gênero no âmbito de uma sociedade patriarcal

Publicado
2019-10-02
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES